Notícias

Conservar 80% da Amazônia custa três vezes menos do que valor gasto com emendas parlamentares

Governo Bolsonaro gastou, em média, 34,8 bilhões/ano com emendas. Manter protegida uma área de 3,5 milhões de km² custaria cerca de R$ 10,8 bi/ano, mostra estudo

Cristiane Prizibisczki ·
24 de maio de 2022

Estudo publicado na última semana mostrou que, para manter 83% da Amazônia brasileira sob proteção, uma área de cerca de 3,5 milhões de km², seriam necessários cerca de US$ 2,25 bilhões anuais, ou R$ 10,8 bilhões. A cifra parece grande, mas é três vezes menor do que o valor gasto pelo Governo Bolsonaro em emendas parlamentares. Puxada pelo chamado “orçamento secreto”, a média de gastos com tais emendas na atual gestão chegou a R$ 34,8 bilhões/ano, segundo levantamento da Associação Contas Abertas.

Quando comparado com valores aplicados à conservação ao redor do mundo, o custo estimado para a Amazônia também é pequeno: sete vezes menor do que a União Europeia gasta atualmente na manutenção de seu sistema de áreas protegidas – custo por km² -, que tem apenas um terço do tamanho da floresta tropical em território brasileiro.

Os valores para a manutenção da floresta em pé foram calculados por pesquisadores da Universidade de Miami (EUA), Museu Paraense Emílio Goeldi, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Conservação Internacional do Brasil, e publicados no último dia 18 na revista científica Perspectives in Ecology and Conservation.

A pesquisa prevê que seriam necessários entre US$ 1,7 e US$ 2,8 bilhões para manter unidades de conservação, terras indígenas, áreas públicas ainda sem definição fundiária e outras áreas prioritárias para a conservação dentro da Amazônia brasileira. Além disso, os pesquisadores estimam que seriam necessários de US$ 1 a US$ 1,6 bilhão (R$ 7,6 bilhões) em investimentos iniciais para criar e estabelecer 1,3 milhão de km² de novas áreas protegidas.

Os cálculos são baseados na estimativa de custo de manutenção das áreas de conservação já existentes, como infraestrutura local e salário de funcionários, custo de criação de novas áreas de conservação, como inventários biológicos e demarcação, e dos custos de manutenção do sistema de conservação, como atividades de coordenação regional e nacional.

“Estes valores são bastante modestos quando se compara com os valores potenciais dos serviços ambientais que os ecossistemas da Amazônia brasileira prestam para o Brasil e para o mundo”, diz o pesquisador José Maria Cardoso da Silva, professor da Universidade de Miami e um dos autores do artigo.

“Dada a importância que esse sistema [de áreas protegidas e prioritárias] tem no Brasil, para o orçamento do país, esse valor que calculamos é praticamente irrisório”, reforça o pesquisador, em entrevista a ((o))eco.

Segundo a Lei Orçamentária Anual (LOA) 2022, a previsão das despesas da união este ano é de R$ 4,7 trilhões.

 Trabalhar na escala necessária

Esta foi a primeira vez que o custo de manutenção das áreas protegidas na Amazônia foi estimado. O que se tem de trabalhos anteriores é a mensuração dos valores dos serviços ecossistêmicos e dos créditos de carbono.

“É igual você ter uma fazenda e dizer: ‘ela vale milhões’. Mas, independente do quanto vale, você tem o custo para manter essa fazenda e foi isso o que calculamos, independente do valor da área protegida”, explica Silva.

De acordo com ele, o Brasil precisa começar a trabalhar na escala necessária para enfrentar o problema da preservação da Amazônia. Só assim, com um valor base de manutenção estabelecido, será possível analisar se os aportes vindos dos setores público e privado são mesmo suficientes.

“A gente não vai resolver o problema com mixaria. Tem que começar a botar o valor, por isso é importante colocar um valor mínimo, porque, quando os compromissos forem estabelecidos, o pessoal vai começar a comparar. ‘Ah, eu vou prometer 100 milhões’. Mas esse valor só paga 10%. Quer jogar sério? É isso que custa”, finaliza José Maria Cardoso Silva.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Análises
23 de março de 2022

Quanto vale uma árvore?

A nova visão trazida pela perícia e valoração ambiental contribui para o entendimento do real valor do meio ambiente, que extrapola em muito os valores de abastecimento de recursos materiais ao homem

Reportagens
20 de janeiro de 2021

Lei de Pagamento por Serviços Ambientais entra em vigor com vetos que fragilizam sua aplicação

Bolsonaro vetou trechos que previam mecanismos de transparência e incentivos fiscais. Lei tem pontos questionados, como possibilidade de projetos em área de APP e RL

Reportagens
10 de novembro de 2014

Claudio Maretti:”A Amazônia tem um valor impossível de calcular”

Líder da Iniciativa Amazônia Viva, da WWF, fala da importância de valorizar os serviços dos ecossistemas e de criar mecanismos de compensação econômica.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta