Notícias

Refúgio Tatu-bola, nova e maior área protegida de Pernambuco

A criação do Refúgio da Vida Silvestre com nome do mascote da Copa 2014 protegerá um trecho de Caatinga e outras espécies raras da região.

Redação ((o))eco ·
25 de março de 2015 · 9 anos atrás

Tatu-bola ([i]Tolypeutes tricinctus[/i]) agora tem um espaço pra chamar de seu. Foto:
Tatu-bola ([i]Tolypeutes tricinctus[/i]) agora tem um espaço pra chamar de seu. Foto:

Finalmente o Tatu-bola ganhou um espaço pra chamar de seu. Proposta em julho de 2003, foi decretada a criação de uma área protegida que preservará, entre outros, o animal que foi o mascote da Copa do Mundo de 2014. Trata-se do Refúgio de Vida Silvestre Tatu-Bola, que nasceu já com a marca de ser a maior Unidade de Conservação de Pernambuco e uma das maiores do Nordeste.

A área protegida tem 110 mil hectares e abrange os municípios de Petrolina, Lagoa Grande e Santa Maria da Boa Vista. Conserva uma área extensa da Caatinga e tem como objetivo preservar espécies endêmicas da região, como o próprio tatu-bola. A espécie é endêmica de áreas do Cerrado e da Caatinga e está bastante ameaçada. Chegou a ser considerada extinta na natureza, até ser redescoberta na década de 1990

A ideia de criar uma Unidade de Conservação na área nasceu em 2013 e ganhou forma nas mãos do biólogo José Alves Siqueira Filho, que preside o Centro de Referência para Recuperação de Áreas Degradadas (Crad), da Universidade do Vale do São Francisco (Univasf). Após seguir os trâmites dentro dos órgãos da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), a unidade foi oficializada na segunda-feira, 16/3, através de decreto  assinado pelo governador do estado.

O Refúgio é uma categoria de unidade de conservação que tem como objetivo proteger ambientes naturais onde se asseguram condições para a existência ou reprodução de espécies. A particularidade do refúgio é permitir que haja moradias dentro da unidade, desde que  seja possível compatibilizar os objetivos da unidade com a utilização da terra e dos recursos naturais pelos proprietários particulares.

Copa do Tatu

Durante a Copa do Mundo de 2014, pesquisadores propuseram que a cada gol feito no mundial, 1 mil hectares de terra deveriam ser declarados área protegida na Caatinga para conservar o tatu-bola, ameaçado de extinção.

Para os pesquisadores, a melhor maneira de preservar a espécie era proteger o seu habitat. Se a ideia tivesse sido aceita, 171 mil hectares de Caatinga deveriam ter sido protegidos, pois a Copa 2014 registrou 171 gols, em 64 partidas. Pela proposta, a nova UC é grande, mas nasceu devendo 61 mil hectares.  

 

 

Saiba Mais
Decreto nº 41.546, de 16 de Março de 2015
Refúgio de Vida Silvestre Tatu-bola – Proposta final

Leia Também
Tatu-bola-da-caatinga será o mascote da Copa brasileira
O Brasil se esconde como o Tatu
A FIFA, o Fuleco e o esquecimento do tatu de verdade

 

 

 

Leia também

Notícias
15 de julho de 2024

Reforma tributária: Brasil perde chance de colaborar com meio ambiente, diz organização

Na primeira grande regulamentação da Reforma Tributária, Congresso deixa de sobretaxar produtos nocivos ao meio ambiente

Reportagens
15 de julho de 2024

Na Amazônia, o fruto que alimenta há milhares de anos encara a ameaça das mudanças climáticas

O açaí está na base do prato para muitas populações amazônicas, mas com colheitas reduzidas por causa das mudanças climáticas, comunidades encaram uma perda que é alimentar, cultural e econômica

Colunas
15 de julho de 2024

Pensando como ancestrais para salvar o planeta

Para pensar de forma ancestral, o Brasil terá que abandonar nocivas ilusões petroleiras e a destruidora ambição do agronegócio predador

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 1

  1. Paulo Ferreira Gomes diz:

    Não basta criar, tem que implantar e dar estrutura para a gestão ,o que significa controle e monitoramento das ações no interior das Unidades de Conservação bem como da sua Zona de Amortecimento e ir mais além no Processo de Gestão , o que significa um relacionamento claro e efetivo junto às comunidades que interagem ou podem interagir com essas áreas. A estrutura requerida não existe no Estado de Pernambuco, o que reflete a criação de várias UC sem estudos prévios e sem Gestão . NÃO BASTA CRIAR, TEM QUE GERIR e BEM, como deve ser .