Colunas

Para violar melhor as APPs

Com o pretexto de corrigir o Código Florestal, resolução do Conama extrapola e coloca sob ameaça as Áreas de Preservação Permanente, nossa garantia de futuro.

19 de maio de 2005 · 19 anos atrás
  • Maria Tereza Jorge Pádua

    Engenheira agrônoma, membro do Conselho da Associação O Eco, membro do Conselho da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Nat...

O Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) analisou e aprovou, no dia 18 de maio, uma proposta de resolução que diz das excepcionalidades que possibilitem a supressão de vegetação e intervenção em Áreas de Preservação Permanente, ou APPs, como todos as conhecem (leia a íntegra da resolução, em arquivo .pdf).

Se existe um dispositivo legal que “pegou” no Brasil foi este das APPs. A população em geral, os técnicos e fiscais, os prefeitos, todos sabem do que se trata e têm certo receio de não obedecer a legislação a respeito. O Ministério Público está atento ao seu cumprimento e cobra do executivo a fiscalização, as vistorias, os licenciamentos, as autorizações, muitas vezes em tal quantidade que os órgãos executivos ficam atolados de trabalho sem condições de fiscalizar ou vistoriar tudo o que se demanda. Aí entra o Judiciário e os órgãos ficam ainda mais amedontrados, se não possuem técnicos suficientes ou bens de consumo para cumprir as ordens dadas, pois o próximo passo é a detenção.

Que triste se ler agora esta minuta de Resolução que dá uma extrema lassitude às Áreas de Preservação Permanente, pelo só efeito da Lei. É verdade que o Código Florestal de 1965 (Lei 4771) precisava e precisa de modificações e atualizações, mas não de violações. Para início de conversa, as APPs foram concebidas desde há muito e existem porque prestam serviços ambientais fundamentais para o homem e sua qualidade de vida, como produção e qualidade da água, controle de erosão e deslizamentos, proteção de vales, da diversidade biológica, dos micro-climas, das paisagens e assim por diante.

Acontece que o homem moderno teve a chance de mudar, com a desculpa do radicalismo da Lei de 65, as Áreas de Preservação Permanente. Justo no momento em que impera no Brasil um sistemático e avassalador combate contra a natureza. Tudo pode ser feito em nome do agrobusiness, da geração de energia, da mineração. O que interessa é o lucro fácil aqui e agora, e o resto que se dane. O retrocesso é enorme. No mesmo dia em que se divulgam os índices do desmatamento na Amazônia, aprova-se no Conama esta resolução, que obviamente também tem coisas boas, mas que descaracteriza e fragiliza as APPs, que todos deveriam defender até a morte, pois são necessárias à vida.

A resolução dispõe sobre as obras ou atividades de utilidade pública ou interesse social necessárias para transporte, saneamento e energia e adiciona, o que não existia na legislação pregressa, “a realização de ações consideradas de baixo impacto ambiental”, cujas intervenções e supressões de vegetação nas APPs podem ser autorizadas pelo órgão ambiental competente. Para início de conversa é muito difícil se ter órgãos ambientais competentes para licenciarem nas APPs obras consideradas de baixo impacto ambiental, quanto mais não seja porque faltam técnicos em quantidade e em qualidade para avaliarem os baixos impactos. Mas o que são os baixos impactos? Evidentemente depende do meu ou do seu ponto de vista ou preparo técnico. É extremamente subjetivo.

Mas vamos por partes, embora seja muito difícil analisar-se toda a resolução em detalhes, sem ser profundamente chata ou pedante. Vou me restringir aos aspectos mais relevantes sob o meu ponto de vista, que porém não se esgotam com esta breve crítica.

Utilidade pública? São consideradas como tais as obras essenciais de infra-estrutura destinadas aos serviços públicos de transporte, saneamento e energia, as atividades de segurança nacional e proteção sanitária, as de pesquisas e extração de substâncias minerais, a implantação de área verde urbana e pesquisa arqueológica.

Interesse social? São consideradas como tais as atividades que protegem a vegetação nativa, como prevenção, combate e controle do fogo, controle de erosão, erradicação de espécies invasoras, proteção de plantio de nativas, manejo agroflorestal sustentável em pequenas propriedades ou posses rurais e ordenamento territorial de ocupações habitacionais consolidadas.

Tudo bem até ai, embora de cara se pergunte: o que é manejo agroflorestal sustentável? Voltaremos ao assunto mais tarde e, também, o que são ocupações habitacionais consolidadas? Não se menciona, ainda, nas APPs, a regeneração natural da vegetação nativa.

Já no miolo da questão, ou seja, no que a resolução considera passível de supressão da vegetação, dispõe-se que se pode autorizar a intervenção na APP quando o requerente demonstrar a viabilidade econômico-financeira total do empreendimento. Este aspecto é muito grave, pois os benefícios dos serviços ambientais das APPs teriam de ser mensurados, pois seguramente serão, ao longo do tempo, mais rentáveis para a sociedade como um todo, que para a empresa que vai utilizar a APP.

Depois se diz que as atividades de mineração nas APPs necessitam de Estudos de Impactos Ambientais e do Relatório de Impacto Ambiental, os famosos Eia/Rima. Menos mal. Doce ilusão. À frente se dispensa o Eia/Rima quando o empreendimento for de “baixo impacto ambiental”. Desconfio que os políticos sejam os que vão dizer em cada caso quais são, porque os técnicos seriam trucidados. Pior de tudo, permite-se nas APPs os depósitos de estéril e rejeitos, em determinados casos. Não há caso, viramos depósitos de lixos.

Depois de tudo reza a resolução que os empreendedores serão obrigados a recuperar o meio ambiente!!! Como, cara pálida, isso será possível, após toda a mineração e destruição? Pode-se, é evidente, dar certa maquiada, não mais que isso.

O negócio de implantação de Área Verde nos municípios é realmente, me perdoem, risível. Parece que esqueceram a Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) com os Parques Naturais Municipais nela previstos, os Planos de Manejo e até mesmo que o pessoal urina e defeca, pois sanitários não estão permitidos nas mesmas. Além do mais, as áreas verdes municipais, com parque infantil, ciclovias e tudo o mais, podem ser declaradas de utilidade pública, no que concerne a APPs.

Bem, das ocupações consolidadas em áreas urbanas, o órgão ambiental pode declará-las de interesse social, ou seja, serão de interesse social as ocupações, mesmo que nas margens de cursos de água, lagos e lagoas, em topo de morro, montanhas e restingas. O setor imobiliário deve estar rindo à toa. Claro que existem algumas exigências, mas no frigir dos ovos lá se foram as APPs urbanas, como já se tentou no passado e não se conseguiu. Agora o Conama e o governo conseguiram. Viva!

Nas possibilidades de se considerar o uso das APPs como de baixo impacto ambiental estão, ainda, “construção de moradia de agricultores familiares, remanescentes de comunidades quilombolas e outras populações extrativistas e tradicionais em áreas rurais da região amazônica ou do Pantanal, onde o abastecimento de água se dê pelo esforço próprio dos moradores…”. Mas a nossa Constituição não reza que todos são iguais perante a Lei? Como fica quem for de classe média ou alta? É pecado ser um pouco mais abastado?

Mas o mais gozado é que se afirma que “em todos os casos, incluídos os reconhecidos pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente, a supressão eventual e de baixo impacto ambiental não poderá comprometer as funções ambientais destes espaços…”. O grifo é meu. Digam-me, por favor, como isso é possível? Alguma intervenção divina? E assim seguem as flagrantes contradições.

A Lei 4771, que instituiu o Código Florestal de 1965, realmente exagerou em certos aspectos de declaração de locais como Áreas de Preservação Permanente. Se fosse cumprida à risca, quase todo o Pantanal seria APP, bem como a grande maioria das várzeas da Amazônia, todos os topos de morros, dentre outros exageros menores. Em contrapartida, esta resolução do Conama exacerba na contradição e abertura de áreas de APPs para uso por poucos, que deveriam ser protegidas para o bem da coletividade e do país, inclusive para a sua saúde financeira, pois os desbarrancamentos, as mortes, as erosões, o entupimento de vales, a contaminação de mananciais, a flora e a fauna, a paisagem, custam caro para o povo brasileiro e dependem, em grande medida, exatamente das APPs.

Leia também

Salada Verde
17 de maio de 2024

Avistar celebra os 50 anos da observação de aves no Brasil

17º Encontro Brasileiro de Observação de aves acontece este final de semana na capital paulista com rica programação para todos os públicos

Reportagens
17 de maio de 2024

Tragédia sulista é também ecológica

A enxurrada tragou imóveis, equipamentos e estradas em áreas protegidas e ampliou risco de animais e plantas serem extintos

Notícias
17 de maio de 2024

Bugios seguem morrendo devido à falta de medidas de proteção da CEEE Equatorial

Local onde animais vivem sofre com as enchentes, mas isso não afeta os primatas, que vivem nos topos das árvores. Alagamento adiará implementação de medidas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.