Notícias

Inpe comemora aniversário e celebra 25 anos do Prodes

Programa que monitora desmatamento na Amazônia é destaque na comemoração de 52 de existência do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

Redação ((o))eco ·
23 de agosto de 2013 · 9 anos atrás

Portão de entrada do INPE. Foto: Eduardo Pegurier
Portão de entrada do INPE. Foto: Eduardo Pegurier

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) comemora nesta sexta-feira o aniversário de 52 anos do Instituto e 25 anos do Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes), o maior programa de monitoramento de florestas do mundo.

O Prodes é a menina dos olhos do Instituto e nasceu oficialmente em 1988, mas sua origem remonta à década de 70. Quem conta a história é a repórter Jaqueline B. Ramos, em matéria publicada aqui em ((o))eco em 2008. A demanda partiu da já extinta SUDAM (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia), que pediu ajuda ao grupo de sensoriamento remoto do INPE para monitorar, através de imagens de satélite, o processo de ocupação da Amazônia subsidiado pelo Governo. A preocupação não era ambiental, ao pedir para monitorar o desmatamento, a Superintendência estava justificando seus recursos para manter o projeto de desenvolvimento da região, o qual implicava justamente em desmatar. Eram outros tempos.

O monitoramento foi feito, mas o projeto não seguiu adiante. Ficou parado por uma década, até surgir o Prodes, em 1988. O sistema utiliza imagens de satélites para analisar 4 milhões de km² todos os anos e consegue “enxergar” corte raso a partir de 6,25 hectares.

Em 2004, nasce o segundo filho do INPE para monitorar o desmatamento: o Deter, sistema mais ágil de detecção de desmatamento, que utiliza imagens do sensor Modis, a bordo do satélite Terra da Nasa. O Deter (Sistema de Detecção em Tempo Real) consegue detectar desmatamentos a partir de 25 hectares, e seu sistema de alertas orienta a fiscalização que o Ibama faz no solo. O Deter foi criado a partir do Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento da Amazônia (PPCDAm).

Juntos, o Prodes e o Deter permitem um acompanhamento preciso ano a ano das perdas de florestas, combinado a alertas rápidos diários. Essa dupla foi a ferramenta que permitiu ao governo encontrar e reprimir os desmatadores e, desde 2008, ajudou a derrubar o total desmatado na Amazônia Legal para um quarto do que era.

A vida dos infratores vai ficar cada vez mais difícil, pois o poder de imagem dos satélites está cada vez mais preciso. Uma parceria entre os governos do Brasil e da Índia lançará o Satélite Amazônia-1, que irá gerar imagens do planeta a cada 4 dias. Com previsão para entrar em funcionamento em 2015, o satélite melhorará os dados de alerta de desmatamento na Amazônia. A previsão é que as imagens do Amazônia-1 consigam detectar polígonos de até 3 hectares.

Feliz aniversário, Prodes, e parabéns também para o Deter.

 

 

Leia Também
Inpe e Imazon: vigilantes do desmatamento na Amazônia
Na lente do satélite, crônica da Amazônia
Confirmado o menor desmatamento da história na Amazônia

 

 

 

Leia também

Notícias
15 de agosto de 2022

Licença de operação de termelétricas na Baía de Sepetiba é suspensa pelo Inea

É o segundo revés sofrido pelo empreendimento energético em uma semana. Na terça-feira, a Aneel revogou a outorga de autorização ao projeto por descumprimento de prazos

Notícias
15 de agosto de 2022

Bolsonarismo resiste na Amazônia, mas eleitores se dividem no voto a voto

É apenas na região Norte que Jair Bolsonaro lidera na pesquisa espontânea. Na estimulada, quando os eleitores são apresentados aos nomes dos concorrentes, Lula aparece em primeiro lugar, porém ambos empatam tecnicamente

Reportagens
15 de agosto de 2022

Governadores da nova fronteira do desmatamento buscam reeleição

A criação de uma zona do agronegócio na divisa do Acre, Amazonas e Rondônia (ainda) não avançou, mas a devastação da floresta disparou. Mas nada disso parece mudar a vontade do eleitorado da região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta