Notícias

Gandarela: parque nacional já nasce recortado pela mineração

Unidade ficou menor para excluir área destinada à mineração da Vale, colada ao parque. Presidente do ICMBio considera criação positiva.

Daniele Bragança ·
15 de outubro de 2014 · 7 anos atrás

Serra da Gandarela. Foto:
Serra da Gandarela. Foto:

Entre preservar uma parte importante da Mata Atlântica mineira e a demanda por explorar a mineração, o governo federal preferiu o caminho do meio ao criar uma unidade de conservação vizinha a um grande projeto de mineração. Palco de disputa entre a Vale e os movimentos ambientalistas, o Parque Nacional da Serra do Gandarela nasceu ontem (14) dividido para atender tanto aos interesses preservacionistas quanto econômicos.

O parque, inicialmente projetado para ter 38,2 mil hectares, ficou com 31,2 mil. Foi excluída a área destinada para a extração do ferro, o projeto Apollo da Vale, que é orçado em R$ 4 bilhões . Se por um lado, a criação do parque impede a expansão da mineração para dentro da área, por outro a unidade de conservação nasce sabendo que será impactada por uma atividade altamente poluente. Era tudo que os ambientalistas temiam.

A evolução do projeto

Clique nas imagens para ampliá-las

Para Roberto Vizentin, presidente do ICMBio, a reformulação do projeto para excluir Apollo dos limites do parque foi um esforço para conseguir criar a unidade, avanço que por si só deve ser celebrado: “Nós somos ambientalistas, nós somos o ICMBio, claro que nós gostaríamos de um parque longe desse tipo de atividade econômica, sobretudo a mineração. Nós preferiríamos um parque sem nenhuma mina no seu entorno, mas a vida não é assim. A gente precisava fazer uma adaptação junto aos prefeitos, as lideranças. É uma região que preserva toda essa beleza natural, mas que tem um IDH [Índice de Desenvolvimento Humano] muito baixo, então, não teríamos legitimidade e força política para criar o parque se não houvesse esse redesenho”, explica.

Vizentin afirmou que o projeto de excluir Apollo dos limites do parque já constava no mapa apresentado durante as audiências públicas. “O parque criado não é o parque proposto pelo movimento pró-Gandarela e outros. Ele é resultado de um processo de construção, negociação, audiências públicas e participação com diversos atores”.

O Movimento Águas de Gandarela, que participou da formulação do pedido de criação da unidade no local desde 2009, quando ela foi proposta ao ICMBio, jamais aceitou esse desenho para criar o parque unidade. Em 2013, a repórter Fabíola Ortiz contou ao ((o))eco essa batalha, que chegou ao fim com a vitória do meio termo.

 

 

Saiba Mais
Decreto de criação – Parque Nacional da Serra do Gandarela

Leia Também
Dilma abre a gaveta e cria mais dois parques nacionais
Em plena campanha, Dilma cria novas UCs na Amazônia
Criação do Parque Nacional Serra do Gandarela em perigo

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
25 de janeiro de 2022

Bolsonaro corta 35 milhões do orçamento do Ministério do Meio Ambiente para 2022

Veto do presidente ao orçamento aprovado pelo Congresso reduziu principalmente a verba prevista para prevenção e combate de incêndios, que sofreram corte de 17 milhões

Notícias
25 de janeiro de 2022

Moro acena ao agronegócio e critica a política de meio ambiente de Bolsonaro

Em participação ao Flow Podcast, pré-candidato defende a valorização da agropecuária e acusa o atual governo de estimular o desmatamento ilegal

Reportagens
25 de janeiro de 2022

A história de uma floresta vazia que, aos poucos, volta à vida

Como o Parque Nacional da Tijuca virou um laboratório de reintrodução de espécies extintas localmente. E como isso tem ajudado a salvar a floresta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Paulo diz:

    Hoje temos o Parque Nacional da Serra do Itajaí (PNSI), com os seus 57 000 hectares em Santa Catarina, sem a presença da Anta/Tapir(
    Tapirus terrestris), sem a jacutinga (Aburria jacutinga), com populações na berlinda da endogamia para os porcos queixadas, caititus e cervos do gênero Mazama. Também na escassez para os demais cracídeos, tinamiformes, roedores como as paca (agouti paca), tucanos, bugios, etc…….

    Área temos.