Colunas

Da botica ao mato

O Boticário já financiou mais de 900 projetos de conservação e banca várias outras ações ambientalistas. A empresa tira dinheiro do mato, a Fundação devolve.

2 de dezembro de 2004 · 19 anos atrás
  • Maria Tereza Jorge Pádua

    Engenheira agrônoma, membro do Conselho da Associação O Eco, membro do Conselho da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Nat...

Todo mundo sabe que os produtos da indústria farmacêutica, assim como os da beleza, saem eminentemente do mato. São as plantas exóticas, suas flores e frutos ou suas resinas, leites e folhas que por milênios alimentaram as curas e os procedimentos para manter a beleza dos humanos. Grandes fortunas foram armazenadas explorando a natureza e o saber das populações tradicionais de todo o planeta e, em particular da Amazônia, da Mata Atlântica e do Cerrado. Embora se faça muita propaganda, a verdade é que pouco dessas fortunas, especialmente em tempos recentes, voltou para o mato. Algumas empresas falaram disso, mas ficou demonstrado que era apenas para vender mais. Por isso, dedico-me a falar de uma das poucas empresas desse ramo que tanto tira como põe dinheiro no mato… e tudo com muita discrição.

Criada há 14 anos, a Fundação O Boticário de Proteção à Natureza é ímpar no Brasil em vários aspectos. Primeiro, é verdadeiramente uma fundação. Melhor dizendo, utiliza seus fundos para apoiar iniciativas de outros. Executa diretamente apenas uma parcela de seus recursos. Segundo, usa doações absolutamente voluntárias da empresa que a patrocina. Não é dessas fundações que apesar de seu título vivem de pedir dinheiro a terceiros e executam todos os seus projetos. Terceiro, O Boticário não caiu na fácil tentação de fazer somente obras sociais. A empresa faz muito trabalho social, mas a Fundação, ainda que a empresa produza cosméticos, preferiu apoiar o desenvolvimento social e econômico do país com obras que nada têm de cosmético. Menos populares, mas infinitamente mais transcendentes. A Fundação prefere ensinar os pobres rurais a fazer dinheiro aproveitando sabiamente os recursos naturais do que dar esmolas bem publicitadas.

Os recursos da Fundação O Boticário de Proteção à Natureza são basicamente 1% do faturamento líquido da empresa O Boticário (que foi de R$ 352,3 milhões em 2001). Para aplicar esses recursos em conservação, a Fundação desenvolveu o Programa de Incentivo à Conservação da Natureza, que seleciona projetos com os seguintes objetivos: conservação e manejo de espécies ameaçadas; controle de plantas exóticas invasoras; desenvolvimento e implementação de políticas públicas; fiscalização e proteção ambiental; manejo de unidades de conservação; pesquisa aplicada em ecologia e conservação da natureza; restauração de ecossistemas e valorização de áreas verdes urbanas. Já foram mais de 900 os projetos aprovados e financiados pela Fundação.

Não é qualquer projeto que aprova, pois a demanda é grande e a seleção rigorosa. Mais de 8 mil projetos já foram analisados. Tem formulário próprio, minucioso, e cada projeto recebido é enviado a um consultor ad hoc especialista no assunto para o parecer. São mais de 100 consultores, que trabalham gratuitamente. Nesta primeira etapa o consultor pode aprovar integral ou parcialmente o projeto, ou não recomendá-lo. Aqueles aprovados total ou parcialmente passam por um comitê de especialistas seniores, que escolhem os mais apropriados e prioritários, em consonância com os objetivos da fundação, para a análise e aprovação final do Conselho. O Conselho é constituído por reconhecidos especialistas, em sua maioria pessoas externas à empresa, que também trabalham gratuitamente. Desta forma se consegue a imparcialidade e a lisura suficientes para evitar qualquer nesga de suspeita de favorecimento.

O total de recursos para os projetos aprovados de 1991 até hoje aproxima-se a 5 milhões de dólares, embora a fundação tenha aplicado cerca de 9 milhões até o exercício de 2002, porque tem outros programas e projetos. O mais conhecido deles é sua Reserva do Salto Morato, de 2.300 hectares em plena Mata Atlântica, uma área protegida com excelente manejo no campo e aberta à visitação. Graças ao sucesso da Reserva de Salto Morato, foi aprovada pelo Conselho da Fundação a implantação de outras três reservas naturais até 2007, em outros biomas brasileiros. Na Reserva, parte da educação ambiental é dedicada ao treinamento de funcionários federais, estaduais, municipais e de organizações da sociedade civil para o manejo de recursos naturais, especialmente em unidades de conservação. A capacitação de pessoas para a conservação na Reserva Salto Morato já se tornou uma tradição no país, bem como outros cursos que ela oferece e que já treinaram centenas de profissionais e jovens. Seu trabalho no campo técnico e científico é complementado pela publicação, junto com a Universidade Federal do Paraná, de vários livros sobre conservação da biodiversidade, além de séries técnicas e de uma revista especializada.

A Fundação O Boticário também dedica recursos importantes para a educação ambiental no meio urbano, como forma de forjar conhecimento e apoio para a natureza. A Estação Natureza em Curitiba é um dos sucessos da instituição. Em conseqüência, mais três Estações estão em processo de implementação: uma no Pantanal, em Corumbá, outra no nordeste em Fortaleza e a última na região sudeste, possivelmente em São Paulo. Outro programa estratégico é o apoio a projetos de eco-desenvolvimento, priorizando a conservação de terras privadas.

Das suas grandes realizações destacam-se os quatro Congressos Brasileiros de Unidades de Conservação, desenvolvidos em parceria com outras instituições, em especial com a Rede Nacional Pró-Unidades de Conservação. Estes Congressos, aos quais assistem mais de mil pessoas (este ano, em Curitiba, foram mais de 1.500), além de sua rica programação, com conferências e seminários com presença das maiores autoridades brasileiras e mundiais no tema, publicam anais que se transformaram na maior e melhor referência disponível em português sobre as unidades de conservação.

Como dito, em geral as fundações vinculadas a empresas optam por aplicar recursos na área social ou esportiva e raras vezes em algo da área ambiental. Por seu lado, a Fundação O Boticário de Proteção à Natureza tem seu foco na conservação da natureza desde que foi criada e não mudou de orientação conforme o vento. É evidente que a empresa aplica no social, mas no longo prazo, como conseqüência lógica da conservação de nossas matas, bichos e águas.

O comportamento do presidente e do vice-presidente da empresa e da Fundação é exemplar. Participam como todos, visitam os projetos juntamente com os membros do Conselho, se interessam genuinamente pelos temas. E, o mais importante, jamais impõem sua vontade ou constrangem os conselheiros. Este comportamento baseia-se na premissa de que o Conselho existe para decidir os rumos e a aplicação dos recursos disponíveis, e não para agradar a empresa ou seus franqueados, que também aportam recursos e são mais de 2 mil no Brasil.

É uma pena que a iniciativa de Miguel Krigsner, presidente da Fundação O Boticário e principal dono da empresa, não seja seguida por outros empresários e empresas no Brasil. Os ideais forjados por Stephan Schmideiny, o famoso empresário suíço que tem dedicado grande parte da sua vida a fomentar a participação da empresa privada na conservação do meio ambiente, como dever iniludível para com o futuro da sociedade, têm em Kriesgner seu melhor êmulo na América do Sul. Krigsner é, realmente, o único boticário que cuida do nosso mato.

Leia também

Notícias
19 de abril de 2024

Em reabertura de conselho indigenista, Lula assina homologação de duas terras indígenas

Foram oficializadas as TIs Aldeia Velha (BA) e Cacique Fontoura (MT); representantes indígenas criticam falta de outras 4 terras prontas para homologação, e Lula prega cautela

Notícias
19 de abril de 2024

Levantamento revela que anta não está extinta na Caatinga

Espécie não era avistada no bioma havia pelo menos 30 anos. Descoberta vai subsidiar mudanças na avaliação do status de conservação do animal

Salada Verde
19 de abril de 2024

Lagoa Misteriosa vira RPPN em Mato Grosso do Sul

ICMBio oficializou a criação da Reserva Particular do Patrimônio Natural Lagoa Misteriosa, destino turístico em Jardim, Mato Grosso do Sul

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.