Notícias

Banco francês é processado por financiar frigorífico brasileiro ligado ao desmatamento ilegal

Organizações querem que BNP Paribas, principal banco europeu, seja responsabilizado por investir na Marfrig, frigorífico ligado à destruição ilegal da Amazônia e ao trabalho escravo

Cristiane Prizibisczki ·
27 de fevereiro de 2023

A Comissão Pastoral da Terra (CPT), do Brasil, e a organização francesa Notre Affaire à Tous (NAAT) apresentaram ao Tribunal de Justiça de Paris, na última sexta-feira (24), uma ação contra o maior banco francês, o BNP Paribas, por prestar serviços financeiros a empresas envolvidas com crimes ambientais e violações aos direitos humanos, dentre elas a brasileira Marfrig. A empresa nega irregularidades. A ação veio a público nesta segunda-feira (27).

As organizações pedem que o banco francês deixe de conceder empréstimos ao frigorífico brasileiro, sob multa de 10 mil euros por dia, a menos que os serviços financeiros prestados estejam vinculados à aplicação de condicionantes rigorosas. Tais condicionantes incluem a exigência de rastreabilidade imediata e total da cadeia de fornecedores – diretos e indiretos – e a aplicação de ações de prevenção e mitigação de danos graves, de forma assegurar que a empresa não esteja envolvida com desmatamento ilegal, invasão de Territórios Indígenas e práticas análogas à escravidão.

CPT e NAAT alegam que o BNP Paribas viola a Lei Francesa do Dever de Vigilância, que exige que empresas multinacionais presentes na França estabeleçam “planos de vigilância” para identificar riscos e prevenir violações aos direitos humanos e ao meio ambiente resultantes das atividades da própria empresa e daquelas que ela controla, seja em solo francês ou no exterior.

Os peticionários argumentam que o plano de vigilância do BNP não prevê salvaguardas suficientes para impedir o desmatamento e as violações de direitos humanos.

“Apesar de seus compromissos e declarações públicas, o BNP Paribas continua a financiar o desmatamento da Amazônia. As provas coletadas relativamente ao apoio prestado pelo BNP à Marfrig revelam o quão inadequadas são as medidas implementadas pelo BNP para que seja considerado um real agente no combate ao desmatamento no Brasil e pela neutralidade de carbono”, diz Jérémie Suissa, Delegado-Geral da Notre Affaire à Tous. 

“Embora esta questão diga respeito ao desmatamento em território brasileiro, trata-se, na verdade, de uma discussão global: a Amazônia tem uma importância crucial para a nossa trajetória climática coletiva e o Brasil é o maior exportador mundial de carne bovina”, continua o delegado-geral da organização francesa.

Em nota enviada a ((o))eco, o banco BNP Paribas afirmou que suas políticas setoriais de combate à violação dos direitos humanos e ao meio ambiente estão entre as mais rigorosas do setor.

“Como o principal banco europeu, estamos significativamente expostos a possíveis ações judiciais de ONGs, embora, paradoxalmente, nossas políticas setoriais estejam entre as mais rigorosas e a transição de nossas carteiras de crédito estejam entre as mais avançadas em comparação com o restante do setor”.

A instituição financeira afirmou também que exige que seus clientes tenham uma estratégia de “desmatamento zero” em suas cadeias de produção e fornecimento até 2025, e que garantam a rastreabilidade total de suas cadeias de fornecimento, diretas e indiretas, na Amazônia e Cerrado brasileiro.

“O Grupo deixará de fornecer produtos ou serviços financeiros a empresas que não estejam alinhadas com esta política”, diz o banco (Leia a nota do BNP Paribas completa abaixo).

Frigorífico brasileiro

Para embasar a ação, os peticionários se valeram de uma análise realizada pela organização Center for Climate Crime Analysis (CCCA), de 2021, que revelava a ligação entre fornecedores da Marfrig e o desmatamento de mais de 120 mil hectares na Amazônia e Cerrado, entre 2009 e 2020.

A ação também menciona a compra, pela Marfrig, de gado criado de forma ilegal em terras indígenas. O documento cita, entre outras, fazendas localizadas nos territórios indígenas Apyterewa, no Pará, e Manoki, no Mato Grosso. A Apyterewa é um dos territórios mais afetados pelo desmatamento nos últimos anos. Por lei, estas áreas deveriam estar protegidas.

A abertura do processo judicial é um desdobramento da queixa pública e da notificação enviadas ao banco francês pelas organizações peticionárias em outubro de 2022.

Segundo Frei Xavier Passat, da Comissão Pastoral da Terra, apesar das várias denúncias feitas nos últimos anos, a Marfrig tem negado repetidamente o acesso a informações sobre suas cadeias de abastecimento e se recusado a monitorar seus fornecedores indiretos implicados em violações.

“É por isso que estamos recorrendo aos tribunais franceses, para garantir que a força da lei possa impedir que estas grandes empresas consigam, por mero greenwashing, se livrar de tão graves acusações”, disse ele.

A ((o))eco, a Marfrig negou qualquer irregularidade em suas compras. Segundo a empresa, um levantamento interno mostrou que os casos citados pelas organizações estavam em conformidade com os compromissos socioambientais da empresa.

“A Marfrig nega as afirmações da ONG Comissão Pastoral da Terra (CPT) e da associação francesa Notre Affaire à Tous. Os levantamentos (documental e geoespacial) feitos pela companhia na época das compras de gado relativas aos casos citados pelas organizações mostram a total conformidade desses fornecedores diretos com relação aos compromissos socioambientais exigidos pela Marfrig. A companhia é reconhecida, por diversas organizações independentes internacionais, pela transparência com que reporta seus dados ambientais. Desde 2010, divulga o resultado de auditorias de terceira parte e está aberta – como sempre esteve – a prestar quaisquer esclarecimentos que ainda se façam necessários”, disse.

Para ter acesso ao levantamento completo citado pela empresa, clique aqui.

Resposta do BNP Paribas em relação à ação da CPT e NAAT

Como o principal banco europeu, estamos significativamente expostos a possíveis ações judiciais de ONGs, embora, paradoxalmente, nossas políticas setoriais estejam entre as mais rigorosas e a transição de nossas carteiras de crédito estejam entre as mais avançadas em comparação com o restante do setor. Sobre biodiversidade, especificamente, o BNP Paribas já demonstrou sua consciência sobre essa questão perante todo o setor e suas ações nesse tema já são muito significativas.

  • Após a adoção em 2010 de políticas setoriais rigorosas de financiamento e investimento em setores que colocam as florestas em risco (por exemplo, agricultura, polpa de madeira e óleo de palma), em 2021, o BNP Paribas fortaleceu seus critérios de financiamento e investimento para os setores de carne bovina e soja na Amazônia e no Cerrado brasileiro. 
  • O BNP Paribas exige que seus clientes tenham uma estratégia de “desmatamento zero” em suas cadeias de produção e fornecimento até 2025, bem como a rastreabilidade total das cadeias de fornecimento (diretas e indiretas) de carne bovina e soja na Amazônia e no Cerrado brasileiro. O Grupo deixará de fornecer produtos ou serviços financeiros a empresas que não estejam alinhadas com esta política.
  • O BNP Paribas é o primeiro banco internacional a adotar critérios tão rigorosos e com prazo determinado para combater o desmatamento e garantir a rastreabilidade dessas atividades em áreas sensíveis. No mais recente estudo, “In Debt To the Planet” (Em dívida com o planeta), publicado pela ONG britânica ShareAction em dezembro de 2022, foram analisadas as estratégias e abordagens dos 25 maiores bancos europeus para proteger a biodiversidade e combater as mudanças climáticas, dentre os quais o BNP Paribas ocupa o primeiro lugar.
  •  Somente o engajamento coletivo de todas as instituições financeiras envolvidas pode ser plenamente eficaz. Neste sentido, simplesmente deixar de financiar esses atores não teria impacto positivo em suas práticas, pois ainda contariam com um número grande o suficiente de credores para suas atividades.

*Matéria atualizada às 17h04 para inserir o posicionamento da empresa Marfrig Global Foods.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
1 de fevereiro de 2023

Carne é responsável por 86% da pegada de carbono na dieta dos brasileiros

Pesquisa estima que consumo de carne também responda por 77% da poluição de corpos d'água associada à produção de alimentos e por 26% do uso da água

Reportagens
22 de dezembro de 2022

Sai a floresta, entra o pasto: Amazônia (des)protegida

Mesmo dentro de unidades de conservação que deveriam impedi-las, as pastagens avançam e gado chega ao mercado de carne

Notícias
21 de fevereiro de 2022

Contra desmatamento, varejista alemã Aldi anuncia que não venderá mais carne brasileira

Multinacional segue exemplo de outras grandes empresas europeias que, em dezembro passado, anunciaram boicote à carne do Brasil como resposta à destruição da floresta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 2

  1. A ação proposta pelas duas organizações contra o BNP Paribas é extremamente importante e necessária para que os direitos humanos e o meio ambiente sejam preservados. A empresa brasileira Marfrig tem sido acusada de praticar crimes ambientais e violar direitos humanos, e é inaceitável que o BNP Paribas continue a prestar serviços financeiros a esta empresa.

    É necessário que sejam tomadas medidas para que esses atos não fiquem impunes. É importante que os bancos e empresas de serviços financeiros passem a se responsabilizar por suas ações e que os crimes ambientais e violações dos direitos humanos sejam punidos. É fundamental que os governos e as autoridades tomem medidas eficazes para que essas ações não sejam mais toleradas.

    A ação proposta pela CPT e pela NAAT é um passo importante para que sejam realizadas mudanças e que os direitos humanos e o meio ambiente sejam preservados de forma a garantir que as gerações futuras possam desfrutar de um planeta saudável e livre de violações. É uma luta histórica que precisa ser vencida e que depende da conscientização de todos.


  2. Carlos Haroldo diz:

    Única coisa que posso dizer é recomendar que leiam mais e estudem mais porque, se não sabem eu esclareço, isso é papo de concorrente. Onde estão as florestas europeias? Nem mata ciliar eles teem. Eles são muito bonzinhos. Teem uma preocupação muito grande com o Brasil mas compram madeiras nobres brasileiras, e por aí vai. o pecuárias deles não conseguem concorrer então vamos de loby