Salada Verde

Juiz proíbe veículos em Iguaçu para proteger fauna

Ação movida por ONG obriga o Parque Nacional do Iguaçu a cumprir seu plano de manejo. Razão são os atropelamentos e mortes de animais.

Redação ((o))eco ·
22 de agosto de 2012 · 9 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Onça atropelada e morta em 2009, exibida em matéria anterior de ((o))eco. (Foto: Acervo do Parque Nacional de Iguaçu)
Onça atropelada e morta em 2009, exibida em matéria anterior de ((o))eco. (Foto: Acervo do Parque Nacional de Iguaçu)

Desde o dia primeiro de agosto está proibida a circulação de carros de passeios, táxis, vans e ônibus de turismo no Parque Nacional do Iguaçu, um dos mais visitados do país. A decisão faz parte da liminar que obriga a direção do parque a cumprir seu plano de manejo. O objetivo da diminuição da frota de veículos é reduzir os sucessivos atropelamentos e mortes de animais na estrada que corta o parque, a BR 469. De 2009 até agora, houve 149 atropelamentos de animais. Uma média de 3 atropelamentos por mês. Só esse ano, 38 animais foram atropelados, segundo levantamento do Parque.

Em 2009, o atropelamento e morte de um dos últimos exemplares de onça-pintada (Panthera onca) motivou a ação civil pública iniciada pelo Instituto Justiça Ambiental (IJA) exigindo do Parque cumprir com as diretrizes expressas no seu próprio plano de manejo. Posteriormente, o Instituto Justiça Ambiental desistiu da ação que continuou através do Ministério Público Federal.

Agora, pela decisão do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região, o acesso será feito exclusivamente pelos ônibus da concessionária Cataratas do Iguaçu S.A, que administra o parque. Até a decisão judicial, a empresa transportava 80% dos visitantes, enquanto o restante usava outros transportes privados.

De acordo com o diretor da unidade, Jorge Luiz Pegoraro, a mudança não afetará a vida dos turistas, já que a capacidade instalada da concessionária é de aproximadamente 7.500 visitantes por dia e a média diária de visitação é de 3 mil pessoas. “A exceção são os feriados prolongados e meses de férias, como janeiro e julho, onde há necessidade de locação de ônibus para atender a demanda dos picos de visitação”, informou Pegoraro por email.

Os hóspedes do hotel das Cataratas, que funciona dentro do parque, terão que respeitar horários. A circulação de táxis e outros veículos para o leva e traz de hóspedes foi proibida.
 
A liminar determina o limite de 40 km/hora para veículos, como estipula o plano de manejo, e a retirada imediata das placas conflitantes, que estabelecem limites errados de 50Km/h e 60 km/h, velocidade que coloca em risco a fauna local. Controles eletrônicos deverão ser instalados no prazo de 6 meses, e seus registros enviados periodicamente ao Ministério Público Federal.

Empregos em risco

A proibição de veículos não autorizados no parque causou protestos. O Parque Nacional de Iguaçu é uma das unidades de conservação mais visitadas do país. O seu movimento turístico impulsiona a economia da região.

De acordo com Sidnei dos Reis, presidente do sindicato dos Guias de Turismo de Foz do Iguaçu, perto de 3 mil trabalhadores serão afetados, entre motoristas de ônibus, taxistas e guias turísticos (que trabalhavam nos ônibus). De quinta-feira (16) a sábado (18), esse grupo protestou contra a liminar.

No sábado, os manifestantes foram recebidos por Gleisi Hoffmann, ministra-chefe da Casa Civil, que estava em Foz do Iguaçu. Ainda segundo Reis, a ministra os apoiou e disse que levará o assunto à sua colega Izabella Teixeira, ministra do meio ambiente.

A ideia é pressionar para mudar o plano de manejo e regulamentar os transportes privados no parque. Enquanto isso não acontece, o grupo, junto a um representante da prefeitura de Foz do Iguaçu, preparam um abaixo assinado a ser entregue a Izabella Teixeira.

O Juiz Federal Rony Ferreira, que deu a liminar determinando o cumprimento do Plano de Manejo, escreveu no seu relatório que o ICMBio pode rever a restrição e aceitar a circulação de veículos no interior do PNI, mas, acrescentou, “enquanto isso não ocorre deve observá-lo”.

Apenas 5,6 mil hectares da área total de 185,3 mil hectares do Parque Nacional são abertos à visitação. Segundo Reis, a decisão é um favorecimento econômico à concessionária, mas não tem base conservacionista. “Preocupam-se com a exploração da área turística, que representa só 3% da área total do parque. Ninguém se preocupa com os atropelamentos na BR 277, que contorna 50 km do parque”, disse a ((o))eco.

O Parque Nacional do Iguaçu conta com 10 servidores do ICMBio e 50 funcionários terceirizados. Dos 10 servidores, 5 são fiscais ambientais e realizam também atividades de monitoramento, manejo e educação ambiental.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta