Reportagens

Turismo eco-chique

Em Itaipava, roteiros eco-rurais combinam gastronomia, agricultura orgânica e artesanato. Para quem tem um 4x4 mas só dirige no asfalto, um curso ensina a andar na lama.

Carla Rodrigues ·
16 de setembro de 2004 · 20 anos atrás

Fotos: Carla Rodrigues

Recém-batizada de Rota 22, a estrada que liga Araras, distrito de Petrópolis (RJ) ao Vale das Videiras (foto) é uma serra de 10 quilômetros de asfalto ruim e visual deslumbrante. Para atravessá-la, não é preciso ter um jipe off-road 4×4, só um pouco de paciência: são 30 minutos de curvas acentuadas e ladeiras de inclinação idem. Se o objetivo for apenas chegar até o vale, a viagem pode ser curta. Mas se a intenção for conhecer as atrações turísticas que a propaganda promete, é preciso começar cedo. As paradas são muitas e o destino garante boas surpresas, todas na linha do eco-turismo-rural chique: artesanato e cerâmica, alta gastronomia, pousadas caras e um silêncio de fazer inveja a qualquer habitante de grande cidade. O roteiro pode ser mais radical para quem gosta de se aventurar em trilhas, mas a nova onda na região é essa combinação de turismo rural com pinceladas de ecologia e muita sofisticação e conforto. É um tipo de rural que, além de chique, é mais palatável.

O passeio pela Rota 22 começa na BR-040, a privatizada e bem-asfaltada estrada Rio-Juiz de Fora. Na altura da entrada para Araras faltam cerca de 20 quilômetros para chegar ao Vale das Videiras. É verdade que os moradores já fizeram mutirão para tirar lixo do rio que corre paralelo ao asfalto, e é também inevitável constatar o desmatamento provocado, logo na entrada, por uma comunidade carente que, como todas as outras do estado do Rio de Janeiro, não pára de crescer. Mas de qualquer maneira, o roteiro é ecológico: o visitante atravessará de carro uma das grandes APAs da cidade de Petrópolis. Até a chegada no vale, a estrada é pontilhada de opções de restaurantes e compras. Como a cerâmica Oryba (foto), cujas peças são produzidas à mão e pintadas ali, no mesmo ateliê onde são vendidas.

O caminho pode ser curtido a cada curva. Na chegada, o Vale das Videiras vai oferecer como recompensa o desfrute de um lugar preservado do burburinho que já caracteriza a estrada União-Indústria, em Itaipava, mas com oferta de pelo menos um bom restaurante – o Pirilampo –, uma pousada de padrão luxo – a Fazenda das Videiras, que recebe o hóspede num casarão recuperado do século 19 – e uma criativa loja de decoração, a Berrante. Do centro do vale partem caminhadas e trilhas que podem ser combinadas com os guias da região. Como, por exemplo, sair do Vale das Videiras e percorrer o Caminho do Imperador. Há quem se disponha a subir e descer a pé, e sobre rodas não é trajeto a ser cumprido por carro de passeio. Um jipe reforçado ajuda a encarar as três horas de estrada irregular que desemboca no Rocio, onde um trutário pode matar a fome de quem já fez tanto esforço.

A Rota 22 é um dos quatro roteiros turísticos de Petrópolis que oferece essa mistura. Os outros são a estrada do Taquaril, que liga Petrópolis a Teresópolis, o circuito Serra-Vale, que percorre o Vale do Cuiabá a partir de Itaipava, e onde o turista encontra uma seqüência de boas pousadas (Tambo de los Incas e Tankamana, essa última com trutário aberto a não-hóspedes), e o Caminho do Brejal. Muito semelhante a Rota 22, o o Caminho do Brejal também combina características rústicas com visitas a produtores artesanais e a uma fazenda produtora de hortaliças orgânicas. No roteiro que sai da Posse, também distrito de Petrópolis, e vai até o Brejal, existe o asfalto, acessível ao eco-turista chique, e há a opção fora de estrada.

Para a alternativa off-road, a concessionária Land Rover de Itaipava oferece, no próximo dia 25, um curso básico de direção para quem quiser tirar seu 4×4 da cidade. Os proprietários de Land Rover que tiverem comprado o carro na Landscape têm direito ao curso gratuitamente. Para o público em geral, o pré-requisito é ter um Land Rover, mesmo que não tenha sido adquirido na loja. A primeira parte do curso, teórica, ensina como lidar com situações difíceis como travessia de rios e solo instável (vulgo lama). Depois da breve introdução, o motorista está apto a percorrer o Caminho do Brejal acompanhado dos guias que ajudam em qualquer emergência. Depois do batismo, o motorista estará apto a se inscrever nas trilhas que a loja promove mensalmente. A próxima, em outubro, será uma viagem ao Parque da Bocaina (Sul Fluminense), e a expectativa é que em 2005 os adeptos do off-road venham a percorrer a cordilheira dos Andes de jipe.

Tudo para iniciantes
Ajudar iniciantes é a especialidade do guia turístico Luiz Antônio de Souza (foto), 46 anos, proprietário da pousada Cabanas do Açu, com privilegiada localização: abaixo de uma das entradas do Parque Nacional da Serra dos Órgãos. “O cliente iniciante é a base da programação”, garante ele. No final da estrada do Bonfim, em Corrêas, um dos distritos de Petrópolis mais afetados pela favelização do município, a pousada tem atrações que atendem desde o leigo que está disposto a fazer sua primeira trilha – esses Luiz Antônio batiza numa caminhada de apenas um quilômetro que começa a 30 metros da pousada e dura meia-hora – até uma viagem de três dias a pé. É a viagem Petrópolis-Teresópolis, que atravessa o parque e passa pelas montanhas mais altas da região (Pedra do Açu, 2.246 metros e Pedra do Sino, 2.263 metros). Para esses aventureiros, a pousada oferece toda a infra-estrutura: material para acampamento, transporte na volta (são três dias só de ida), alimentação e, luxo máximo, carregadores para todo este equipamento. Grupos a partir de quatro pessoas podem marcar a viagem na pousada.

Outra aventura para iniciados é a escalada a Pedra Comprida (foto), que o próprio Luiz Antônio, formado pela Embratur em guia de ecoturismo em 1988, quando pouco se ouvia falar disso, considera difícil. “São 28 linhas de subida, nenhuma fácil”, diz. Com o ecoturismo cada vez mais em moda, Luiz Antônio recebe aventureiros de fim de semana dispostos a se iniciar no ramo da aventura. Além das caminhadas leves ou moderadas, a pousada oferece muitas alternativas, todas com seguro Ecotrip, uma modalidade que o HSBC dispõe para praticantes de atividades como arvorismo, rapel, cabo aéreo, canyoing, tirolesa, rafting e o que mais houver a fazer entre rios, árvores e montanhas. Instalada no alto do Bonfim desde 1991, a pousada tem 10 chalés quem acomodam até quatro pessoas. Aos hóspedes oferece, além de contato com a natureza em trilhas de três quilômetros com desnível de 200 metros que desembocam em cachoeiras, pernoite, alimentação completa e uma opção radical pelo ecológico. Nada de compras, gastronomia ou badalação noturna. Menos chique, mais ecológica.

  • Carla Rodrigues

    Jornalista, é doutora e mestre em Filosofia (PUC-Rio), onde estuda questões éticas e políticas. Coordenadora do Centro Técnic...

Leia também

Salada Verde
24 de maio de 2024

Comissão da Câmara aprova projeto que aumenta pena para crime ambiental na Amazônia

Proposta também inclui penalização de servidores e agentes públicos que se omitirem diante de tais crimes. Ascema vai avaliar conteúdo do texto

Notícias
24 de maio de 2024

Desastres ambientais afetaram 418 milhões de brasileiros em 94% das cidades, diz estudo

Levantamento feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) mostra que cada brasileiro enfrentou, em média, mais de duas situações de desastre entre 2013 e 2023

Salada Verde
24 de maio de 2024

A despedida da flor-de-maio 

A bela floração dessa espécie endêmica da Mata Atlântica dura de 15 a 20 dias e ocorre somente uma vez por ano

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.