Notícias

O segundo turno da doninha-de-patas-pretas

Uma vez consideradas extintas globalmente, as doninhas retornam graças à esforços de conservação. Infelizmente, o perigo à sobrevivência ainda existe.

Redação ((o))eco ·
9 de janeiro de 2015 · 9 anos atrás

Doninha-de-patas-pretas ([i]Mustela nigripes[/i]) fotografada no norte do Colorado, EUA. A agência do governo Fish and Wildlife Service conduz um programa de criação em cativeiro e reintrodução da espécie na natureza. Foto:
Doninha-de-patas-pretas ([i]Mustela nigripes[/i]) fotografada no norte do Colorado, EUA. A agência do governo Fish and Wildlife Service conduz um programa de criação em cativeiro e reintrodução da espécie na natureza. Foto:

A doninha-de-patas-pretas (Mustela nigripes) é uma espécie de mustelídeo nativa das regiões centrais da América do Norte, do sul do Canadá ao norte do México. Também conhecida como furão-do-pé-preto, a espécie entrou em declínio populacional ao longo do século XX devido à queda drástica da população de cães-da-pradaria e à peste silvestre. As doninhas são mamíferos carnívoros muito dependentes dos cães-da-pradaria, que representam 91% de toda sua dieta. Por muito tempo, os cães foram caçados como pragas por serem considerados como ameaça às colheitas e, consequentemente, as doninhas sofreram com a escassez de alimento até serem consideradas Extintas na Natureza em 1987. Apesar disto, através de um esforço de refaunação realizado entre 1991 e 2008, foi possível a reintrodução da espécie que atualmente conta com cerca de 1.000 indivíduos adultos. A espécie é considerada Em Perigo de Extinção pela Lista Vermelha da IUCN porque, apesar da retomada da população, ainda há as ameaças da perda de habitat, das reduzidas fontes de alimento (populações de cães-de-pradaria) e de doenças.

 

 

Leia Também
A baleia-comum hoje é baleia-rara
Os gigantescos perigos para a tartaruga-de-couro
Atum-rabilho: caiu na rede, está em extinção

 

 

 

 

Leia também

Salada Verde
24 de maio de 2024

Comissão da Câmara aprova projeto que aumenta pena para crime ambiental na Amazônia

Proposta também inclui penalização de servidores e agentes públicos que se omitirem diante de tais crimes. Ascema vai avaliar conteúdo do texto

Notícias
24 de maio de 2024

Desastres ambientais afetaram 418 milhões de brasileiros em 94% das cidades, diz estudo

Levantamento feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) mostra que cada brasileiro enfrentou, em média, mais de duas situações de desastre entre 2013 e 2023

Salada Verde
24 de maio de 2024

A despedida da flor-de-maio 

A bela floração dessa espécie endêmica da Mata Atlântica dura de 15 a 20 dias e ocorre somente uma vez por ano

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.