Reportagens

Primeiro semestre de 2015 foi o mais quente já registrado

De acordo com agência norte-americana do clima, o ano caminha para quebrar recorde entre os mais quentes da história.

Cíntya Feitosa ·
7 de agosto de 2015 · 7 anos atrás

O ano de 2015 caminha para quebrar o recorde entre os mais quentes já registrados no mundo. O primeiro semestre teve temperatura 0,85ºC acima da média e foi o mais quente desde 1880, de acordo a agência norte-americana NOAA. A média global é calculada de acordo com os registros das temperaturas nas superfícies oceânica e terrestre.

Junho foi o terceiro mês deste ano a quebrar o recorde mensal de temperatura, junto com março e maio. Os outros meses também registraram altas temperaturas: janeiro e fevereiro ocupam o segundo lugar entre os mais quentes, na comparação com os mesmos meses, e abril foi o quarto com temperatura mais alta.

O mês de junho também registrou a terceira menor extensão de gelo no Ártico desde 1979, quando as medições por satélite começaram, usando dados da NOAA (Agência Nacional de Oceanos e Atmosfera) e Nasa (Agência Espacial Norte-Americana).

No mapa, as regiões em vermelho registraram temperatura acima da média. Em azul, as regiões com temperatura abaixo da média. A comparação é entre 2015 e o período de 1981 a 2010.

Clique para ampliar. Foto: NOAA
Clique para ampliar. Foto: NOAA

 

 

*Este artigo foi publicado originalmente no site do Observatório do Clima, republicado em O Eco através de um acordo de conteúdo. logo-observatorio-clima

 

 

Saiba mais
Relatório: NOAA National Centers for Environmental Information, State of the Climate: Global Analysis for June 2015, publicado online em Julho de 2015

Leia também
Áreas protegidas da Amazônia absorvem 11 vezes mais carbono
Brasil está mais inflamável, dizem estudos
Infraestrutura é chave para corte de emissões neste século, diz estudo

 

 

 

Leia também

Reportagens
17 de agosto de 2022

Indústria madeireira concentra exploração em apenas 2% das espécies disponíveis na Amazônia

O Brasil comercializou 998 tipos diferentes de madeira provenientes da Amazônia entre 2007 a 2020, mas, apesar desta abundância, a indústria madeireira no país está concentrada na exploração ao esgotamento de apenas 15 a 20 espécies (2%). Isso é o que mostra a mais recente edição do Boletim Timberflow, estudo sobre a cadeia da madeira

Salada Verde
16 de agosto de 2022

Brasil volta às urnas sem a opção de “candidatura verde” em 2022

A lacuna de candidaturas ligadas às propostas ambientais ocorre mesmo com a pauta do meio ambiente sendo uma das mais debatidas pela sociedade

Notícias
16 de agosto de 2022

Alvo de imbróglio jurídico, Parque Cristalino II perde quase 900 hectares em queimada ilegal

Ainda não é possível dizer se incêndio foi intencional, mas organizações alertam para “coincidência” entre fato e decisão da justiça pela extinção da unidade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta