Notícias

“Amazônia Eterna” põe na telona formas de viver sustentáveis

Lançado no Festival de Cinema do Rio, documentário percorreu rincões em busca de projetos que conciliassem conservação com produção.

Fabíola Ortiz ·
11 de outubro de 2012 · 9 anos atrás

 

Rio de Janeiro – Durante um ano, o documentarista carioca Belisário Franca e sua equipe de filmagem percorreram os rincões da Amazônia.  Eles mapearam 9 projetos  nos estados amazônicos  que conseguem aliar uma forma de renda à preservação da natureza. O trabalho resultou no documentário Amazônia Eterna (87 minutos), que foi exibido na Rio+20 e, neste último dia 9 de outubro, estreou no Festival do Rio.

Na Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns, no município de Santarém, a mais de mil quilômetros de distância da capital Belém do Pará, numa floresta densa com palmeiras de 30 metros de altura, artesões locais desenvolvem um projeto de recuperação e reutilização da madeira. Esta é uma das poucas unidades de uso sustentável que tem um plano de manejo consolidado nos 600 mil hectares de área verde onde habitam cerca de três mil famílias. A reserva é rica em madeiras como sucupira, macacauba, ipê roxo e amarelo.

No Pará também fica a Cooperativa Agrícola Mista de Tomé-Açu, formada por descendentes de japoneses que plantam a pimenta do reino, tida como o “diamante negro” da Amazônia, além de processar frutas frescas e produzir polpa de frutas tropicais, como o cacau, o cupuaçu e o açaí, através de sistemas de agricultura sustentável .

Imagine o manejo da pesca do pirarucu, um dos maiores peixes encontrados nos rios amazônicos, podendo atingir mais de 2 metros e pesar 130 kg. Os ribeirinhos da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amaná, próximo aos municípios de Tefé e Alvarães no Amazonas, desenvolvem a pesca sustentável do pirarucu nos lagos do Pantaleão, um complexo soma 16 mil hectares em 23 lagos. Cerca de um terço da população do pirarucu não é pescada para garantir a sobrevivência do “bacalhau da Amazônia”.

“Esse filme parte de uma pergunta que a gente discute planetariamente: como a economia e a ecologia podem andar juntas? Quem tem a resposta é quem vive lá, as populações indígenas que vivem há milhares de anos e ribeirinhos há centenas de anos. Essas pessoas tem profundo conhecimento”, disse Belisário, diretor de Amazônia Eterna, a ((o))eco.

O filme abarca extração artesanal da borracha na Resex do Médio Juruá, na comunidade Carauari, no Amazonas; projetos de redução de pegada de carbono; manejo florestal em alta escala, feito pelo Grupo Orsa Florestal em território de 500 mil hectares entre Pará e Amapá; e ainda pecuária de alta tecnologia em Paragominas, o primeiro município a sair da lista negra do desmatamento por gado ilegal. Por fim, Amazônia Eterna mostra o projeto Rios Voadores, que monitora a evapotranspiração das árvores responsáveis pelo regime de chuvas na América do Sul.

“Existem 25 milhões de pessoas que vivem hoje na Amazônia brasileira, que ocupa 60% do território nacional. O filme foi feito com eles e para eles que contam a sua história”, diz Belisário.

Com um orçamento de R$ 3 milhões, a equipe de filmagem passou por 16 municípios  nos meses de junho, setembro e novembro de 2011. A bela fotografia conduz o espectador por esse mergulho na Amazônia profunda.

Cerca de 40 pessoas foram entrevistadas para o documentário, entre elas, especialistas como o economista Carlos Young da UFRJ, a geógrafa Bertha Becker da UFRJ, o ex-presidente do IBGE e ambientalista Sergio Besserman, além de representantes do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) e entidades como IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia), Imazon, FAS (Fundação Amazônia Sustentável) e ISA (Instituto Socioambiental). Mas os principais atores são os seringueiros, madeireiros, pecuaristas, empresários, indígenas e ribeirinhos.

Segundo Belisário, a experiência do filme é sensorial. O espectador vai se sentir ao lado dos ribeirinhos e com o pessoal que faz o trabalho de recuperação das madeiras na floresta, garante.

Amazônia Eterna tem previsão para chegar às salas de cinema no primeiro semestre de 2013. O documentário já tem também distribuição garantida na França e na Alemanha.

 

 

  • Fabíola Ortiz

    Jornalista e historiadora. Nascida no Rio, cobre temas de desenvolvimento sustentável. Radicada na Alemanha.

Leia também

Salada Verde
29 de novembro de 2021

ICMBio abre concurso para 171 vagas

Edital publicado nesta segunda-feira (29) oficializa o concurso para servidores do órgão ambiental, com 61 vagas para analistas e 110 de técnicos

Notícias
29 de novembro de 2021

Conama volta a debater proposta que restringe cadastro de entidades ambientalistas

As alterações propostas aumentam a burocracia e diminuem a ampla participação das entidades ambientalistas no Conama. Organizações socioambientais pedem pela rejeição do projeto

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta