Reportagens

Brasil entra no grupo que pede “alta ambição”

Coalizão por acordo ambicioso tem mais de 130 países. Principal objetivo é mensagem política de esforço para alcançar um bom tratado de clima

Claudio Angelo · Cíntya Feitosa ·
11 de dezembro de 2015 · 6 anos atrás
izabella-coalizao-ambicao
Izabella Teixeira, ministra do Brasil, cumprimenta Tony deBrum, chefe da delegação das Ilhas Marshall. Foto: Paulo de Araujo/MMA

A um dia do término da conferência do clima das Nações Unidas, o Brasil anunciou nesta sexta-feira a sua adesão à “Coalizão de Alta Ambição” da COP21. A iniciativa, que reúne mais de 100 países, é puxada pelas Ilhas Marshall, uma das pequenas nações insulares do Pacífico, e tem membros como Estados Unidos e União Europeia. O objetivo é político: manifestar o compromisso de trabalhar para o melhor acordo em Paris. Em compensação, países como Venezuela e China, com a fama de travar pontos importantes da negociação, não aderiram.

Na noite de quinta-feira não havia qualquer sinalização da entrada do Brasil na coalizão – um membro da delegação brasileira comentou que o país não havia sido convidado. “Não é uma iniciativa para pressionar as negociações, é uma iniciativa independente”, disse a ministra Izabella Teixeira (Meio Ambiente) hoje. “Aderimos porque nos chamaram, e nós e as Ilhas Marshall temos as únicas INDCs [metas nacionais] absolutas e para toda a economia”, desconversou.

Apesar de a ministra ter minimizado o fato, a adesão do Brasil foi anunciada com pompa e circunstância pela coalizão: afinal, trata-se do primeiro país do grupo BASIC (que inclui os gigantes do mundo em desenvolvimento) a aderir. A entrada do país foi anunciada na entrevista coletiva mais concorrida do último dia “oficial” de COP, que contou com a presença da chanceler da Alemanha, Barbara Hendricks, e da ministra do Meio Ambiente da Noruega, Tine Sundtoft.

“É uma demonstração de boa vontade, e especialmente interessante considerando que o Brasil costuma ficar de fora de alianças desse tipo”, disse Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima. Um dos exemplos usados pelo ambientalista é a Declaração de Florestas em Nova York, no ano passado. “Entre boa vontade e ação, porém, vai uma distância”, completou, citando o planejamento do Brasil em investir em combustíveis fósseis na próxima década.

A principal mensagem da adesão ao grupo é que o Brasil apoia, ou ao menos não é contra, a meta de longo prazo de reduzir emissões de forma a limitar o aquecimento do planeta em 1,5 grau Celsius em relação ao período pré-industrial, principal ponto de convergência da coalizão. “O problema que alguns países têm com esse tema é que, se esta não é a única trajetória, por que isso deve ser mencionado no acordo?”, disse o ex-chanceler brasileiro Luiz Figueiredo.

O diplomata analisa as projeções do painel de clima das Nações Unidas, que sinalizam que os custos de adaptação em um mundo 2 graus Celsius mais quente seriam mais altos que em um limite menor, de 1,5 grau Celsius. Para Figueiredo, o que importa é que a meta esteja no texto. “Não é um problema para o Brasil [mencionar a meta]. É um problema para outros.”

Liderança do Brasil

Tony deBrum, chefe da delegação das Ilhas Marshall, afirmou que a presença do Brasil no grupo é importante, pela demonstração de ambição do país nas negociações. “Ter o Brasil a bordo é essencial para o nosso sucesso”, disse. DeBrum quer garantir que os diplomatas e ministros voltem para casa “tendo feito o que vieram fazer em Paris”.

O Brasil também foi mencionado pela sociedade civil internacional como uma liderança na última rodada de negociações do acordo de Paris. Segundo a CAN (Climate Action Network), a participação do país foi crucial para resolver impasses nos temas mais complexos, como finanças e diferenciação.

Não há novidades sobre o texto do acordo. No fim do dia, o presidente da COP21, o francês Laurent Fabius, chamou os negociadores a assumirem a responsabilidade de um compromisso em nome do interesse de todos. “É preciso saber terminar uma negociação”, disse.

Além da menção a 1,5 grau Celsius como limite de aquecimento global, a última versão do texto trazia avanços em finanças, estabelecendo que os países ricos devem prover US$ 100 bilhões anuais a partir de 2020 para ações de mitigação e adaptação em países vulneráveis. Ainda havia indefinições sobre revisão das metas e o texto não continha a meta de zerar emissões de carbono.

O documento também indica um convite ao IPCC para formular cenários climáticos para o aquecimento a 1,5ºC em 2018. Atualmente, só existem projeções científicas sobre o aquecimento de 2ºC do planeta em relação ao período pré-industrial.

 

Veja aqui toda a cobertura da COP21, uma parceria com o Observatório do Clima logo-observatorio-clima

 

 

Leia também
Negociação em Paris se aproxima do consenso
Paris: Tudo combinado e nada resolvido

 

 

 

  • Claudio Angelo

    Jornalista, coordenador de Comunicação do Observatório do Clima e autor de "A Espiral da Morte – como a humanidade alterou a ...

Leia também

Reportagens
10 de dezembro de 2015

Paris: Tudo combinado e nada resolvido

COP21 entra na reta final com proposta de texto que mantém opções para acordo ambicioso, mas países repetem velhas posições e ameaçam avanço para conseguir barganhas de última hora.

Reportagens
11 de dezembro de 2015

Negociação em Paris se aproxima do consenso

Nova versão de texto avança em mecanismos de finanças e transparência na implementação do tratado, mas é mais branda quanto a metas de longo prazo e obrigação de reduzir emissões.

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta