Notícias

Os preciosos golfinhos-de-hector

A menor e mais rara espécie de golfinhos do mundo só pode ser encontrada na Nova Zelândia. Seus números só diminuem.

Redação ((o))eco ·
7 de novembro de 2014 · 10 anos atrás

Existem duas populações de golfinhos-de-hector ([i]Cephalorhynchus hectori[/i]) conhecidas, um em cada lado da Ilha do Sul da Nova Zelândia. Elas são divididas pelas águas profundas do Estreito de Cook e a ponta sudoeste da ilha. A espécie parece relutante ou incapaz de cruzar áreas de águas profundas. Foto:
Existem duas populações de golfinhos-de-hector ([i]Cephalorhynchus hectori[/i]) conhecidas, um em cada lado da Ilha do Sul da Nova Zelândia. Elas são divididas pelas águas profundas do Estreito de Cook e a ponta sudoeste da ilha. A espécie parece relutante ou incapaz de cruzar áreas de águas profundas. Foto:

O golfinho-de-hector (Cephalorhynchus hectori) são os menores e mais raros cetáceos do planeta, endêmicos das águas costeiras da Nova Zelândia. O habitat limitado deixa a espécie vulnerável às pressões das atividades humanas: a principal causa de mortalidade é o emaranhamento em redes de pesca de arrasto, seja ela comercial ou amadora. Outras ameaças incluem abalroamento por barcos, a poluição em seu habitat, o desenvolvimento costeiro e a mineração marítima. Divididos em 2 subespécies, estima-se que os golfinhos-de-hector do grupo Cephalorhynchus hectori maui têm uma população de apenas 55 indivíduos que estão em perigo crítico de extinção. A Lista Vermelha classifica a espécie como um todo ‘Em Perigo de Extinção‘.

 

 

Leia Também
O leopardo-das-neves está numa fria
Rinoceronte-negro: o tempo está se esgotando
Peixe-Napoleão: o protetor em perigo de extinção

 

 

 

Leia também

Salada Verde
29 de maio de 2024

Expansão da soja no leste amazônico provocou perda de R$10 bi em serviços ambientais

Desmate e aumento das áreas agrícolas têm diminuído a capacidade da floresta de oferecer benefícios à população, mostra estudo. Cifra refere-se aos últimos 36 anos

Salada Verde
29 de maio de 2024

Mais de 150 macacos morrem no México em meio ao calor extremo

Pelo menos 157 bugios já morreram desidratados apenas no mês de maio e causa provável são as altas temperaturas no país, que chegaram à sensação térmica de 52º C

Salada Verde
29 de maio de 2024

PAC injetará R$ 700 mi nos estados pantaneiros

Os investimentos podem prejudicar as cheias e as vazantes e a conservação de animais e plantas no Pantanal brasileiro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 1

  1. Nanda diz: