Colunas

A Torre Eiffel na Dutra

O Procurador da República carioca Maurício Andreiuolo descobriu como defender nosso patrimônio cultural e o meio ambiente, com eficiência e numa tacada só.

2 de fevereiro de 2005 · 19 anos atrás

Pode não parecer óbvio, mas cultura, arte e meio ambiente são intimamente ligados. Tomemos como exemplo a criação do primeiro Parque Nacional do mundo, o Yellowstone National Park, em 1872, que tinha como objetivo preservar não o meio ambiente, mas o espetáculo que representava a bela paisagem de cânions para as gerações presentes e futuras. A prova de que essa idéia sobrevive até os dias atuais é que os órgãos do Ministério Público especializados na tutela do meio ambiente são também os responsáveis pela tutela do patrimônio histórico, paisagístico e cultural. Para muitos, uma mistura que faz pouco sentido e só atrapalha o trabalho de promotores ou procuradores. Mas pode ser a forma mais criativa e eficiente de preservar ambos com apenas uma ação judicial.

O Procurador da República Maurício Andreiuolo, de 35 anos, há oito no cargo e há onze no MP, vê claramente essa relação. Graças a esta visão, a Rodovia Presidente Dutra conserva até hoje o seu único trecho arborizado: uma pequena reta, de alguns poucos quilômetros, na altura do município de Porto Real. Quem passa por ali pode ver marcadas com um “x” amarelo as árvores que a concessionária da rodovia queria derrubar. O pretexto era o de sempre: as árvores representariam um risco para os carros e caminhões, ameaçando cair bem no meio da pista. Além do mais, não eram árvores nativas e, portanto, não havia justificativa para a sua preservação. Andreiuolo conseguiu, em uma ação civil pública, uma liminar para impedir o corte das árvores. Segundo a sua tese, independentemente de as árvores serem nativas ou não, foram plantadas ali por algum motivo e fazem parte do patrimônio paisagístico do local, assim como a Torre Eiffel faz parte de Paris. A torre também não nasceu espontaneamente naquele local, foi construída ali para a Exposição Universal de 1900 e tornou-se o símbolo da cidade, apesar de muitos, inclusive o escritor Victor Hugo, terem pedido a sua derrubada, alegando ser uma monstruosidade.

É justamente esta visão que Maurício quer utilizar, para salvar o Rio de Janeiro do que acredita ser uma volta à barbárie. Segundo ele, o carioca apresenta já há algum tempo um comportamento típico das tribos bárbaras que vagavam pelo que hoje é o continente europeu, há mais de vinte séculos: nós não nos preocupamos em preservar o que temos; quando um lugar fica ruim, simplesmente migramos para mais adiante. Assim, o carioca vem perdendo o seu mais característico traço: a praia. Desde que o banho de mar começou no Rio de Janeiro, com a família real portuguesa, nós temos migrado em busca de uma praia que nos agrade, que nos deixe à vontade. Dessa forma, o local favorito do carioca, que já foi a Praia de Botafogo, cada vez mais se aproxima da Barra da Tijuca e do Recreio. Já foi Copacabana, não é mais. A Princesinha do Mar perdeu gradativamente seu encanto. O mesmo aconteceu com o cenário que um dia inspirou Vinícius e Tom Jobim a criar o símbolo imortal da feminilidade carioca. Ipanema também já não é mais a mesma. O Leblon então, nem se fale. Diante de tudo isso, o carioca não tratou de brigar para preservar o que tinha. Ele simplesmente colocou seu guarda-sol mais adiante.

Proteger as praias, portanto, não é apenas uma questão ambiental, é uma questão cultural, de identidade, afirma Maurício. A própria identidade do carioca, a sua alma, está na praia. Em nenhum lugar o carioca é mais carioca, lembra ele. Arrastões, despejo irregular de esgoto, línguas negras. Tudo isso não afeta apenas o meio ambiente do Rio de Janeiro, mas a cultura carioca também, ambos passíveis de tutela de acordo com a Constituição Federal. É justamente essa a briga de Andreiuolo: resgatar junto ao Judiciário a noção de que o fato sócio-cultural é passível de tutela jurisdicional, que anda um tanto esquecida.

Ele acredita ser possível compelir o Estado ou a própria União, através de ações judiciais, a manter as praias limpas e seguras. Afinal de contas, é o dever deles. Nada mais lógico, mas Andreiuolo sabe que é uma briga difícil e com poucas chances de vitória. Não importa. O mais importante é tornar a discussão pública, abrir os olhos da sociedade para o que ela está perdendo com a sua própria inércia e com a inércia do Estado.

Quando, no final do Governo Benedita da Silva, o tráfico mandou fechar as portas do comércio em Copacabana, Andreiuolo estava na rua. Um dos comerciantes o chamou para dentro de sua loja e fechou as portas de ferro atrás dele: “Entra aqui, Doutor, que o tráfico mandou fechar tudo”. De dentro da loja, Maurício ligou para seus colegas e convocou uma reunião de emergência: o Ministério Público tinha que se manifestar. Eles precisavam dar uma resposta institucional para a sociedade, com base no dano cultural causado à população por aquela inversão de valores forçada. Ninguém o apoiou. “Eles simplesmente não viam falta de juridicidade naquilo, enquanto inversão de valores”, diz. Mas Andreiuolo sentia que aquilo agredia o próprio estilo de vida carioca. “A falta de segurança faz isso. É uma questão cultural também”, afirma ele com convicção. E está certo. O carioca nunca foi tão pouco carioca quanto hoje, porque tem medo. A boemia e o banho de mar viraram atividades de risco.

Segundo Andreiuolo, é preciso dar tempo ao tempo. O Ministério Público como é hoje só apareceu em 1988, com a nova Constituição. Até então, os promotores limitavam-se a acusadores e tinham uma tremenda crise de identidade. Os procuradores eram, antes de 88, ao mesmo tempo advogados da União e promotores, o que gerava um conflito sem solução quando uma situação demandava que se ajuizasse uma ação civil pública contra a própria União. O MP atual, portanto, tem menos de vinte anos. É muito pouco tempo para que a instituição amadureça por completo e desenvolva sua identidade de defensora dos interesses difusos. “A área ambiental do Ministério Público Federal, por exemplo, ainda tem que evoluir muito em direção a uma interdisciplinaridade. O Promotor ou Procurador de meio ambiente tem que ser também biólogo, ecólogo, antropólogo e sociólogo. Não basta saber direito”, afirma ele. Entender leis, portarias e as normas em geral não é suficiente para ser um bom membro do MP atuando na área ambiental, pois isso lhe dá apenas uma visão unidimensional da situação.

O ponto de vista que Andreiuolo defende ainda não é muito bem aceito no Judiciário brasileiro, o mesmo acontecendo dentro do próprio Ministério Público. Ele tem consciência disso e sabe que, provavelmente, será derrotado em muitas de suas ações. Mas ele não se importa. Para ele, o processo judicial não é um fim em si, mas é um meio de educar a sociedade – tem a chamada “função pedagógica do processo” – e de levar à discussão pública problemas que hoje são tratados apenas como mais um mal necessário. É isso o que temos feito com a crise de segurança, com a decadência do sistema educacional, com a degradação do meio ambiente e com a perda de nossa identidade cultural. É isso o que ele pretende mudar.

Leia também

Notícias
24 de julho de 2024

Os tubarões-martelo estão de volta ao arquipélago de Alcatrazes!

Pesquisa registra aumento do avistamento de tubarões-martelo no Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, no litoral norte de São Paulo

Análises
24 de julho de 2024

Portão do Inferno, um risco para o país

Governo de MT sinaliza que aguardará fim do Festival de Inverno para iniciar desmonte de parte do paredão do Parque da Chapada dos Guimarães. ICMBio diz que obra pode inviabilizar funcionamento da UC

Salada Verde
24 de julho de 2024

A gangorra climática das árvores da Mata Atlântica

Pesquisa inédita aponta que as plantas estão subindo ou descendo montanhas em busca de temperaturas mais amenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.