Reportagens

Com pressão ambiental, Brasil começa a tirar do papel rastreabilidade individual de bovinos

Em fase inicial no MAPA, medida ainda deve enfrentar muitos entraves antes de se tornar política pública, incluindo resistência do setor e divergências internas

Cristiane Prizibisczki ·
5 de maio de 2023

O Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) trabalha, neste momento, em uma proposta de regulamentação da rastreabilidade individual de bovinos no país. A medida é vista como alternativa ao hoje falho sistema de rastreabilidade por lotes usado no Brasil e viria para garantir maior qualidade sanitária e ambiental da carne produzida internamente. 

Para entender melhor a proposta e seu status dentro do Executivo, ((o))eco ouviu empresas do ramo da carne, organizações de pesquisa, secretários do MAPA e o próprio ministro Carlos Fávaro. A conclusão é que, até que a rastreabilidade individual seja de fato implementada no Brasil, muitos obstáculos terão de ser superados, como resistências do setor e divergências sobre sua funcionalidade dentro do próprio governo.

Discussões iniciais

É consenso entre os principais países exportadores e importadores de carne bovina que a rastreabilidade por identificação individual dos animais é fundamental para aumentar a segurança sanitária e alimentar e promover respostas mais rápidas e efetivas no controle e erradicação de doenças infecciosas dos rebanhos. Ela também seria peça essencial no rastreio de ilegalidades ambientais ligadas à cadeia da carne, como o desmatamento.

Tanto é que Austrália, Argentina, Uruguai, Chile, Canadá e países da União Europeia já implantaram sistemas de rastreabilidade individual em 100% de seus rebanhos. 

O Brasil, líder global na exportação de carne bovina, ainda engatinha na questão. Apesar de o assunto circular há décadas no setor, somente agora em 2023 o governo brasileiro começou a adotar medidas concretas para a implementação de um sistema em grande escala.

Em 12 de janeiro, o Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) lançou uma Tomada Pública de Subsídios sobre a proposta de regulamentação de controles aplicados à rastreabilidade da cadeia produtiva da carne bovina e de búfalos. A tomada recebeu propostas até 24 de março.

((o))eco teve acesso ao questionário usado na Tomada Pública, no qual o MAPA pedia que os participantes respondessem questões como a efetividade dos métodos de identificação coletiva de animais hoje empregada, se o Brasil deveria adotar um sistema de identificação individual, quais os maiores obstáculos à adoção de tal sistema e qual seria a estratégia mais adequada para seu processo de implementação, entre outras.

Questionado, o MAPA informou por e-mail, no dia 2 de maio, que os técnicos do Ministério estavam analisando as contribuições e que “ainda não há posicionamento oficial quanto ao resultado da Tomada Pública de Subsídios”.

Circula no meio, no entanto, a informação de que um sistema nacional de rastreabilidade individual será implementado, com numeração também nacional e única (sem repetição). Ainda não está definido qual órgão seria responsável pela gestão do sistema, se o próprio governo, uma empresa privada, organização do terceiro setor ou uma entidade formada por vários atores. 

O que se sabe é que o governo teria papel fundamental na regulamentação da proposta.

Pasto na Amazônia. Foto: Marcio Isensee e Sá.

Embates já iniciados

A Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura – que reúne cerca de 300 representantes do setor privado, financeiro, academia e sociedade civil em prol de uma economia de baixo carbono – foi uma das respondentes da Tomada Pública de Subsídios do MAPA.

A organização defende que o fortalecimento da rastreabilidade nas cadeias produtivas é uma medida fundamental para desassociá-las do desmatamento ilegal e que o controle da qualidade ambiental da carne precisa passar por melhorias urgentes.

“O sistema de rastreabilidade da cadeia de bovinos e búfalos é limitado, por restringir-se predominantemente à identificação coletiva dos animais, e baseado em um método obsoleto, a marca a fogo, de efetividade reduzida e prejudicial ao bem-estar dos animais. Além disso, está baseado exclusivamente no controle fitossanitário [sic] de rebanhos, desconsiderando importantes informações socioambientais referentes à localidade de origem dos animais”, disse, em nota.

A Coalizão também sugeriu ao MAPA que o processo seja conduzido de forma gradual e por uma organização com trânsito entre todos os atores e elos da cadeia produtiva, ancorado em uma política nacional de rastreabilidade instituída pelo governo federal e com amplo envolvimento do setor produtivo.

Já a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) não encara o assunto com tanta urgência. Sua proposta é que o sistema seja voluntário e com prazo mínimo de oito anos para adaptação dos produtores rurais.

“O Mapa deixou claro que implantará a rastreabilidade individual. Com o entendimento de que isso é um caminho sem volta, nós da CNA decidimos fazer uma proposta baseada nas necessidades do pecuarista para que seja de fácil implantação, com tempo suficiente, adesão voluntária e que tenha seus custos reduzidos ao máximo”, afirmou, no dia 20 de abril, o presidente da Comissão Nacional de Bovinocultura de Corte da CNA, Francisco Olavo Pugliesi de Castro.

Segundo a CNA, o pecuarista é que deve estar no centro das discussões e o novo sistema teria que trazer “benefícios” ao setor. “Se ele [pecuarista] não visualizar qualquer benefício, sua adesão fica prejudicada, afetando toda a cadeia”, diz a entidade.

Para Paulo Barreto, pesquisador sênior do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), a proposta da CNA pode significar uma postergação infinita do pecuarista em aderir ao sistema. 

“O pecuarista não está interessado. Não é ele que vai evoluir nessa agenda, isso eles deixaram claro. Se é voluntário, teoricamente o prazo é infinito, então pode ser nunca”, disse, em entrevista a ((o))eco.

Brinco na orelha

Atualmente, a rastreabilidade da cadeia da carne é feita por uma ferramenta chamada Guia de Trânsito Animal (GTA). A GTA é o documento oficial para transporte animal no Brasil e contém informações sobre origem, destino, finalidade, espécie e vacinas aplicadas. 

Criada para fins sanitários – controle de vacinas – a GTA é atualmente a principal ferramenta usada para o rastreio ambiental do gado, ao ser cruzada com dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e imagens de satélite.

O problema é que, além de ser emitida para lotes de animais – e um lote pode ter bois de várias procedências – a GTA não é aberta ao controle social, tem se mostrado cheia de falhas e é altamente fraudável.

O único sistema oficial de rastreio individual que existe no país é o SISBOV. Mas, além de ser voluntário, ele também tem falhas, como explica Paulo Barreto, do Imazon. 

“Um gado que nasceu no Acre, por exemplo, pode entrar no SISBOV somente quando chega a São Paulo, o sistema aceita isso, o que significa que e o gado pode ter nascido em área com desmatamento ilegal”, diz.

Num sistema organizado e robusto de rastreabilidade individual, cada bezerro, logo após o nascimento, receberia um brinco e um chip com numeração única. As informações seriam, então, inseridas num sistema informatizado, onde os dados sanitários e ambientais, como local de nascimento – estariam disponíveis às partes interessadas e integradas com outros sistemas, como o CAR e registros de produtores nas agências de defesa animal.

Brasil é o maior exportador de carne bovina do mundo. Foto: Márcio Isensee e Sá

De acordo com o pecuarista Mauro Lúcio Costa, de Paragominas (PA), o investimento nesse sistema não chega, para o produtor, a 0,5% do custo de produção, considerando a arroba do boi gordo.

Rastreabilidade ambiental ou sanitária?

Com a crescente pressão de consumidores e o agravamento das questões ambientais no nível mundial, os mercados internacionais têm endurecido cada vez mais suas regras para importação de carne. Esse é o caso da União Europeia, que tem fechado o cerco sobre produtos ligados ao desmatamento ilegal.

