Colunas

Artimanhas marinhas

Atrator de pesca, recife artificial e anti-arrasto não são a mesma coisa. Cada um tem uma função no fundo do mar. Uns viram casa de peixe, outros armadilhas.

1 de setembro de 2005 · 17 anos atrás
  • Frederico Brandini

    Oceanógrafo e líder Avina que participou de várias expedições do Programa Antártico Brasileiro. Trabalhou como Professor do C...

Ao contrário dos atratores, habitats artificiais e sistemas anti-arrasto representam novas tecnologias que chegaram para ajudar na conservação e na exploração sustentável dos ecossistemas marinhos costeiros. Atualmente estão em fase de discussão as políticas públicas para o assentamento de recifes artificiais e anti-arrasto. Isso é urgente, não apenas para facilitar o trabalho daqueles que se preocupam realmente com a conservação da natureza e o uso sustentável do ambiente marinho, como também para brecar aqueles que se aproveitam do tema para lucrar com a ingenuidade dos pescadores artesanais. O mal resultado de projetos ruins do ponto de vista técnico, ambiental e social, cedo ou tarde será cobrado pela sociedade costeira. Os bons resultados certamente contribuirão para a solução dos problemas sócio-ambientais na costa brasileira.

Leia também

Notícias
3 de fevereiro de 2023

Reeleitos, Lira e Pacheco adotam posturas mais ambientalmente sustentáveis

Tanto presidente da Câmara quanto do Senado abordaram a questão ambiental em seus discursos de posse; Lira acenou ao meio ambiente, sem desagradar ao agronegócio

Salada Verde
3 de fevereiro de 2023

Em mensagem ao Congresso, Lula pede apoio para reconstrução ambiental

Presidente diz a parlamentares recém-empossados que pretende promover o “reencontro do país com seu futuro como potência ambiental”

Análises
3 de fevereiro de 2023

Área Sujeita a Alagamento

As cidades cresceram no entorno de rios e lagos. Com o passar do tempo, elas se expandiram para cima deles

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta