Notícias

Alerj aprova projeto que cria reserva sustentável em Ilha Grande

Nova Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Aventureiro nasce da redução e recategorização de outras 2 unidades de conservação estaduais.

Redação ((o))eco ·
6 de maio de 2014 · 7 anos atrás

 

A Ilha Grande acaba de ganhar mais uma unidade de conservação. Foto: wikipédia.
A Ilha Grande acaba de ganhar mais uma unidade de conservação. Foto: wikipédia.

Deputados estaduais do Rio de Janeiro aprovaram a criação da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Aventureiro, na Ilha Grande. O projeto de lei 3.250/10, de autoria do deputado Carlos Minc (PT), ex-diretor da Secretaria de Ambiente do Estado, segue para sanção do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB). A nova unidade de conservação nasce de uma área reduzida e outra recategorizada de outras 2 unidades.

A Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul teve 3% do seu tamanho reduzido e o Parque Estadual Marinho do Aventureiro virou a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Aventureiro. O objetivo da mudança é garantir a atividade de pesca pelos caiçaras que vivem na região. Com a sanção da lei, a pesca artesanal poderá ser praticada na região – sendo regulamentada por um conselho com participação de representantes dos caiçaras e do Instituto Estadual do Ambiente (Inea).

“Em 2007, duplicamos o Parque Estadual da Ilha Grande, de 6 mil para 12 mil hectares, incluindo 12 praias, como a de Lopes Mendes. E atualmente, estão sendo construídas 6 estações de tratamento de esgoto biológico na ilha. Dessa forma, a Ilha Grande será mais protegida, com menos poluição e a garantia de preservação da cultura caiçara”, afirma Minc, de acordo com nota divulgada por sua assessoria de imprensa.

 

Leia Também
Ilha Grande em busca da pesca responsável
Imerso na baía Ilha Grande
APA Cairuçu, quando a proteção gera atentados à bomba

Leia também

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Salada Verde
21 de outubro de 2021

Polícia Civil do Maranhão prende um dos homens que matou onça preta e se gabou nas redes sociais

Corpo do animal abatido foi filmado por três homens, que comemoraram o feito. O homem preso também será multado pelo Ibama.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. MARLI ALVES PEREIRA VASCONCELLOS diz:

    Não entendo o porquê esconder o rosto do homem, adulto!! Ele mostrou a cara nas redes sociais!! É preciso identificar criminosos.