A pecuária é hoje o maior indutor de desmatamento na Amazônia. Pastos para o gado cobrem cerca de 90% da área total desmatada no bioma, e mais de 90% dos novos desmatamentos são ilegais

Apesar de a GTA ser o principal instrumento da rastreabilidade ambiental no país, seu uso para tal fim não é consenso nem dentro do governo. 

Para Márcio Rezende Evaristo Carlos, secretário-adjunto de Defesa Agropecuária do MAPA, o objetivo da GTA é conhecer as transferências de animais entre propriedades para, num evento sanitário, realizar o rastreio da origem da ocorrência. Qualquer uso fora desse objetivo seria um “erro”, diz ele.

As informações são declaratórias e isso foi criado ao longo de muitos anos, com base na confiança entre o produtor e o sistema. O que nos preocupa quando se diz ‘vamos usar a GTA para uma questão ambiental’ é que a gente perderá, provavelmente, [a confiança]. Se o produtor tiver alguma restrição em movimentar os animais, ele vai movimentar de qualquer forma, não vai nos comunicar e não vamos conseguir rastrear. Será um processo bastante deletério para um instrumento que foi criado na base da confiança. Por esse motivo nós entendemos que o uso de um instrumento que até hoje sustentou a questão de saúde animal para outra finalidade que não a sanitária, é um erro”, disse.

A reportagem conversou com o secretário-adjunto durante a IV Feira Internacional para a Indústria de Processamento de Proteína Animal e Vegetal (Expomeat), realizada entre 28 e 30 de março de 2023, em São Paulo.

Nesse contexto, a rastreabilidade individual, discutida mais recentemente, seria a solução para a questão ambiental, correto? Para a diretora de Cadeias Produtivas do MAPA, Fabiana Villa Alves, não é bem assim.

“A rastreabilidade, essa que abriu [a Tomada Pública de Subsídios] é só ligada à qualidade e sanidade do produto. O plano de rastreabilidade ambiental não é nosso papel, porque desmatamento ilegal é MMA, conservação de floresta é MMA [Ministério do Meio Ambiente]. A nossa parte é fomentar a pecuária sustentável. São algumas nuances que, na prática, não nos fazem ligar rastreabilidade com desmatamento”, disse, em entrevista a ((o))eco, no dia 27 de abril, por ocasião de um evento em São Paulo.

Vice presidente Geraldo Alkmin discursa durante evento da Marfrig em São Paulo. Ao lado, estão a ex-ministra Izabella Teixeira (MMA) o atual ministro do MAPA, Carlos Fávaro, e o fundador da Marfrig, Marcos Molina. Foto: Divulgação/Marfrig

No mesmo evento, conversamos com o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, que discorda da visão. Quando questionado se a rastreabilidade individual poderia ser usada para controle ambiental, disse:

“Mais do que pode, ela deve ser […] Não tem outro caminho, não tem outra alternativa. A alternativa que temos é achar a melhor forma de criar esse sistema e dar o próximo passo.”

Segundo Fávaro, o MAPA não fará esse processo sozinho. Iniciativa privada e organizações sociais vão participar ativamente dessa construção, “para que, juntos, escolhamos um modelo que é fundamental para nossa pecuária”, disse.

Enquanto o embate segue, inclusive dentro do próprio governo, a floresta continua sendo dizimada sob a pata do boi.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
5 de setembro de 2017

Governo contra governo: sem guia de trânsito, gado ilegal no Pará fica impune

Há seis anos não se apreende boi em unidades de conservação do estado porque sua agência de vigilância sanitária se omite na emissão de guias de transporte

Notícias
28 de abril de 2023

Marfrig defende abertura de dados de trânsito animal para acabar com desmatamento na cadeia

Empresa também se disse comprometida em adiantar para 2024 o prazo de rastreabilidade total de sua cadeia de fornecedores, entre diretos e indiretos

Reportagens
29 de setembro de 2023

Seca: passa de 100 o número de botos mortos em lago da Amazônia

Somente na quinta-feira (28) foram contabilizadas 70 novas mortes de botos-rosa e tucuxis no Lago Tefé (AM). Força tarefa foi criada para salvar população local

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta