Colunas

Lobby político adia aterro sanitário de Petrópolis

Empresa pernambucana contratada para o projeto que substituiria o atual lixão pode perder a vez porque não tem padrinho no estado do Rio.

2 de dezembro de 2015 · 7 anos atrás
  • Emanuel Alencar

    Jornalista e mestre em Engenharia Ambiental. É autor do livro “Baía de Guanabara – Descaso e Resistência” (Mórula Editorial) e assessor de Comunicação na Prefeitura do Rio

Aterro sanitário Pedro do Rio recebe todo o lixo do município de Petrópolis. Foto: Divulgação/COMDEP
Lixo de Petrópolis e  Região Serrana vai para aterro considerado inadequado ou para lixões. Foto: Divulgação/COMDEP

Impasses e disputas políticas complicam o processo de licenciamento do aterro sanitário que receberá 400 toneladas diárias de lixo das cidades de Petrópolis, Três Rios, Paraíba do Sul, Sapucaia, Areal e Comendador Levy Gasparian, no interior do estado do Rio. Esse novo aterro, em Três Rios, será um negócio privado, feito com licenciamento do estado e, logo, dispensa licitação ou concessão. A Empresa Pernambucana de Engenharia e Construções (Empesa) recebeu uma ducha de água fria depois de ter largado na frente e ter apresentado um Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA-Rima) ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea). O órgão ambiental apresentou um documento da prefeitura de Três Rios alegando problemas com uma certidão de zoneamento do empreendimento. Em resumo: o processo travou.

Ato contínuo, um outro licenciamento para o mesmo aterro ganhou força. Este, como parte interessada a empresa União Norte Fluminense Engenharia e Comércio Ltda. Nos corredores do Inea, comenta-se que a proximidade de um dos sócios da empresa, Hugo Aquino, com o presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), foi determinante para que a União Norte “furasse a fila” e tivesse sua vida facilitada no Inea. Aquino inclusive foi agraciado, em 2008, com uma Medalha Tiradentes, que lhe foi concedida por iniciativa de Picciani.

A Empesa e a União Norte sugerem a construção do aterro em áreas distintas. O custo de implantação do empreendimento é de R$ 32 milhões. Dificilmente o aterro ficará pronto antes do final de 2016. Enquanto isso, as cidades da Região Serrana mantêm lixões a céu aberto, contrariando a lei federal. Petrópolis, por exemplo, despeja seus resíduos num espaço no distrito Pedro do Rio cuja operação é considerada muito ruim e com vida útil já esgotada.

 

 

Leia também
Estudo mapeia o lixo jogado nos oceanos

 

 

 

Leia também

Notícias
6 de novembro de 2015

Estudo mapeia o lixo jogado nos oceanos

Especialistas suíços estão mapeando a sujeira que polui os mares, para onde afirmam que vai 10% de todo o plástico produzido no mundo.

Reportagens
31 de março de 2023

Após quase 10 anos, Tribunal de Contas de Pernambuco anuncia fim dos lixões no estado

De acordo com o órgão, todos os 184 municípios do estado agora depositam seus resíduos sólidos urbanos em aterros sanitários. Inclusão de catadores ainda é desafio

Notícias
31 de março de 2023

Mulheres da floresta discutem protagonismo na gestão de áreas protegidas

“Não podemos ser apenas secretárias, queremos ser presidentes”, diz manifesto assinado por lideranças da Amazônia. Documento será entregue aos governos federal e estaduais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta