Salada Verde

Negociador brasileiro diz que líderes não mudarão texto

“Esse é o documento, o texto está negociado e concluído”, declarou Luiz Alberto Figueiredo, secretário executivo do Brasil na Rio+20

Daniele Bragança ·
21 de junho de 2012 · 10 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Líderes globais posam para foto oficial da Rio+20. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.

Começou hoje o segmento de alto nível da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, com a presença dos chefes de Estados e Governo de 193 países. Até sexta-feira, os líderes mundiais discutirão o texto-base acordado ontem. A expectativa que rondava o Riocentro nesta quarta-feira (20) era de alguma ação que pudesse dar mais substância ao texto sobre desenvolvimento sustentável, mas o que se verificou é que provavelmente eles só vieram para tirar a foto oficial. O texto está pronto e não será reaberto.

“Esse é o documento, o texto está negociado e concluído”, afirmou contundente o embaixador Luiz Alberto Figueiredo, principal estrategista das negociações brasileiras, ao explicar que os líderes políticos não discutirão o acordo feito pelos diplomatas. Faltou justificar o que eles vieram fazer aqui, então.

O Brasil se vangloria de ter restaurado o espírito do multilateralismo. Críticas à condução do processo? Não houve, afirmou o embaixador. A pergunta sobre países que criticaram o Brasil pedindo mais ousadia no documento, ele respondeu com a crítica: faltou financiamento das metas de desenvolvimento sustentável. A resposta foi endereçada à Europa. “Não pode exigir ambição de ação, quem não tem ambição de financiamento, quem exige ação de ambição sem colocar dinheiro na mesa está sendo, no mínimo, incoerente”, disse o embaixador.

A ministra Izabella Teixeira, que participava da coletiva, concordou com a cabeça e afirmou que no final da Rio-92 as manchetes dos jornais também eram todas pessimistas. Chegou a ler algumas, afirmando que é natural os jornais refletirem negativamente as decisões tomadas, que só podem ser mensuradas no futuro. “É uma conferência de partida, é uma conferência que define novos caminhos para agir em médio e longo prazo, com critério do que seja economia verde. É um conjunto de decisões, um texto cheio de detalhes e as pessoas ainda não tiveram tempo de se dedicar a ler com cuidado”, afirmou a ministra.

As decisões amarradas nas negociações ficarão para 2015, quando os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável tomarão o lugar dos Objetivos do Milênio, e servirão de metas para a construção de um futuro sustentável. Isso se até lá o acordo não for por água abaixo em nome do multilateralismo.

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
21 de janeiro de 2022

Em discurso de pré-candidatura, Ciro Gomes defende economia de baixo carbono

Durante a Convenção Nacional do PDT, o pré-candidato diz que a pauta ambiental é um instrumento de proteção dos ecossistemas e uma oportunidade de investimento

Análises
21 de janeiro de 2022

O Agro quer seguro rural, mas precisa mesmo é do Código Florestal

Sem cumprir as leis ambientais e sofrendo com mudanças climáticas, lideranças do Agro se mobilizam para ampliar o seguro rural com dinheiro público. Rios e florestas seguem em agonia. Moro já aderiu

Reportagens
21 de janeiro de 2022

Brasil registra recorde de extremos de chuva no início do verão

Entre 1º e 31 de dezembro de 2021, a equipe técnica do Cemaden emitiu 516 alertas de risco de desastres, como deslizamentos, inundações e enxurradas, para os 1.058 municípios monitorados

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta