Notícias

Campeã olímpica nada pelas raias gigantes e pela conservação do oceano

Ana Marcela se tornará madrinha em defesa das raias-mantas, um dos maiores peixes do mundo e que correm risco de extinção

Bruna Martins ·
16 de setembro de 2021

A campeã olímpica da maratona aquática, Ana Marcela Cunha, será condecorada pelo Projeto Mantas do Brasil, como madrinha em defesa das raias-mantas. Em homenagem à atleta, que, além de medalha de ouro olímpica, traz no peito 12 medalhas em mundiais, uma raia gigante do Banco Brasileiro de Mantas será batizada com o nome de Ana Marcela. 

O evento acontecerá no dia 18 de setembro, em Santos (SP), onde a nadadora atravessará 7 km do Guarujá até a praia de Santos, com a chegada prevista para às 11h, em frente ao Aquário Municipal. A Santos Port Authority fará o monitoramento do tráfego de embarcações no dia para deixar livre o desafio solo da campeã olímpica. Ações de limpeza e conscientização ambiental acontecerão pela manhã.

Trata-se de uma iniciativa conjunta de diversos projetos de conservação que atuam fortemente na Baixada Santista: Santos Lixo Zero, Instituto Mar Azul, Instituto Gremar, Projeto Mantas do Brasil, em conjunto com a Secretaria de Meio Ambiente do Município de Santos, para o Dia Mundial da Raia-Manta (17/09) e Dia Mundial de Limpeza de Praias (18/09).

Importância do evento

Da esquerda para a direita: Adriano Luiz Henriques, Superintendente Chefe de Gabinete; Afrânio Moreira Junior, Diretor de Infraestrutura, Fernando Biral, Diretor-Presidente e Marcus dos Santos Mingoni, Diretor de Administração e Finanças. Em frente a sede da Santos Port Authority. Crédito: Pedro Cavalcante/SPA

A espécie Manta birostris ou Mobula birostris, conhecida como raia jamanta ou manta gigante, é a maior das espécies e um dos maiores peixes do mundo, podendo chegar a oito metros de uma asa a outra e pesar mais de duas toneladas. São criaturas dóceis, que compõem a chamada “megafauna carismática”, animais que valem muito mais vivos do que mortos, com potencial para movimentar o turismo de mergulho.

Infelizmente, desde 2011, essas gigantes gentis estão classificadas como “Vulneráveis à Extinção” na lista vermelha da IUCN, devido sua pesca excessiva junta à sua lenta reprodução. Em 2013, foi proibida a pesca, retenção a bordo e comercialização desses animais em todo o Brasil.

O evento funciona como uma forma de chamar atenção para a necessidade da proteção dessa espécie, levantando a sensibilização pela pauta. “O oceano pede socorro, Ana Marcela ouviu, é fundamental que uma esportista desse calibre, tão ligada ao mar, nos ajude a puxar a corrente de sensibilização ao apelo do oceano”, declarou Ana Paula Balboni Coelho, coordenadora do Projeto.

“É uma honra ser madrinha da raia-manta e de fazer parte do movimento em defesa pela conservação desses animais ameaçados de extinção. Um gigante dos mares, dócil e tão importante para o equilíbrio da vida marinha, do mar que também é a minha casa e que já me trouxe tantas alegrias e realizações”, conta a medalhista do ouro olímpico de Tóquio na maratona aquática, Ana Marcela.

  • Bruna Martins

    Jornalista em formação pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Leia também

Notícias
16 de dezembro de 2011

Ameaçada, raia-jamanta ganhará novo plano de conservação

Nesta semana, a Petrobras anunciou que um dos projetos que patrocina, o Mantas do Brasil, vai se envolver na elaboração de um plano para conter a diminuição da população da espécie.

Fotografia
16 de abril de 2012

O vôo da exuberante raia-jamanta

A raia-jamanta é maior entre as espécies de raias. Exuberante e passiva, a espécie sofre principalmente com a pesca ilegal em áreas que deveriam estar protegidas. Foto: Ana Paula Balboni

Notícias
18 de agosto de 2021

Vida marinha em recifes tropicais pode cair pela metade até final do século com crise climática

Estudo conduzido por pesquisadores brasileiros em Atol das Rocas mostra que se nível de emissões de CO2 for mantido como está, ecossistemas entrarão em colapso

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta