Reportagens

O Cerrado não morreu

Relatório da Conservação Internacional previu o fim do bioma para 2030, mas também aponta soluções.

Lorenzo Aldé ·
6 de agosto de 2004 · 18 anos atrás

O Cerrado vai desaparecer até 2030. A notícia espalhou-se em alarmantes manchetes na imprensa e, como veio, passou. O sombrio anúncio foi feito em um relatório divulgado em julho pela Conservação Internacional do Brasil, com o título “Estimativas de perda da área do Cerrado brasileiro”.

Mas o estudo – primeiro mapeamento em larga escala de um bioma brasileiro, baseado em imagens de satélite – não empaca no pessimismo. Além de evidenciar a ininterrupta diminuição da cobertura vegetal do Cerrado, num ritmo de 2,2 milhões de hectares a menos por ano, traz informações relevantes sobre a biodiversidade do segundo maior bioma nacional, trata das transformações produtivas que acarretaram a degradação de algumas áreas e pouparam outras, e apresenta sugestões para preservar o que resta e recuperar o que já está comprometido.

Os dados a partir 1995 não deixam dúvidas: a soja é o maior vilão do atual desmatamento do Cerrado. Em sete anos, a área de cultivo praticamente dobrou de tamanho. Mas os autores do estudo sustentam que o principal problema, quando o assunto é agricultura, são as “políticas públicas conduzidas de forma antagônica”. Explica-se:

Se por um lado o Ministério do Meio Ambiente – MMA trabalha para que o porcentual de áreas protegidas no Cerrado aumente para um patamar maior (hoje as unidades de conservação representam 2,2% da área original do Cerrado), o Ministério da Agricultura trabalha com uma perspectiva de utilização de aproximadamente 100 milhões de hectares adicionais para a expansão da agricultura.

Daí a necessidade de um “pacto político” entre ministérios, estados e sociedade para implementar as dez ações remediadoras sugeridas, concentradas em mais recursos, mais áreas protegidas, formação de recursos humanos e investimento na economia local, com ênfase em cultivos originais de cada região.

Para quem não se conforma em adotar o luto com 26 anos de antecedência, vale conhecer a íntegra do relatório Estimativas de perda da área do Cerrado brasileiro [ pdf ].

  • Lorenzo Aldé

    Jornalista, escritor, editor e educador, atua especialmente no terceiro setor, nas áreas de educação, comunicação, arte e cultura.

Leia também

Reportagens
5 de julho de 2022

“O INPE está abandonado”, diz Ricardo Galvão, ex-diretor do Instituto

Segundo cientista, mesmo que os investimentos voltem, vai demorar de dois a três anos para órgão de pesquisa se recompor

Reportagens
5 de julho de 2022

Mulheres na luta contra invisibilidade na pesca

A urgente necessidade de visibilidade das demandas da pesca artesanal e gênero nas discussões foi tema de diversos encontros paralelos ao palco principal da Conferência dos Oceanos

Colunas
5 de julho de 2022

Um adeus ao fotógrafo de natureza Ricardo Azoury

Fotógrafo profissional desde 1977, Azoury faleceu neste final de semana, em Petrópolis (RJ), após um acidente de carro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta