Notícias

Jacaretinga: o impiedoso jacaré-de-óculos

De olhos bem abertos, nosso animal da semana sorrateiramente estuda a sua próxima refeição. É um exímio caçador. Foto de Ruben Undheim.

Rafael Ferreira ·
18 de janeiro de 2013 · 11 anos atrás
Jacaretinga à espreita. Foto: Rubben Undheim
Jacaretinga à espreita. Foto: Rubben Undheim

Nos rios e lagos de água doce ao sul do México, da América Central e do noroeste da América do Sul, o Jacaretinga (Caiman crocodilus) é abundante. No Brasil, habita a região Norte, vivendo nas bacias dos rios Amazonas e Orinoco e, no Centro-Oeste, nas bacias dos rios Araguaia e Tocantins. Quando se fala em jacaré, provavelmente se referem ao jacaretinga, não à toa, também conhecido como jacaré-comum. Outro apelido pelo qual é chamado nessas bandas é jacaré-de-óculos mas, diferente da música dos Paralamas do Sucesso, ele não só já nasceu de óculos, como também não é um cara legal para a sua extensa lista de presas: invertebrarados aquáticos (insetos, crustáceos e moluscos), peixes, anfíbios, répteis, aves aquáticas e pequenos mamíferos.

Os machos chegam a medir entre 1,8 e 2,5m de comprimento e as fêmeas 1,4m. Quando jovens são amarelados com manchas e faixas escuras no corpo e no rabo. À medida que crescem, perdem a coloração amarelada e as marcas ficam menos distintas. Os adultos são verde-oliva. Todos têm o dorso branco (daí o sufixo tinga, “branco” em tupi). As fêmeas atingem a maturidade sexual entre 4 e 7 anos de idade, em geral quando atingem 1,2 metros. A cada procriação, elas põem entre 14 e 40 ovos. Essa boa taxa de fertilidade explica o porquê da espécie ser a mais comum dentre os jacarés crocodilianos brasileiros.

Leia também

Salada Verde
23 de fevereiro de 2024

Justiça Federal impõe mais de R$ 316 milhões em indenizações por desmatamento ilegal

Infrações ambientais foram identificadas pelo MPF por meio do Amazônia Protege, projeto que utiliza monitoramento por satélite para responsabilizar os atores dos desmatamentos ilegais

Notícias
23 de fevereiro de 2024

MPF no Acre arquiva denúncia da CPI das ONGs contra servidores do ICMBio

Servidores do órgão foram acusados de abusos contra moradores da Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre; para procurador, acusações são “genéricas e sem fato concreto”

Notícias
23 de fevereiro de 2024

Antas “avisam” pesquisadores sobre contaminação humana por agrotóxicos no MS

Além de agrotóxicos como glifosato, moradores do sudeste do estado também apresentaram altos índices de metais no corpo. Antas atuaram como sentinelas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.