Notícias

Mesmo em meio à tragédia do RS, Congresso ainda trava aprovação de pautas climáticas

Após atraso provocado por parlamentares bolsonaristas e ligados ao agro, projeto sobre criação de planos de adaptação no país é aprovado no Senado

Cristiane Prizibisczki ·
16 de maio de 2024

O Senado Federal aprovou na tarde de quarta-feira (16) o projeto de lei que cria diretrizes para a elaboração de planos de adaptação à mudança do clima no país. A aprovação, no entanto, não aconteceu sem ter de enfrentar diferentes percalços. Mesmo já estando apta para votação, senadores ruralistas e bolsonaristas conseguiram fazer com que a proposta voltasse a ser analisada em comissão temática da Casa, atrasando sua tramitação. 

O Projeto de Lei 4129/21 chegou ao Plenário do Senado na última segunda-feira (13), após aprovação na Comissão de Meio Ambiente (CMA). Na terça-feira ele entrou na pauta de discussões, mas a oposição de alguns senadores e uma manobra política do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) fizeram com que ele não fosse votado naquele dia.

No momento da discussão da proposta, Flávio Bolsonaro tentou apresentar uma emenda ao projeto. O prazo para apresentação de emendas havia terminado no início de março. Após acordo político, o filho do ex-presidente conseguiu com que o PL voltasse para a Comissão de Constituição e Justiça, onde sua emenda tardia seria então apresentada.

Na CCJ, a emenda foi aceita, mas o senador Flávio Bolsonaro depois votou contra o projeto. Além dele, Hamilton Mourão (Republicanos-RS), Rogério Marinho (PL-RN), Carlos Portinho (PL-RJ), Messias de Jesus (Republicanos-RR), Eduardo Girão (Novo-CE) e Plínio Valério (PSDB-AM) votaram contra a proposta, que pretende criar medidas para diminuir a vulnerabilidade ambiental, social e econômica aos efeitos das mudanças climáticas. 

Segundo o Observatório do Clima, a aprovação do PL 4.129/21 é uma vitória em meio a um cenário de graves e seguidos retrocessos. 

“O pior Congresso da história opera ferozmente para implodir direitos socioambientais. São pelo menos 25 projetos de lei e três propostas de emenda à Constituição (PECs), que compõem o Pacote da Destruição, avançando em várias frentes – licenciamento ambiental, direitos indígenas, financiamento da política ambiental –,  e abrindo caminho para crimes ambientais”, disse a organização.

Por ter sido alterada no Congresso, a proposta agora volta à Câmara, sua Casa originadora. Organizações seguem mobilizadas para evitar que, ao ser analisada novamente pelos deputados, a proposta não receba novas mudanças estruturais e acabe virando um “Frankenstein”.

“A aprovação do PL 4.129 pelo Senado é uma luz no atual cenário do Legislativo, que tem se empenhado todos os dias para flexibilizar a legislação que protege os direitos socioambientais. A proposta ainda retornará à Câmara, mas conta com grande apoio, especialmente diante da tragédia que assola o Rio Grande do Sul. Esses e outros eventos extremos, cada vez mais intensos e frequentes, mostram como a adaptação à mudança do clima necessita estar nas preocupações e ações de todos os gestores públicos e da sociedade em geral”, disse Suely Araújo, coordenadora de políticas públicas do Observatório do Clima

Planos de adaptação

O projeto de lei aprovado ontem no Senado prevê que o governo federal elabore um plano nacional de adaptação à mudança do clima em articulação com as três esferas da Federação (União, estados e municípios) e os setores socioeconômicos, garantindo a participação social dos mais vulneráveis aos efeitos adversos dessa mudança e dos representantes do setor privado.

A emenda apresentada por Flávio Bolsonaro na última hora visa “garantir efetiva participação do setor empresarial na formulação e implementação do plano nacional de adaptação”. 

O objetivo do texto é complementar a Lei 12.187, de 2009, que estabeleceu a Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC).

“Apesar da existência de um Plano Nacional sobre Mudança do Clima, o país carece de uma legislação que estabeleça diretrizes gerais a todos os entes da Federação para a elaboração e revisão de seus planos de adaptação, além de incentivá-los a elaborar e implementar tais planos”, disse o senador Alessandro Vieira (MDB-SE), relator da proposta na CMA.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Salada Verde
21 de junho de 2024

Postura de Mauro Mendes faz ICV finalizar parceira em projeto ambiental em MT

Organização cita falta de comprometimento do governador com pautas ambientais no estado. Projeto era voltado ao enfrentamento da crise climática

Notícias
21 de junho de 2024

Queimadas explodem em cinco dos seis biomas brasileiros

Número de focos registrados em grande parte do Brasil nos primeiros meses de 2024 está acima da média para o período. Pantanal segue em situação emergencial

Reportagens
21 de junho de 2024

Como um dos últimos redutos da onça-pintada no sul do Brasil deu forma a um romance

Parque do Turvo influenciou a escritora Morgana Kretzmann, que narra o cotidiano de uma guarda-florestal contra caçadores e poderosos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.