Notícias

Maior desmatador da Amazônia é denunciado pela segunda vez à Justiça

Pecuarista que comandava de São Paulo esquema de grilagem de terras públicas e desmatamento na Amazônia responderá por crimes em outra fazenda.

Daniele Bragança ·
17 de outubro de 2016 · 5 anos atrás
Ramal madeireiro corta a floresta ainda de pé. Foto: Marcio Isensee e Sá.
Ramal madeireiro corta a floresta ainda de pé. Foto: Marcio Isensee e Sá.

Considerado o maior desmatador da Amazônia, o pecuarista Antônio José Junqueira Vilela Filho foi denunciado pela segunda vez à Justiça pelo Ministério Público Federal do Pará (MPF/PA). Junqueira Vilela e mais dez pessoas foram denunciados por irregularidades na fazenda Triângulo/Curuá, área grilada que foi embargada pelo Ibama em 2013 por desmatamento ilegal.

AJ Vilela, o cunhado Ricardo Viacava, as duas irmãs do pecuarista, Ana Luiza Vilela Viacava e Ana Paula Junqueira Vilela, eram sócios da fazenda e receberam 5 milhões em negociações da terra grilada e com a venda de gado criado em áreas desmatadas ilegalmente.

Após ser embargada por desmatamento ilegal, Vilela dividiu a fazenda em duas. A segunda fazenda teve uma parte vendida e outra, já dentro do perímetro embargado, foi colocada em nome de um laranja, Douglas Dalberto Naves, também denunciado pelo MPF.

Depois de vendida, de acordo com informações da Receita Federal e do Ibama, o local foi novamente palco de desmatamentos ilegais. “Após a fiscalização da Ibama, AJ Vilela fez a cuidadosa divisão da Fazenda Triângulo/Curuá em duas partes, com o objetivo de separar a área fiscalizada da que não foi, vendendo esta última a um terceiro e transferindo a área fiscalizada a um laranja”, diz a denúncia oferecida pelo MPF. A fiscalização do Ibama voltou à fazenda em 2015 e encontrou queimadas, desmatamento ilegal e um acampamento com trabalhadores em condição análoga a escravidão.

Denúncia

Alojamento onde ficavam os trabalhadores em condição análoga à escravidão, em fazenda grilada por AJ Vilela. Foto: Ação judicial do MPF
Alojamento onde ficavam os trabalhadores em condição análoga à escravidão, em fazenda grilada por AJ Vilela. Foto: Ação judicial do MPF

Os dez denunciados são acusados por crimes de falsidade ideológica, frustração de direito trabalhista, redução à condição análoga a de escravo, crimes contra o meio ambiente e invasão de terras públicas federais.

Antônio José Junqueira Vilela Filho, Ricardo Viacava, Ana Luiza Vilela Viacava e Ana Paula Junqueira Vilela Carneiro são acusados de comandar e movimentar o dinheiro do esquema de grilagem e venda de gado de área embargada. Já Rodrigo Siqueira Pereto atuava como gerente das fazendas griladas e Olívio Bertoldo Bachmann era o responsável por contratar os trabalhadores encontrados em condição análoga a da escravidão.

Narciso Lidio Pereira Mascarenhas, que comprou a área grilada da família Vilela, foi denunciado por crimes ambientais e invasão de terras públicas. Fábio Barbosa de Oliveira Lima é acusado de falsidade ideológica no esquema. Douglas Dalberto Naves e Mariano Barros de Morais funcionavam como laranjas da família Vilela e Edson Mariano da Silva era responsável por elaborar os Cadastros Ambientais Rurais fraudulentos das terras griladas.

Leia a íntegra da denúncia.

 

*Com informações do Ministério Público Federal no Pará.

 

Leia Também

O grileiro dos Jardins

MPF questiona JBS e Maggi sobre negócios com desmatador da Amazônia

Polícia Federal desmonta quadrilha de desmatadores comandada de São Paulo

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
30 de junho de 2016

Polícia Federal desmonta quadrilha de desmatadores comandada de São Paulo

Operação revela sofisticação do grupo que pratica desmatamento e grilagem para pecuária e soja no sudoeste do Pará. Principal suspeito é pecuarista de SP

Notícias
21 de julho de 2016

MPF questiona JBS e Maggi sobre negócios com desmatador da Amazônia

Procuradores querem detalhes sobre transações comerciais entre as empresas e integrantes da família acusada de chefia esquema de desmatamento e grilagem no Pará.

Reportagens
7 de outubro de 2016

O grileiro dos Jardins

Chefe da quadrilha responsável pela maior operação de desmate e uso ilegal de terras na Amazônia já desmantelada pela polícia agia sediado no coração de São Paulo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. paulo diz:

    Eta bagaçada. Ooooo gente ruim, barbaridade.