Colunas

Percorrendo trilhas com cuidado

Caminhar é uma diversão, mas há responsabilidades nessa aventura. Medidas devem ser tomadas por Estado e caminhante para que experiência seja extraordinária e segura.

16 de março de 2009 · 15 anos atrás
Para um maior contato com a natureza, acampar é a melhor pedida. Nesse caso, o caminhante deve ser auto-suficiente, levando tudo o que precisa. (Foto: Ana Leonor)
Para um maior contato com a natureza, acampar é a melhor pedida. Nesse caso, o caminhante deve ser auto-suficiente, levando tudo o que precisa. (Foto: Ana Leonor)
Um bom planejamento antes de começar uma trilha é fundamental para seu melhor aproveitamento e segurança. (Foto: Ana Leonor)
Um bom planejamento antes de começar uma trilha é fundamental para seu melhor aproveitamento e segurança. (Foto: Ana Leonor)

O caminhante deve ter noção de seu grau de condicionamento físico e planejar sua trilha conforme essa informação. Não adianta um sedentário querer cruzar 20 quilômetros por dia. Vai ficar exausto e provavelmente odiar sua única (e possivelmente última) experiência. Entretanto, quanto maior for o grau de condicionamento físico do indivíduo, mais gratificante será seu passeio. Geralmente, o ideal para trilhar em um dia vai de 20 quilômetros para o mais experiente, aos 10 quilômetros para aqueles que estão há anos sem fazer qualquer atividade física. Nessas distâncias diárias ainda estão incluídos os tempos de paradas para comer, tirar fotos e mergulhar no mar ou num rio do caminho. Caminhar é para se divertir e o objetivo do aventureiro não é chegar ao final, mas aproveitar a jornada.

Alguma preparação mental também ajuda o caminhante, que deve ter um bom senso apurado.  Em caso de mudanças climáticas drásticas, quando é necessário dar meia volta na trilha, ou qualquer outra decisão importante, é fundamental a manter a calma visando sempre a segurança dos indivíduos.  Outro aspecto importante é a perseverança, já que algumas vezes a vontade de desistir durante o trajeto bate à porta.  Na maioria das vezes tal fato acontece a poucos minutos antes da chegada ao destino desejado, portanto, paciência!  

A gratificação emocional ao fim de uma caminhada é algo que compensa.  O sentimento de conquista depois de horas de esforço físico e mental tem um sabor especial.  Saber também que fomos auto-suficientes por algum tempo, sem postos de gasolina, supermercados e transportes públicos é um grande prêmio.  E melhor de tudo, a sensação de liberdade que só um mergulho da natureza é capaz de proporcionar.  Nesse contexto voltamos às eras primitivas e saboreamos um isolamento raro nos dias de hoje.  Talvez esse seja o maior presente que uma trilha tenha para oferecer.

Escolhendo a caminhada

Um dos muitos abrigos da trilha Bibbulmun, em Perth, na Austrália.  Nesse tipo de infra-estrutura, a única coisa que o caminhante não precisa levar é a barraca. (Foto: Ana Leonor)
Um dos muitos abrigos da trilha Bibbulmun, em Perth, na Austrália. Nesse tipo de infra-estrutura, a única coisa que o caminhante não precisa levar é a barraca. (Foto: Ana Leonor)

Na hora de escolher a caminhada, diversas considerações vêm em mente. Primeiro, o que escolher?  Mar, rios, cachoeiras, florestas, vistas, montanhas, ruínas.  Vai depender do gosto do cliente.  O certo é que caminhadas visam a contemplação da natureza em terrenos majestosos.  Seguindo essa premissa, é pouco provável que o caminhante se decepcione em qualquer escolha.

O segundo aspecto na escolha do percurso diz respeito à quantidade de noites que se quer dormir durante uma trilha.  Quanto maior o número de noites, maior a imersão no mundo natural.  E ao contrário do que possa parecer, após os primeiros dois dias de caminhada o corpo começa a se acostumar de tal forma com essa atividade que o prazer diário só aumenta.  Por outro lado, como são mais dias para comer, carrega-se mais peso.

E o terceiro aspecto que vai influenciar a escolha e planejamento do passeio é se existem abrigos ou vilarejos com hospedagem ao longo do caminho, ou se acampar é a única opção.  A vantagem de ficar em alojamentos consiste principalmente em aliviar o peso da mochila.  Não são necessários colchões isolantes, sacos de dormir e barracas.  Se a hospedagem ainda oferecer comida o peso fica quase igual ao das mochilas levadas em trilhas sem pernoite.  Já acampando é necessário carregar todos os itens mencionados acima, o que acabam por totalizar em uns 15 quilos nas costas.  Mas tudo tem seu preço, e para ser totalmente auto-suficiente acampando em um lugar exclusivo, debaixo das estrelas, com total privacidade, até que não está caro.

Considerações ao caminhar

O caminhante deve ser auto-suficiente em qualquer tipo de trilha.  É necessário estar preparado para eventuais acidentes, como, por exemplo, ficar isolado por mais tempo que o previsto devido a súbitas mudanças climáticas. Portanto é sempre bom levar um pouco mais de água e comida que o necessário.  Além disso, o mapa, e um kit de primeiros socorros são fundamentais.  Em uma caminhada na Ilha de Comores, ao leste do continente africano, esta autora quase morreu de frio em uma noite gélida, devido a um mau planejamento. Infelizmente, aprender com a prática nesses casos é o pior cenário. Mesmo caminhando com guias, atualmente me responsabilizo pela minha segurança e não saio sem uma boa jaqueta, capa de chuva, pares extras de meias de lã e um potente saco de dormir.

Por motivos de segurança, não é boa idéia caminhar sozinho nem quando se conhece bem o terreno.  Acidentes acontecem e a ajuda de um companheiro pode ser essencial. Uma picada de cobra ou um escorregão e uma perna quebrada serão sempre melhor resolvidos a dois.

Um bom planejamento ao caminhar recompensa conferindo maior liberdade ao praticante.  Com os apetrechos necessários para se localizar e se manter nas trilhas se tem todo o tempo para aproveitar o passeio.  É claro que como em toda aventura o inesperado também pode acontecer. Mas isso faz parte dessa experiência única, que, combinada com um pouco de bom senso e muito bom-humor, dá sempre boas histórias para contar.

Leia também

Salada Verde
17 de maio de 2024

Avistar celebra os 50 anos da observação de aves no Brasil

17º Encontro Brasileiro de Observação de aves acontece este final de semana na capital paulista com rica programação para todos os públicos

Reportagens
17 de maio de 2024

Tragédia sulista é também ecológica

A enxurrada tragou imóveis, equipamentos e estradas em áreas protegidas e ampliou risco de animais e plantas serem extintos

Notícias
17 de maio de 2024

Bugios seguem morrendo devido à falta de medidas de proteção da CEEE Equatorial

Local onde animais vivem sofre com as enchentes, mas isso não afeta os primatas, que vivem nos topos das árvores. Alagamento adiará implementação de medidas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.