Notícias

Caminhões-pipa abastecem tanques espalhados pela RPPN Sesc Pantanal

Seis dos 50 tanques espalhados pela unidade de conservação estão sendo abastecidos pelos caminhões-pipa. Medida ameniza efeitos da seca sobre a vida silvestre

Leandro Barbosa · Victor Del Vecchio · Gabriel Schlickmann ·
11 de setembro de 2021 · 2 anos atrás

Nosso dia começou com uma ida ao tanque que visitamos logo na chegada à RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) Sesc Pantanal. Ele estava ainda mais seco do que na quarta-feira (08), apenas com uma pequena poça e fendas onde a água lamacenta se acumulava. 

Desta vez, porém, fomos com o caminhão-pipa, que despejou 8 mil litros de água proveniente do poço artesiano do Polo São Luís, onde estivemos baseados todos estes dias. Não foi, nem de longe, o suficiente para enchê-lo, mas já deu uma sobrevida para a disponibilidade hídrica na região.

Alessandro de Amorim, chefe de brigada que tem nos acompanhado todos estes dias, comentou que a RPPN, ao longo de seus 108 mil hectares, tem 50 reservatórios. Seis deles são abastecidos pelo caminhão-pipa. Os demais estão próximos dos rios São Lourenço e Cuiabá, que cercam a reserva, e alguns outros ainda não houve a necessidade de abastecimento. São longas as distâncias de cada um deles para os polos, onde ficam os poços artesianos e bases dos brigadistas, ainda assim, com bastante organização, é possível mantê-los com água suficiente para que, mesmo com a intensa seca, os animais possam se hidratar.

Mapa da RPPN Sesc Pantanal. Imagem: Divulgação.

Porém, toda vez que um foco de incêndio surge, toda brigada é mobilizada para, na maior velocidade possível, apagá-lo. Isso desmobiliza o trabalho de abastecimento dos reservatórios. Há poucas semanas, houve um incêndio próximo à Reserva, em área que os brigadistas também atuam, e que demandou trabalho da equipe, razão pela qual os reservatórios que visitamos quando chegamos estavam em tamanha secura. 

A água despejada do caminhão durará cerca de 10 a 15 dias, a depender das condições climáticas. Foi interessante verificar que, logo após o abastecimento, algumas espécies de aves já se aproximaram para beber água. 

Encerrado o abastecimento, voltamos para o Polo, almoçamos, pegamos nossa bagagem e partimos em direção à Estrada Transpantaneira, chegando ao nosso destino apenas após 6h de estrada e uma distância de aproximadamente 270 km, boa parte deles em estradas de terra, que contam com muitas pontes, já que muitos trechos durante a cheia viram rios e corredores de água. Em uma delas, já durante a noite, furamos um pneu, o segundo da viagem.

Na chegada (com emoção) ao nosso local de hospedagem, encontramos membros do Corpo de Bombeiros e da ONG AMPARA, que atua com resgate e reabilitação de animais silvestres. Nos próximos dias, iremos acompanhar a ação desses dois grupos, mas por hoje, só descansar do longo dia.

Galeria do dia

O brigadista Alessandro de Amorim. Foto: Gabriel Schlickmann.
Foto: Gabriel Schlickmann.
Abastecimento. Foto: Gabriel Schlickmann.
Resultado após o despejo de 8 mil litros. Foto: Gabriel Schlickmann.
  • Leandro Barbosa

    Jornalista, com publicações nos jornais The Intercept Brasil, Ponte Jornalismo, Globoplay, El País Brasil, UOL, Yahoo, Agência Pública e na revista americana Atmos

  • Victor Del Vecchio

    Advogado e mestrando em Direito Internacional pela USP, professor da Casa do Saber

Leia também

Notícias
8 de setembro de 2021

RPPN Sesc Pantanal: Anta morre de sede em reservatório seco

Unidade de conservação usa caminhões-pipa para encher os reservatórios, mas o esforço tem sido insuficiente devido à seca. Em 2020, 93% da área pegou fogo

Notícias
9 de setembro de 2021

RPPN Pantanal: Pesquisadores fazem experimentos de Manejo Integrado do Fogo

Uma equipe de 40 cientistas analisa as consequências do fogo no bioma e trabalham com produtores e comunidade para que a queima não se transforme em incêndio sem controle

Notícias
8 de setembro de 2021

Pantanal: também falta água para o abastecimento humano

Famílias fazem mutirão para pagar custo de perfuração de poços para alcançar a água no bioma que era conhecido pela fartura hídrica. Nos rios secos, carcaças de jacarés aparecem ao lado das poças que sobraram

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.