Notícias

Os preciosos golfinhos-de-hector

A menor e mais rara espécie de golfinhos do mundo só pode ser encontrada na Nova Zelândia. Seus números só diminuem.

Redação ((o))eco ·
7 de novembro de 2014 · 7 anos atrás

Existem duas populações de golfinhos-de-hector ([i]Cephalorhynchus hectori[/i]) conhecidas, um em cada lado da Ilha do Sul da Nova Zelândia. Elas são divididas pelas águas profundas do Estreito de Cook e a ponta sudoeste da ilha. A espécie parece relutante ou incapaz de cruzar áreas de águas profundas. Foto:
Existem duas populações de golfinhos-de-hector ([i]Cephalorhynchus hectori[/i]) conhecidas, um em cada lado da Ilha do Sul da Nova Zelândia. Elas são divididas pelas águas profundas do Estreito de Cook e a ponta sudoeste da ilha. A espécie parece relutante ou incapaz de cruzar áreas de águas profundas. Foto:

O golfinho-de-hector (Cephalorhynchus hectori) são os menores e mais raros cetáceos do planeta, endêmicos das águas costeiras da Nova Zelândia. O habitat limitado deixa a espécie vulnerável às pressões das atividades humanas: a principal causa de mortalidade é o emaranhamento em redes de pesca de arrasto, seja ela comercial ou amadora. Outras ameaças incluem abalroamento por barcos, a poluição em seu habitat, o desenvolvimento costeiro e a mineração marítima. Divididos em 2 subespécies, estima-se que os golfinhos-de-hector do grupo Cephalorhynchus hectori maui têm uma população de apenas 55 indivíduos que estão em perigo crítico de extinção. A Lista Vermelha classifica a espécie como um todo ‘Em Perigo de Extinção‘.

 

 

Leia Também
O leopardo-das-neves está numa fria
Rinoceronte-negro: o tempo está se esgotando
Peixe-Napoleão: o protetor em perigo de extinção

 

 

 

Leia também

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

Em evento, Bolsonaro comemora redução de 80% das multas do Ibama

“Nós reduzimos em mais de 80% as multagens no campo”, disse o presidente, que creditou ao ex-ministro Salles e à ministra da Agricultura, Teresa Cristina, as boas medidas para o campo

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

MPF se pronuncia contra decreto que permite destruição de qualquer caverna

Câmara de Meio Ambiente do Ministério Público Federal (4CCR) diz que norma desrespeita princípios constitucionais. Governo publicou decreto na semana passada

Reportagens
18 de janeiro de 2022

Uma oportunidade de recomeço para a Mata Atlântica

O bioma mais destruído do Brasil ganha uma nova chance com o avanço da agenda de restauração no país, mas ainda sofre com gargalos como a falta de sistematização de dados e de governança

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Nanda diz:

    1. Obrigado, Nanda! 🙂
      Fica ligada que essa é só a primeira reportagem do especial Mata Atlântica: novas histórias. Ainda vem muito mais por aí e você pode acompanhar na página do especial – https://oeco.org.br/especial/mataatlantica/
      Abs