Notícias

Atum-rabilho: caiu na rede, está em extinção

Um dos maiores predadores dos mares atlânticos corre o risco de desaparecer. A sobrepesca reduziu a população mundial da espécie pela metade.

Redação ((o))eco ·
28 de novembro de 2014 · 7 anos atrás

Cardume de atuns-rabilho ([i]Thunnus thynnus[/i]). Foto:
Cardume de atuns-rabilho ([i]Thunnus thynnus[/i]). Foto:

O atum-rabilho (Thunnus thynnus) é o maior dos peixes tunídeos (atuns), capaz de atingir até 3 metros de comprimento e 650 kg. Encontrado em todo Atlântico ocidental, o atum-rabilho é uma iguaria muito apreciada na culinária asiática e um único peixe pode atingir altos preços no mercado. Isto impulsionou a pesca que, dos anos 60 até hoje, foi responsável pelo declínio global da população em 51%. Apesar dos esforços de conservação ao longo da área de ocorrência do peixe, esta sobrepesca (aliada à pesca ilegal onde há proibição) ainda é a maior ameaça à espécie, que desaparece rapidamente nas redes e armadilhas. Por esta razão, a Lista Vermelha da IUCN considera o rabilho ‘Em Perigo‘ de extinção.

 

 

Leia Também
Deixe o panda-vermelho em paz
Os preciosos golfinhos-de-hector
O leopardo-das-neves está numa fria

 

 

 

Leia também

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

Em evento, Bolsonaro comemora redução de 80% das multas do Ibama

“Nós reduzimos em mais de 80% as multagens no campo”, disse o presidente, que creditou ao ex-ministro Salles e à ministra da Agricultura, Teresa Cristina, as boas medidas para o campo

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

MPF se pronuncia contra decreto que permite destruição de qualquer caverna

Câmara de Meio Ambiente do Ministério Público Federal (4CCR) diz que norma desrespeita princípios constitucionais. Governo publicou decreto na semana passada

Reportagens
18 de janeiro de 2022

Uma oportunidade de recomeço para a Mata Atlântica

O bioma mais destruído do Brasil ganha uma nova chance com o avanço da agenda de restauração no país, mas ainda sofre com gargalos como a falta de sistematização de dados e de governança

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Nanda diz:

    1. Obrigado, Nanda! 🙂
      Fica ligada que essa é só a primeira reportagem do especial Mata Atlântica: novas histórias. Ainda vem muito mais por aí e você pode acompanhar na página do especial – https://oeco.org.br/especial/mataatlantica/
      Abs