Salada Verde

A dramática situação de dois sapos sulistas

Animais raros vivem em área ameaçada por agrotóxicos e numa reserva concedida para uso público demandada por indígenas

Aldem Bourscheit ·
10 de outubro de 2023
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Após a obra de uma ponte turística eliminá-lo do Parque Nacional de Aparados da Serra, a última população conhecida do sapinho-verde-de- barriga-vermelha está na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, também no Rio Grande do Sul.    

Mas a sobrevivência da espécie não está assegurada naqueles córregos, campos e matas de altitude, quando em vez salpicados de araucárias e por outras plantas da Mata Atlântica sulista. 

Uma concessão de uso público mudou a gestão da área protegida, também ocupada por indígenas Xokleng. Eles demandam parte da unidade de conservação federal por usos ancestrais. 

O Instituto Curicaca avalia que “interesses sobrepostos” na floresta nacional poderiam ser resolvidos com um acordo formal entre ICMBio e Funai que esclareça os compromissos de cada parte interessada no território. 

Conforme a ong, um processo semelhante permitiu o uso comum por quilombolas de pequena porção do Parque Nacional da Serra Geral, vizinho do Aparados da Serra. 

Já um artigo publicado na revista Aquatic Toxicology alerta que agrotóxicos podem extinguir o sapinho-admirável-de-barriga-vermelha (Melanophryniscus admirabilis). Ele vive apenas num pequeno trecho do rio Forqueta, nos municípios de Arvorezinha e de Soledade, mostrou ((o))eco.

O trabalho mostrou que até 71% dos animais expostos a glifosato e sulfentrazona morreram. Sua morada é abrigada na Mata Atlântica, mas a área é cercada por cultivos como de soja e fumo. Monitorar e limitar o uso de pesticidas é crucial para sua conservação.

O sapinho-admirável-de-barriga-vermelha (Melanophryniscus admirabilis) vive apenas em 2 km de um rio na Mata Atlântica gaúcha. Foto: Márcio Borges-Martins
  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Reportagens
2 de março de 2023

O limite da sobrevivência de um sapinho admirável

Espécie restrita a pequeno trecho de rio afastou uma hidrelétrica, mas é assombrada pelo avanço do agronegócio e pela crise climática

Reportagens
6 de outubro de 2023

Sem freio, crise do clima pode extinguir anfíbios globalmente

Além de suas funções ecológicas, esses animais auxiliam a medicina, a controlar pragas e até indicam perigos ambientais

Registro inédito mostra que a perereca Xenohyla truncata pode ser um agente polinizador nas restingas em que vive. Foto: Carlos Henrique Nogueira
Reportagens
27 de abril de 2023

Destruição das restingas ameaça perereca com potencial polinizador

Enquanto a ciência busca responder se uma perereca exclusiva das restingas do Rio de Janeiro pode ser o primeiro anfíbio polinizador do mundo, a espécie vê seu habitat cada vez menor

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.