Análises

“Não vivemos em um mundo perfeito”

Especialista em infraestrutura na bacia amazônica escreve sobre gasoduto em Camisea, no Peru. Para ele, projeto é exemplo a ser seguido. 

Bruce Babbitt ·
20 de março de 2012 · 12 anos atrás

As cabeceiras ocidentais da Amazônia estão abrindo-se para um boom de petróleo e gás. Multinacionais petrolíferas estão fazendo grandes descobertas ao longo de toda a faixa oeste dos Andes, desde a Venezuela passando por Colômbia, Equador, Peru e Bolívia, no que é chamado de tendência Sub-Andina.

O cinturão de petróleo e gás está sob a mais rica biodiversidade da Terra. E essa região de cabeceiras é lar para muitos indígenas que vivem voluntariamente em isolamento e que nunca foram contatados. Num mundo ideal, todas essas cabeceiras estariam fora do alcance da exploração de petróleo e gás.

No entanto, não vivemos em um mundo perfeito. Apesar da luta para proteger os povos indígenas e a biodiversidade através da criação de reservas, empresas de petróleo e gás fazem novas descobertas todos os dias.

Ao mesmo tempo que trabalhamos para a criação de mais áreas protegidas livres da exploração de petróleo e gás, também temos de exigir que as companhias de petróleo usem os mais altos padrões e empreguem os melhores métodos de operação visando proteger a floresta e os habitantes das áreas onde estão autorizadas a atuar.

Onde podemos observar tais práticas? Bem, não há muitos exemplos. A maioria do desenvolvimento segue os padrões trágicos e destrutivos que vemos no leste do Equador.

No entanto, há um lugar onde o aprendizado de como gerir o petróleo e gás pode ser visto. Esse lugar é Camisea, grande empreendimento nas cabeceiras do rio Urubamba, no Peru.

Camisea é o melhor exemplo de um novo conceito de desenvolvimento chamado “offshore interior”. Vista de cima, se assemelha a qualquer outra plataforma de petróleo no mar, mas sobre um oceano de floresta intocada. Não há estradas em Camisea. Os dutos foram construídos por helicóptero e os corredores de oleodutos foram reflorestados para impedir o acesso ao local. A única entrada é por via aérea e o acesso é controlado ao longo do Rio Urubamba.

A tragédia no leste do Equador nos ensina que as piores conseqüências da tradicional exploração petrolífera são causadas por efeitos secundários como invasões de terras, queima de florestas, extração ilegal de madeira, plantações de coca, caça de animais selvagens e mineração ilegal de ouro. Sem estradas, no entanto, a terra permanece inacessível e estes efeitos secundários não ocorrem.

A exploração de petróleo e gás está avançando em ritmo acelerado na parte superior da Amazônia. Nosso desafio é duplo: o primeiro é mantê-la longe de áreas que devem ser totalmente protegidas. E segundo, exigir que o modelo de “offshore interior” seja obrigatório para todas as áreas onde a exploração de petróleo e gás é permitida.

*em resposta a Glenn H. Shepard e Douglas W. Yu

Saiba mais
PMG Peru

Leia também
Artigo de Glenn H. Shepard e Douglas W. Yu sobre Camisea

 

  • Bruce Babbitt

    Governador do Arizona de 1978 a 1987. Foi também Secretário de Interior durante o governo Clinton, de 1993 a 2011. Ele é part...

Leia também

Notícias
12 de abril de 2024

ICMBio abre consulta pública para criação de novo parque marinho no Rio Grande do Sul

Criação do Parna de Albardão foi proposta há mais de 15 anos. Unidade protegerá 1,6 milhão de hectares, em região com alta pressão da pesca industrial

Notícias
12 de abril de 2024

Pesquisadores alertam para impactos de turbinas eólicas sobre morcegos

Artigo assinado por 12 pesquisadores de 9 países e territórios aborda efeitos das turbinas sobre morcegos ao redor do mundo, lista medidas de prevenção e pede maiores regulações

Salada Verde
12 de abril de 2024

Os 35 anos do Parna Grande Sertão Veredas

Uma das principais unidades de conservação do Cerrado abriga inigualáveis cenários que inspiraram a obra de Guimarães Rosa

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.