Notícias

Onça-pintada: uma nova esperança

Este casal de pequenas onças-pintadas nasceu no Parque Zoobotânico Vale, no Pará. Uma ótima notícia para a espécie que está ameaçada de extinção.

Redação ((o))eco ·
11 de agosto de 2014 · 7 anos atrás

Filhotes de onças-pintadas ([em]Panthera onca[/em]) no Parque Zoobotânico Vale, no Pará. É a segunda vez que o Parque consegue reproduzir a espécie que está ameaçada de extinção. Foto: Salviano Machado/Vale
Filhotes de onças-pintadas ([em]Panthera onca[/em]) no Parque Zoobotânico Vale, no Pará. É a segunda vez que o Parque consegue reproduzir a espécie que está ameaçada de extinção. Foto: Salviano Machado/Vale

A onça-pintada (Panthera onca) é um símbolo da fauna brasileira, encontrada em todos os biomas do país. Fora daqui, o felino pode ser encontrado nas regiões quentes e temperadas do continente americano, do sul dos Estados Unidos ao norte da Argentina. O desmatamento, a fragmentação de habitats e a caça predatória por pele, dentes e patas do animal, e pela a percepção de que o animal é um risco arebanhos e animais domésticos, foram responsáveis pelo desaparecimento da espécie. Protegida internacionalemnte, a onça-pintada consta nas listas de espécies ameaçadas de extinção do ICMBio como Vulnerável e da União Internacional para Conservação da natureza (IUCN) como Quase Ameaçada.

O nascimento dos filhotes de onça, uma fêmea preta e um macho pintado, no Parque Zoobotânico da Vale aumenta a expectativa de conservação da espécie. Uma ótima notícia.

 

Leia Também
Macaco-Aranha: contempla o seu futuro
Veste-amarela, estão a lhe roubar o guarda roupa
Sabiá-Pimenta: sobrevivência nos olhos é refresco

 

 

 

Leia também

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Reportagens
25 de novembro de 2021

Morcegos são a salvação da lavoura (de milho) no Distrito Federal

Os mamíferos alados poupam o bolso de produtores ao devorarem lagartas e outros insetos que atacam os cultivos. Animais ainda são vistos com temor, agredidos e mortos na cidade e no campo

Reportagens
25 de novembro de 2021

ICMBio passa a aceitar permanência de tradicionais em unidades de conservação de proteção integral

Novo posicionamento, tomado a partir de recomendação da Advocacia Geral da União, divide opinião de especialistas. 83% das UCs deste grupo serão afetadas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Paulo diz:

    Açâo ja no MPF e STF

    ponto

    Sem churumelas


  2. Adriano Ricardo Damato Rocha de Souza diz:

    Não devemos confundir a importância das unidades de conservação de proteção integral com o reconhecimento de algumas falhas que aconteceram no processo histórico de criação de algumas delas, que em muitos casos ignorou o contexto específico local ao prescindir de estudos aprofundados na lógica da proteção e controle criando polígonos que incluíram vértices muitas vezes de importância questionável. Os termos de compromisso, assim como o acordo de gestão e a CCDDRU, são instrumentos que acompanham a possibilidade de desafetação ou recategorização das áreas protegidas, e que podem corrigir essas falhas viabilizando o esquibírio ecológico e promovendo o desenvolvimento sócioambiental. Neste sentido, ao contrário do que pode parecer, este processo ressalta a importância das unidades de proteção integral e nos ensina muito sobre o processo de criação delas e sobre a importancia do aprofundamento dos estudos e do planejamento de gestão da área a ser protegida, que deve levar em consideração todas as relações ali existentes, em todas as suas concepções.