Notícias

Toninha, o primo discreto

Enquanto seus parentes, botos e golfinhos, gostam de se exibir com grandes saltos, o animal da semana só "dá as caras" para tomar um fôlego.

Redação ((o))eco ·
27 de fevereiro de 2014 · 8 anos atrás
Toninha Pontoporia blainvillei fotografada na Baía da Babitonga.

Pontoporia blainvillei é o nome científico do pequeno cetáceo popularmente conhecido como toninha. Parente próxima dos golfinhos e botos, a toninha habita as regiões litorâneas da costa leste da América do Sul, entre o Espírito Santo, no Brasil, e o Golfo San Matias, na Argentina. A depender da região, a toninha também é conhecida como manico, boto-garrafa, boto-cachimbo, boto-amarelo, golfinho-do-rio-da-prata ou franciscana – este último, o nome comum utilizado em países de língua espanhola e inglesa.

O corpo da toninha, adaptado para viver no ambiente aquático, apresenta um bico longo e fino, com uma nadadeira dorsal pequena e triangular e uma nadadeira peitoral em formato de espátula. A espécie vive de 15 a 21 anos. A fêmeas podem chegar a 1,6 m de comprimento e pesar cerca de 33 kg e os machos, menores, medem 1,4 m e pesam por volta de 27 kg. Sua coloração pode variar entre tons de marrom, cinza e amarelo.

Às vezes é confundida com o boto-cinza, devido ao tamanho e à “timidez”. Diferente dos golfinhos e botos, as toninhas são muito discretas e não costumam se exibir com saltos. Mostram apenas uma pequena parte do dorso quando sobem à superfície para respirar.

As toninhas se reúnem em grupos pequenos, com 2 a 5 indivíduos com laços familiares. Estes grupos não isolados, sendo comum encontrar muitos grupos próximos na mesma área. São animais costeiros que podem ser encontradas em regiões com até 50 m de profundidade, mas a maioria permanece em áreas com até 30 m. Embora não seja comum a ocorrência de toninhas em baías, estuários ou ambientes mais protegidos, ele penetra com frequência distâncias curtas nos rios de sua área de distribuição.

Alimenta-se de uma ampla variedade de presas. Gosta de pequenos peixes, lulas e camarões. Sua dieta é composta principalmente por peixes ósseos e lulas de regiões estuarinas e costeiras. Prefere presas de pequeno porte, geralmente em torno de 10 cm.

A maturidade sexual da espécie é alcançada entre os 2 e 5 anos de idade e cerca de 115 cm de comprimento para machos, e 3 anos e 130 cm de comprimento para fêmeas. As fêmeas têm apenas um filhote a cada um ou dois anos. A gestação dura cerca de 11 meses. Ao nascer, os filhotes medem entre 70 a 80 cm de comprimento e mamam os 9 meses, mesmo sendo capazes de ingerir outros alimentos aos 3 meses.

Infelizmente, a toninha é o pequeno cetáceo mais ameaçado no Atlântico Sul ocidental. Por viverem perto da costa, é comum caírem nas redes de pescadores, onde ficam presas e se afogam. Estima-se que, a cada ano, 1500 indivíduos sejam mortos. Além disso, a limitação da espécie quanto ao hábitat preferencial é seriamente afetada pela pressão exercida pelas operações de pesca em regiões costeiras, que excessivas (sobrepesca) e/ou predatórias, reduzem a disponibilidade de alimento no ambiente.

Outro problema é o processo degradação ambiental em áreas costeiras e estuarinas. A poluição das águas pode contaminar os animais através da cadeia alimentar, causando problemas fisiológicos, reprodutivos ou comportamentais. Há também a poluição sonora, causada por embarcações, atividades portuárias e empreendimentos que geram ruídos no ambiente aquático, o que compromete o sistema auditivo das toninhas, causa stress, e pode levar os animais a abandonarem áreas importantes para sua sobrevivência.

Atualmente, a Pontoporia blainvillei é a única espécie de pequeno cetáceo ameaçada de extinção no Brasil, segundo a Lista Nacional das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. É classificada na categoria “Em Perigo” pelo ICMBio e “Vulnerável” pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), que também considera a espécie ameaçada.

Hoje, a conservação da espécie conta com o Projeto Toninhas, voltado para pesquisa de mamíferos marinhos e foi alvo de um Plano de Ação (PAN Toninha), do ICMBIo, que tem como objetivo evitar o declínio populacional das toninhas no Brasil. Além disso, a espécie está presente em várias unidades de conservação ao longo de sua área de ocorrência.

 

Leia também
A verdade sobre a tartaruga-da-amazônia
Veado-catingueiro: em todos os lugares
Caititu: parece, mas não é

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.