Notícias

Mapa da biodiversidade dos Andes Orientais aponta perigos

Estudo usou mais de 7 mil registros de espécies da vertente oriental do Andes. Conclusão é que esforços de proteção precisam melhorar.

Vandré Fonseca ·
31 de janeiro de 2012 · 10 anos atrás
A riqueza das espécies vertebradas endêmicas, combinando mamíferos, aves e anfíbios em uma perspectiva tridimensional. O mapa mostra o ponto de vista do nordeste do Peru voltado para o sul, através da bacia Amazônica, em direção ao sul peruano e norte boliviano dos Andes. Fonte: artigo original
A riqueza das espécies vertebradas endêmicas, combinando mamíferos, aves e anfíbios em uma perspectiva tridimensional. O mapa mostra o ponto de vista do nordeste do Peru voltado para o sul, através da bacia Amazônica, em direção ao sul peruano e norte boliviano dos Andes. Fonte: artigo original
Manaus, AM — No leste do Peru e norte da Bolívia está uma das região mais ricas em biodiversidades do mundo, com centenas de espécies endêmicas e ecossistemas únicos, que não existem em nenhum outro lugar do mundo. Estudo que acaba de ser publicado na revista de acesso livre BMC Ecology demonstra que, nesta zona, onde os Andes e a Bacia Amazônica se sobrepõem,  estes ambientes singulares precisam de mais proteção.

Mais de 7 mil registros de localizações individuais de espécies endêmicas de 115 aves, 55 mamíferos, 177 anfíbios e 435 plantas foram combinados com dados climáticos e de topografia, para elaboração de mapas de distribuição de espécies com detalhamento de 1 Km2.

Segundo o artigo Endemismo de plantas e animais na encosta leste dos Andes: Desafios para a conservação, 226 espécies endêmicas não contam com nenhuma proteção dos governos dos dois países e cerca de metade dos ecossistemas têm apenas 10% ou menos da extensão protegidos. Estão protegidos apenas 20% das áreas com grande número de espécies endêmicas e 20% das que contêm ecossistemas exclusivos da região.

Foram analisadas desde as áreas úmidas da savana do Rio Beni e a Várzea de Iquitos até os vales interandinos e os bosques montanhosos frios e úmidos ao longo da vertente oriental dos Andes.

A maior concentração de espécies endêmicas de aves e mamíferos está ao longo em uma faixa que fica entre 2.500 e 3.000 metros de altitude, ao longo da cordilheira. Já as espécies endêmicas de anfíbios se encontram entre 1.000 e 1.500 metros de altitude. Uma das áreas únicas, com maior número de espécies de aves e mamíferos se encontra em uma região sem proteção ao redor de Macchu Picchu, Patrimônio da Humanidade (Cordillera de Vilcabamba, Peru).

“A diversidade biológica nos Andes está sob ameaça pela exploração petrolífera e de ouro, projetos de infraestrutura, cultivos ilícitos e diversas outras atividades”, afirma a doutora Jennifer Swenson, da Universidade Duke, que dirigiu a pesquisa. “Há evidência de espécies que estão migrando a regiões mais altas devido às mudanças climáticas nesta região. A conservação ao longo dos Andes necessita de uma revisão urgente e esperamos que nossos dados sejam uma contribuição para proteger esta região incrível e única”, completa.

Saiba mais
Leia o artigo original aqui
NatureServe

Leia também
Como o clima afetará a relação Andes-Amazônia
Uma aventura nos Andes Peruanos
O impacto dos Andes

Leia também

Reportagens
2 de dezembro de 2021

Secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica, alerta estudo

Nas últimas duas décadas, a Floresta Amazônica tem sido impactada por secas cada vez mais intensas e frequentes. As mais severas ocorreram em 2005, 2010 e 2015

Notícias
1 de dezembro de 2021

Amazônia acumula 73 mil focos de incêndio em 2021, segundo dados do INPE

Há menos de uma semana, Bolsonaro voltou a afirmar que “floresta úmida não pega fogo”. Número de queimadas no Pampa segue em alta

Notícias
1 de dezembro de 2021

Audiência Pública discute projeto de lei que quer municipalizar áreas de preservação em Angra dos Reis

Projeto que altera gestão da APA Tamoios é da deputada Célia Jordão, esposa do prefeito de Angra. Cerca de 40 organizações se manifestaram contrárias ao PL

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Treep diz:

    Vejo como de extrema importância a preservação dessas areas,
    o turismo agradece e deve ser feito de forma consciente.
    Não sei o que é melhor, mas com o governo atual, municipalizar talvez não seja tão ruim , desde que seja com leis próprias que garantam manter preservado e fiscalizado.