Notícias

Nível do Rio Madeira deve subir ainda mais em Rondônia

Água que alagou florestas na Bolívia segue por afluentes para o Brasil. Imagens de satélite indicam que nível subirá lentamente até abril

Redação ((o))eco ·
27 de março de 2014 · 8 anos atrás

De olho na maior cheia já registrada na história do Rio Madeira e seus impactos não só em Porto Velho, capital de Rondônia, mas em toda região, técnicos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) têm acompanhado com atenção o fluxo das águas na região e demonstram preocupação em relação aos próximos dias. O monitoramento por imagens das áreas de florestas alagadas na Bolívia, na bacia do Rio Beni, um dos principais afluentes do Madeira, revela mudanças significativas que indicam que uma grande quantidade de água está a caminho do Brasil.

Conforme é possível observar na imagem abaixo, reproduzida pelo INPE a partir de dados do Serviço Geológico Americano (USGS), áreas que foram totalmente cobertas nos temporais que atingiram o país vizinho em janeiro, fevereiro e março começam a ficar visíveis por satélite e muita da água acumulada está escoando. As áreas azuis e pretas são as áreas inundadas. Destacamos com setas as que concentraram maior volume de água. As áreas verdes são as florestas.

No mapa, é possível visualizar a redução da área alagada no Rio Beni, na Bolívia.
Essa água é que hoje faz o nível do Rio Madeira subir

 

A previsão é de que o nível do Rio Madeira continue subindo gradualmente até abril e, segundo o próprio site do INPE, que leve pelo menos um mês para que o nível volte ao limite de 16,68 metros, considerada a cota de emergência. Tal informação é importante para que as equipes que trabalham para minimizar os danos da enchente se preparem e façam planos para atender vítimas e isolar áreas atingidas em Rondônia. Além das zonas urbanas de Porto Velho, há também cidades vizinhas afetadas, assim como vilas, estradas e áreas rurais. Veja abaixo a evolução do nível do Rio Madeira nas últimas semanas e o histórico nos últimos anos para compreender melhor a dimensão dessa cheia.



Clique aqui ou veja abaixo o Rio Madeira e seus afluentes no Infoamazonia.

 

Leia também:
Mudanças climáticas e a era dos extremos da água no Brasil
A guerra por água chegou aos estados 
“É a água, estúpido!”

Leia também

Reportagens
27 de janeiro de 2022

Biólogo usa imagens de satélite e inteligência artificial para mapear quaresmeiras na Mata Atlântica

A detecção é possível por meio da coloração das flores da quaresmeira, cujos tons variam do magenta ao roxo. Para isso, utilizou imagens de satélite de acesso gratuito e o chamado deep learning, um recurso de inteligência artificial

Notícias
27 de janeiro de 2022

Polícia Federal investiga maus-tratos e apreende as girafas trazidas pelo BioParque

Em operação da PF acompanhada pelo Ibama, os policiais apreenderam as 15 girafas e investigam supostos maus-tratos aos animais. BioParque nega

Análises
27 de janeiro de 2022

Um lugar para as onças da Mata Atlântica na Década da Restauração

A Mata Atlântica é um pacote completo, com onças e tudo; é preciso urgentemente nos conscientizarmos que uma floresta sem bichos não tem futuro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta