Reportagens

Globo-ecologia

Inaugurado em 95, o Projac, da TV Globo, tem uma gestão ambiental exemplar, da preservação e replantio de Mata Atlântica até detalhes dos processos de produção.

Lorenzo Aldé ·
24 de novembro de 2004 · 20 anos atrás

A TV Globo publicou esta semana, em três quartos de página do primeiro caderno do jornal O Globo, um anúncio sobre sua “política ambiental”. Ele dizia que a empresa “sempre preservou a qualidade, o talento e a cultura. O meio ambiente não podia ficar de fora”, para em seguida enumerar os compromissos da emissora com a preservação dos recursos naturais. Parecia apenas uma declaração de princípios. Mas era uma novidade à procura de uma reportagem.

Quais eram, afinal, as ações de preservação ambiental da Rede Globo, que ela mesma divulga? A resposta é surpreendente. Elas começaram a ser implementadas há quase dez anos, com uma discrição que nem parece coisa de uma rede de televisão. Não se tratava sequer de um novidade. E essas atitudes não ficam dispersas em pequenos e escondidos projetos conservacionistas. A política ambiental da TV Globo está presente em cada detalhe de seu maior cartão de visitas: a Central Globo de Produção (CGP), mais conhecida como Projac.

Inaugurado em 1995, o Projac ganhou este apelido por localizar-se em Jacarepaguá, zona oeste do Rio de Janeiro. Durante as obras, a casa o chamava de “Projeto Jacarepaguá”. Depois da inauguração, quem o conhecia pela abreviatura era o público. Desde então, convive o infalível aposto de “Hollywood brasileira”. É o maior centro de produção de TV da América Latina, com seis estúdios de mil metros quadrados cada, fábrica de cenários, fábrica de figurinos, cidades cenográficas, centro de pós-produção e setores de apoio à produção e administrativos. Para se ter uma idéia, antes do Projac a TV Globo utilizava mais de 40 endereços diferentes para produzir os seus programas. Hoje estão todos centralizados nos 200 mil metros quadrados de área construída.

Esta é a primeira boa notícia ambiental: o terreno da Central Globo de Produção tem 1.650.000 metros quadrados. A diferença entre esta área e os 200 mil metros quadrados de edificações está coberta por Mata Atlântica preservada ou reconstituída. São 1 milhão de metros quadrados para os quais a Globo não tem nenhum plano a não ser deixar a floresta em paz. E mais 400 mil metros quadrados reflorestados pela empresa com 40 mil mudas de espécies nativas, numa área que estava degradada quando o terreno foi adquirido.

Todo o funcionamento do Projac foi planejado para uma gestão ecologicamente impecável. Junto aos estúdios e escritórios da emissora, foram construídas Estações de Tratamento de Esgoto, de Água e até de Tinta. Uma caixa separadora impede a mistura de óleo e água, poupando de contaminação o lençol freático. Esse tratamento faz o esgoto do Projac chegar praticamente limpo à rede coletora pública. O que naquela região é certamente um caso único.

No complexo foi instalado um sistema de coleta seletiva de lixo, que separa papel, plástico, metais e resíduos orgânicos. Uma Central de Resíduos armazena os materiais recicláveis e destina os não-recicláveis para aterros sanitários e industriais licenciados. Com alguns cuidados básicos, como acondicionar em tonéis os materiais tóxicos (como tinta, pincéis, lubrificantes, solventes e ácidos). As sobras do restaurante, que serve cinco mil refeições por dia, são guardadas num frigorífico especial, em vez de azedar a céu aberto.

Há também a preocupação de reduzir a produção de resíduos, com o reaproveitamento e reutilização de matérias-primas. Noventa por cento da madeira utilizada nas produções são reciclados. E, como era de se esperar, 100% têm origem certificada pelo Ibama. Este ano, expandiram a reciclagem de papéis até fora dos domínios da Globo. Os capítulos impressos utilizados nas novelas e seriados são recolhidos nas casas dos atores. Não é pouco papel: cada capítulo diário tem em média 20 laudas, e eles são distribuídos, além da direção e equipe técnica, para todos os atores principais, que numa novela chegam a 20 ou 30.

A energia utilizada pelo Projac vem de sua Central de Cogeração, gerada em turbinas movidas a gás natural da bacia de Campos, que é pouco poluente. A água que sai das turbinas em forma de vapor é reaproveitada no sistema de refrigeração do complexo. A Light no Projac é estepe. As operações de infra-estrutura e geração de energia elétrica e térmica foram certificadas no Sistema de Gestão Ambiental da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), de acordo com a norma ISO 14001.

Até a frota de 150 carrinhos elétricos que circulam pelos estúdios e cidades cenográficas é contabilizada como benéfica ao meio ambiente, por não gerar barulho nem poluição. Anualmente, auditorias ambientais conferem a limpeza do projeto. O anúncio publicado no Globo não menciona nada disso, mas soa como um prenúncio de que a empresa finalmente decidiu incluir em seu marketing institucional as ações de preservação ambiental da Central Globo de Produção. Sinal de que começa a reconhecer o tema como importante junto à opinião pública.

Não custa torcer para que o próximo passo seja aumentar a duração do programa Globo Ecologia e colocá-lo num horário menos plebeu. Atualmente, a única atração da TV Globo dedicada ao meio ambiente dura 25 minutos. Passa aos sábados, 7 da manhã.

  • Lorenzo Aldé

    Jornalista, escritor, editor e educador, atua especialmente no terceiro setor, nas áreas de educação, comunicação, arte e cultura.

Leia também

Reportagens
24 de junho de 2024

Marina Silva apoia pré-candidatura prioritária da Rede em São Paulo, com foco na pauta ambiental

Ministra participou de evento realizado no último sábado (22), em apoio à Marina Bragante, que concorrerá à câmara de vereadores; intenção é percorrer o país

Análises
24 de junho de 2024

Greve dos servidores ambientais: o dilema político do governo Lula

O governo sabe que a reestruturação da carreira de especialista em meio ambiente é uma questão de justiça e que não promovê-la tem um custo político enorme, pois revela uma incoerência

Salada Verde
24 de junho de 2024

Aos 94 anos, morre Dalgas Frisch, “senhor das aves” do Brasil

Pioneiro na gravação do canto das aves no país, ainda na década de 60, Dalgas dedicou sua vida à observação, promoção e conservação da avifauna brasileira

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.