Reportagens

CBUC 2015: Primeiro painel debate a lei que rege as áreas protegidas

Debate do primeiro dia do congresso aborda histórico, os prós e contras do Sistema Nacional de Unidades de Conservação, o chamado SNUC.

Daniele Bragança ·
23 de setembro de 2015 · 6 anos atrás
Maria Tereza Pádua abre o primeiro dia de palestras. Foto: Daniele Bragança.
Maria Tereza Pádua abre o primeiro dia de palestras. Foto: Daniele Bragança.

As primeiras palestras do VIII Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação debateram a lei federal que rege as áreas protegidas brasileiras, a Lei 9.985, conhecida pela simpática sigla SNUC, que abrevia Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Maria Tereza Jorge Pádua abriu traçando um histórico dos movimentos que precederam a aprovação em 2000 e fez críticas como o excesso de categorias de áreas protegidas, a falta de previsão de recursos para fazer regularização fundiária das novas UCs e para mantê-las funcionando. Entretanto, celebrou o SNUC como uma conquista importante. Em seguida, falou Miguel Milano, um dos autores do documento liderado por Ibsen de Gusmão Câmara e que serviu de base ao texto que tramitou no Congresso. Milano resumiu as dificuldades e obstáculos do processo de aprovação do SNUC sob as disputas dos grupos de interesse do legislativo. Pádua e Milano concordaram que, hoje, tentar melhorar o SNUC seria temível, pois a composição corrente do Congresso Nacional está mais propensa a destroçá-lo.

Em seguida, Bráulio Dias, secretário executivo da Convenção sobre Diversidade Biológica da ONU, avaliou a porcentagem de áreas terrestres e marinhas protegidas no Brasil fixadas pela meta 11 de Aichi. Ele concluiu que o Brasil está bem, embora apenas um terço das áreas protegidas do país esteja implementada de forma satisfatória.

A manhã terminou com a fala do biólogo George Schaller. Ele fez um apanhado rico em exemplos espalhados pelo mundo de como o progresso econômico implicou na diminuição de florestas e recursos naturais. Defendeu que as áreas protegidas são essenciais para garantir a biodiversidade e ambientes naturais intocados pelo homem.

À tarde, os participantes dividiram-se entre os cinco simpósios temáticos do evento: papel das reservas privadas (as RPPNs); biodiversidade e mudanças climáticas; comunicação e engajamento na área ambiental; dilemas da refaunação; programa de negócios e biodiversidade da convenção sobre biodiversidade da ONU.

Veja nossa vídeo reportagem com o resumo desta terça.

 

*Participam da cobertura do VIII CBUC os jornalistas: Eduardo Pegurier, Uanilla Pivetta e Daniele Bragança e Márcio Isensee e Sá.

Leia Também
Fundação Grupo Boticário celebra realizações no aniversário de 25 anos
Nesta segunda, começa a 8ª edição do CBUC
Todo dia é dia de lançamento de livro no CBUC

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
18 de setembro de 2015

Todo dia é dia de lançamento de livro no CBUC

Maria Tereza Pádua e George B. Shaller são alguns dos autores que lançam obras inéditas no Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação.

Notícias
21 de setembro de 2015

Começou, nesta segunda, a 8ª edição do CBUC

No VIII Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC), especialistas e cerca de mil participantes  promovem um debate intenso sobre temas de conservação da natureza.

Notícias
22 de setembro de 2015

Fundação Grupo Boticário celebra realizações no aniversário de 25 anos

Nascida em 1990, é uma das maiores instituições privadas de conservação ambiental e financiadora de mais de 1.400 projetos. Celebração abre a 8ª edição do CBUC.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta