Notícias

Sapos ajudam a explicar biodiversidade do Cerrado

A descoberta de quatro espécies do mesmo gênero indica a grande biodiversidade ainda desconhecida de sapos no bioma.

Vandré Fonseca ·
28 de janeiro de 2014 · 9 anos atrás

Enquanto faziam estudos sobre sapo descrito na década de 1930, pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia (MG) encontraram uma nova espécie, batizada de [i]P. rotundipalpebra[/i]. Crédito: Lucas Borges Martins
Enquanto faziam estudos sobre sapo descrito na década de 1930, pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia (MG) encontraram uma nova espécie, batizada de [i]P. rotundipalpebra[/i]. Crédito: Lucas Borges Martins

Manaus, AM — O biólogo Reuber Brandão teve uma surpresa quando enviou à revista científica Zootaxa o artigo que apresentava a redescrição do Proceratophrys goyana, que havia sido descoberto na década de 1930 mas ainda prescindia de uma melhor caracterização. O sapo também era objeto de estudo de outro grupo de biólogos brasileiros, mas da Universidade Federal de Uberlândia, que submeteram à mesma publicação uma nova descrição da espécie, o P. goyana.

Um acordo resolveu o dilema. O artigo sobre o P. goyana foi publicada pelo grupo de Uberlândia, que apresentou também uma descoberta, o P. rotundipalpebra, espécie do mesmo gênero. Mas Reuber Brandão e colegas tinham mais novidades a apresentar ao mundo científico. O artigo que haviam preparado trazia também três novas espécies do gênero, que foram então descritas na mesma edição da revista.

Trocando em miúdos, quatro novas espécies foram reveladas. E o número de representantes do gênero no Cerrado está aumentando rapidamente. Em apenas três anos, passou de três espécies conhecidas para dez. E pelo menos mais três já estão em processo de descrição por biólogos. Estas descobertas demonstram duas coisas: que os sapos do Cerrado interessam muito aos pesquisadores, e que ainda há muito a ser estudado e revelado a respeito desse bioma brasileiro.

O gênero estudado pelos dois grupos de pesquisadores se distribui principalmente entre a Mata Atlântica e o Cerrado. Brandão explica que, enquanto as espécies da floresta tropical possuem apêndices palpebrais bem desenvolvidos – se parecem com chifres e ajudam o bicho a se camuflar entre as folhas -, nos do grupo cristiceps, que existem na savana, esses apêndices são menos desenvolvidos ou nem aparecem. A primeira descrição de uma espécie do gênero no Cerrado foi feita em 1937, por Alípio de Miranda-Ribeiro, mas as características do P. goyana ainda não estavam muito claras. Por isso, era necessário fazer uma nova descrição.

“Como a espécie não era bem definida, ou seja, não se sabia como era a variação entre populações, foi necessário descrever novamente a espécie (o que foi feito também esse ano por colegas da Universidade Federal de Uberlândia e publicado na mesma revista e volume do nosso artigo) e, a partir daí, fica mais claro definir as outras espécies do grupo”, afirma Reuber Brandão.

Para a revisão do P. goyana foi necessário visitar a localidade onde ela foi descrita (Chapada dos Veadeiros, Goiás), relembra o biólogo Lucas Borges Martins, responsável pelo artigo que redefiniu as características da espécie. “Para nossa surpresa, percebemos que na região havia uma segunda espécie, que descrevemos com o nome de Proceratophrys rotundipalpebra“, contou via e-mail. “Esse achado confirma um padrão que tem sido demonstrado para o grupo, da ocorrência de mais de uma espécie na mesma área geográfica (fenômeno chamado de “simpatria”). A presença de espécies tão similares em simpatria traz a tona questões importantes sobre a ecologia e a evolução das mesmas, além de chamar a atenção para a conservação da área onde ocorrem”, completa.

Após as descobertas, a equipe de Reuber Brandão produziu esses mapas, mostrando a distribuição das espécies descritas por eles. No mapa A, o P. goyana, que já era conhecido, é indicado pelo círculo, enquanto o quadrado indica a localização onde foi encontrado do P. branti.  No mapa B, a distribuição do [i]P. bagnoi[/i], indicado pelos quadrados, e do [i]P. dibernardoi[/i], indicado pelos círculos. | Clique para ampliar
Após as descobertas, a equipe de Reuber Brandão produziu esses mapas, mostrando a distribuição das espécies descritas por eles. No mapa A, o P. goyana, que já era conhecido, é indicado pelo círculo, enquanto o quadrado indica a localização onde foi encontrado do P. branti. No mapa B, a distribuição do [i]P. bagnoi[/i], indicado pelos quadrados, e do [i]P. dibernardoi[/i], indicado pelos círculos. | Clique para ampliar

Lucas Martins destaca que o Cerrado é extremamente rico e que tem sido demonstrado que há muito a estudar sobre a região. De acordo com ele, o desenvolvimento de novas ferramentas que facilitam a análise genética, o estudo dos sons emitidos pelos animais e também softwares, têm contribuído para as descobertas.

Os anuros, conforme explicação de Brandão, têm baixa capacidade de dispersão, por isso as populações tendem a se isolar e evoluir para espécies diferentes. Como esses bichos dependem de riachos para se reproduzir, algumas espécies aparentadas acabam dividindo o mesmo espaço. Isso explica, ainda de acordo com o biólogo, duas características dos sapos encontrados no cerrado. “A primeira é a grande riqueza local. O segundo é a mudança na composição destas espécies entre localidades, algumas vezes separadas por poucos quilômetros”, afirma. “E isso é interessante porque ajuda a explicar como podem 3 ou 4 espécies muito aparentadas do gênero coexistirem em algumas localidades do Cerrado e sugere também que a porção central do bioma é um hotspot de diversidade do grupo”.

Para Reuber, os sapos ajudam a contar a história da evolução da vida e dos processos que mantêm essa evolução no Cerrado. “Anfíbios ocupam um lugar estratégico nas cadeias alimentares ao processarem a biomassa (energia) de insetos e transformar essa biomassa em biomassa de vertebrado, disponível para outros predadores maiores (ou seja, sem sapos, não existiria energia disponível para predadores como serpentes e aves que comem carne)”, relata.

Ele cita ainda outros fatores que tornam o estudo dos sapos importantes. Eles servem como indicadores de qualidade ambiental e produzem substâncias que protegem a pele, que despertam o interesse da indústria química e farmacêutica.

Clique nas imagens para ampliá-las e ler as legendas

Saiba mais
Artigo Morphological and acoustic characterization of Proceratophrys goyana (Lissamphibia: Anura: Odontophrynidae), with the description of a sympatric and related new species. LUCAS BORGES MARTINS & ARIOVALDO ANTONIO GIARETTA (Resumo em PDF)
Artigo Three new species of Proceratophrys Miranda-Ribeiro 1920 from Brazilian Cerrado (Anura, Odontophrynidae). REUBER ALBUQUERQUE BRANDÃO, ULISSES CARAMASCHI, WILIAN VAZ-SILVA &LEANDRO AMBRÓSIO CAMPOS (Resumo em PDF)

Leia Também
Carta para um amigo ausente
Entendendo o cerrado
Uma nova perereca e o sapo que copula com a fêmea morta

 

 

 

Leia também

Notícias
12 de agosto de 2022

Amazônia perdeu área equivalente à cidade de São Paulo em julho, mostra INPE

Números foram atualizados nesta sexta-feira. Desmatamento em 2022, segundo o Deter, chegou a 8.600 km², área quase do tamanho de Rio Branco (AC)

Notícias
12 de agosto de 2022

Monitoramento de baleias no Rio registra trânsito de 58 baleias próxima das ilhas Cagarras

Desde o ano passado, o Projeto Ilhas do Rio acompanha o corredor migratório das jubartes pelo litoral do Rio. Pesquisadores alertam para grande volume de lixo na rota das baleias

Notícias
11 de agosto de 2022

Projeto que reduz Flona de Brasília em quase 40% é aprovado no Senado

O PL 2.776/20 segue para sanção presidencial. Proposta remove 3,7 mil hectares da Flona, sob justificativa de resolver conflito com assentamentos, mas não define compensação pela área perdida

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta