Notícias

Cúpula do CITES vota por proteger raias de água doce do rio Xingu e rio Negro

Patrocinada pelo Brasil, proposta que restringe o comércio internacional da raia-preta e raia-cururu foi aprovada pelo Comitê da CITES na CoP19

Michael Esquer ·
22 de novembro de 2022

O Comitê da 19ª Conferência das Partes (CoP19) da Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (CITES, da sigla em inglês) aprovou, na última sexta-feira (18), a restrição do comércio internacional de duas espécies de raias de água doce endêmicas do rio Xingu e rio Negro. Patrocinada pelo Brasil, a proposta foi aprovada em consenso pelos países presentes na cúpula, que acontece até o dia 25 deste mês, no Panamá, e deve ser ratificada na plenária final da conferência.

A inclusão da raia-preta (Potamotrygon leopoldi), também chamada de raia-xingu, e da raia-cururu (Potamotrygon wallacei) no apêndice II da Convenção da CITES tem o objetivo de impor regras mais rígidas para o comércio internacional das espécies e torná-lo mais sustentável. Com a mudança, a comercialização dos animais fica condicionada à comprovação de que as quantidades exportadas não impactam negativamente as espécies. 

Endêmica (restrita) da bacia do rio Xingu, no estado do Pará, a raia-preta também ocorre em dois de seus afluentes: rio Curuá e Iriri. De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, da sigla em inglês) a espécie atrai o comércio de peixes ornamentais por conta do seu atraente padrão de cores. A raia-preta também enfrenta perseguição em algumas áreas devido ao medo de ferimentos por ferroadas.

Em sua proposta, o Brasil justificou que a espécie sofre com a pressão da pesca para o abastecimento do mercado internacional, uma vez que é exportada para fortalecer o cultivo em cativeiro na Ásia, União Europeia e América do Norte. O documento também apontou a distribuição geográfica restrita da espécie e a perda de integridade do seu habitat no rio Xingu devido ao crescimento da fronteira agrícola, aumento da pecuária, mineração e construção da hidrelétrica de Belo Monte. 

“O cenário de ser capturado em todas as fases do ciclo de vida pode provocar um aumento da mortalidade por pesca para valores próximos à taxa de mortalidade […] que poderia causar a extinção da espécie”, alerta trecho da proposta que foi aprovada pelo Comitê da CITES. 

Raia-cururu, endêmica do rio Negro. Foto: Richard Harwicke

Endêmica da bacia do rio Negro, no estado da Amazonas, a raia-cururu, também é uma espécie de água doce. A proposta patrocinada pelo Brasil explica que o peixe é de pequeno porte, sendo encontrado em Igapós (áreas de floresta alagada). O documento apontou a baixa fertilidade e crescimento, e a maturação sexual tardia da espécie, que apresenta alta especificidade ambiental. “Essas características impõem baixo fluxo genético, reduzindo sua resiliência a impactos diretos e indiretos, como pesca e mudanças ambientais”, explica texto da proposta sobre a raia-cururu. 

Além da raia-cururu e raia-preta, a proposta também regulamenta o comércio internacional de outras cinco espécies similares de raias de água doce, também endêmicas, que estão no comércio de peixes ornamentais legalmente ou ilegalmente: Potamotrygon henlei; Potamotrygon albimaculata (grupo de raias pretas); Potamotrygon jabuti; Potamotrygon marquesi; e Potamotrygon signata (grupo das raias marrons). 

Com a aprovação no Comitê, a proposta patrocinada pelo Brasil ainda aguarda o endosso do Plenário da CoP19, que deve acontecer entre 24 e 25 de novembro, os dois últimos dias da convenção. Dificilmente a proposta aprovada sofrerá revés na votação no Plenário, já que os países a aprovaram em consenso. 

  • Michael Esquer

    Jornalista em formação pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com passagem pela Universidade Distrital Francisco José de Caldas, na Colômbia, tem interesse na temática socioambiental e direitos humanos

Leia também

Reportagens
18 de novembro de 2022

Países votam pela conservação global de tubarões na cúpula de espécies ameaçadas

Propostas aprovadas no comitê da CITES CoP19 restringem comércio internacional do tubarão-martelo, tubarão-azul e mais de 50 espécies da família Carcharhinidae

Análises
25 de setembro de 2016

Cites 2016: novo embate entre traficantes e conservação

Começou em Joanesburgo a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas (Cites). De lá, contaremos tudo o que se passa.

Análises
12 de março de 2013

Tubarões: uma conquista árdua e frágil no Cites

Raias-manta e 4 espécies de tubarão entraram na lista de comércio regulado. Mas essa vitória pode ser revertida até o fim da conferência.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta