Análises

Minha Antártica tem palmeiras onde canta o … pinguim?

Clima na Antártica há 53 milhões de anos já foi quente, devido a uma alta concentração de carbono na atmosfera que podemos voltar a atingir.

Fabio Olmos ·
2 de agosto de 2012 · 10 anos atrás
Um pinguim-de-barbicha (Pygoscelis antarcticus) escorrega na neve em South Georgia, uma das ilhas subantárticas. Foto: Fabio Olmos
Um pinguim-de-barbicha (Pygoscelis antarcticus) escorrega na neve em South Georgia, uma das ilhas subantárticas. Foto: Fabio Olmos

Clique para ampliar

Uma equipe de cientistas que obteve núcleos de sedimentos depositados fora da costa da Antártica publicou um trabalho que conclui que, durante o Eoceno (53 milhões de anos atrás), as temperaturas durante o inverno estavam acima de 10°C e no verão superavam os 20°C.

Esse clima ameno possibilitava que palmeiras, faias e araucárias crescessem no continente. Ele foi consequência de concentrações de CO2 atmosférico da ordem de 600 ppm (partes por milhão). As emissões atuais resultantes do desmatamento, agricultura e queima de combustíveis fósseis já nos fizeram a atingir 390 ppm.

Segundo David Bendle, um dos cientistas que realizou a pesquisa, a conclusão do estudo é “quanto mais informações obtemos, mais parece que os modelos que estamos usando não superestimam a mudança [climática] ao longo dos próximos séculos, e que eles podem estar subestimando-a. Essa é a mensagem essencial”.

Autor deste blog, Fabio Olmos é biólogo e doutor em zoologia. Tem um pendor pela ornitologia e gosto pela relação entre ecologia, economia e antropologia.

 

  • Fabio Olmos

    Biólogo, doutor em zoologia, observador de aves e viajante com gosto pela relação entre ecologia, história, economia e antropologia.

Leia também

Análises
17 de maio de 2022

Oportunidades e desafios para a implementação do Código Florestal brasileiro

A lentidão na implementação do Código Florestal representa o desperdício de uma valiosa oportunidade de transformar o uso da terra no Brasil

Salada Verde
16 de maio de 2022

((o))eco oferece curso gratuito de jornalismo ambiental para estudantes da Amazônia Legal

Participantes poderão concorrer a uma bolsa de 3 mil reais para produzir uma reportagem sobre a Amazônia

Notícias
16 de maio de 2022

Brasileiro recebe prêmio internacional por trabalho na conservação do tatu-canastra

O prêmio Future for Nature Awards 2022 reconheceu o trabalho do biólogo Gabriel Massocato no Programa de Conservação do Tatu-Canastra

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta