Notícias

Fiquem com o saí-azul

Apresentamos esta semana esta pequena ave, felizmente uma bela e comum visão em todos os cantos do país.

Rafael Ferreira ·
6 de março de 2014 · 8 anos atrás

Saí-azul macho ([i]Dacnis cayana[/i]) fotografado no Parque Estadual Alberto Löfgren, antigo Horto Florestal - São Paulo. Foto:
Saí-azul macho ([i]Dacnis cayana[/i]) fotografado no Parque Estadual Alberto Löfgren, antigo Horto Florestal – São Paulo. Foto:

O saí azul (Dacnis cayana) é uma pequena ave típica da América do Sul, presente em quase todos os países, exceto no Chile e no Uruguai. Também ocorre na América Central, de Honduras ao Panamá. É comum encontrá-lo em bordas de florestas, nas capoeiras arbóreas ou em campos com árvores esparsas.

Também é conhecido pelos nomes de dacnis azul (na língua espanhola), saí-bico-fino, saíra-de-bico-fino e saí-bicudo, ele mede aproximadamente 13 cm de comprimento e pesa, em média, 16 gramas. A espécie apresenta um característico dimorfismo sexual: a plumagem do saí-azul machos é predominantemente azul brilhante e preta na área da garganta, acima do bico, ao redor dos olhos, nas asas e cauda; as fêmeas são predominantemente verdes com uma cabeça e ombros azul brilhante. Ambos os sexos têm os olhos vermelhos, pernas e pés avermelhados.

A espécie Dacnis cayana conta com oito subespécies, duas das quais estão no Brasil: Dacnis cayana cayana, na Amazônia e centro-oeste do Brasil, além de Colômbia, Venezuela e Guianas; Dacnis cayana paraguayensis, no Nordeste, sudeste e sul do Brasil, além do leste do Paraguai e nordeste da Argentina. As demais são: Dacnis ultramarina (Honduras ao Panamá e Colômbia), Dacnis callaina (Costa Rica e sudoeste Panamá); Dacnis napaea (Colômbia); Dacnis coerebicolor (Colômbia); Dacnis baudoana (oeste da Colômbia sudoeste do Equador); e Dacnis glaucogularis (Colômbia, Equador, Peru e Bolívia).

O saí azul vive normalmente aos pares ou em pequenos grupos, procurando insetos ativamente na folhagem ou alimentando-se de néctar, insetos e frutos em árvores e arbustos. Vive à beira da mata em várias altitudes, copas de mata alta. Costuma aparecer em pequenos bandos mistos com aves dos gêneros Cyanerpes, como o saíra-beija-flor, e Tangara, como o cambada-de-chaves.

A ave atinge a maturidade sexual aos 12 meses. O período reprodutivo se dá na primavera e no verão, com 2 a 3 posturas por temporada. A fêmea constrói o ninho: uma “taça” profunda, feita de fibras finas, colocado a uma altura de 5 a 7 metros do solo, entre as folhas externas de uma árvore. Ela põe de 2 a 3 ovos que serão incubados por 13 dias. A proteção do ninho é tarefa do macho, que também é responsável pela alimentação da fêmea durante a incubação.

Esta espécie é avaliada pela IUCN como Pouco Preocupante. O saí-azul é abundante e amplamente distribuído na sua área de ocorrência, mesmo se considerada a tendência de diminuição da população, que não ocorre de maneira suficientemente rápida para causar alarme.

 

Leia também
Toninha, o primo discreto
A verdade sobre a tartaruga-da-amazônia
Veado-catingueiro: em todos os lugares

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta