Notícias

Na ONU, Bolsonaro culpa indígenas pelos incêndios na Amazônia

Presidente alegou que mantém “política de tolerância zero com crime ambiental’ e afirma que Brasil é vítima de "campanhas de desinformação" sobre a Amazônia e Pantanal

André Phellipe ·
22 de setembro de 2020 · 1 anos atrás
Presidente da República Jair Bolsonaro, durante gravação de discurso para a 75ª Assembleia Geral da ONU. Foto: Marcos Corrêa/PR.

Em discurso na abertura da Assembleia das Nações Unidas, o presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (22), em mensagem gravada, que o Brasil é “vítima de uma das mais brutais campanhas de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal” e alegou que tem uma política “de tolerância zero com o crime ambiental”. 

Bolsonaro chamou de “impatriotas” associações brasileiras que lançam campanha contra o país no exterior. “Nosso agronegócio continua pujante e, acima de tudo, respeitando a melhor legislação ambiental do planeta. Mesmo assim, somos vítimas de uma das mais brutais campanhas de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal”. 

De acordo com o chefe do Executivo, a floresta do Brasil é úmida e isso não permite a propagação do fogo em seu interior. “Os incêndios acontecem praticamente nos mesmos lugares, no entorno leste da floresta, onde o caboclo e o índio queimam os seus roçados em busca de sua sobrevivência em áreas já desmatadas”, alegou. 

Não é a primeira vez que Bolsonaro culpa indígenas e caboclos por incêndios florestais. Em julho ele já havia falado a mesma coisa, ignorando que 54% das queimadas ocorrem em área recém-desmatada, segundo estudo da NASA. Só no Pantanal, esse ano, mais de 2,8 milhões de hectares foram queimados. A PF investiga a participação de fazendeiros em um incêndio que consumiu 25 mil hectares. 

Ele ainda enfatizou na ONU que a região amazônica é maior que toda a Europa ocidental (não é), sendo assim, segundo sua avaliação, fica difícil de combater incêndios, a extração ilegal de mandeira e a biopirataria. Por isso estamos ampliando e aperfeiçoando o emprego de tecnologias e aprimorando as operações interagências, contando inclusive com a participação das Forças Armadas“, justificou.

Derramamento de Óleo

No último ponto tocado em relação ao meio ambiente, Bolsonaro classificou como criminoso o derramamento de óleo e culpou a Venezuela pelo ocorrido. Mas no mês passado, um ano após o desastre, a Marinha do Brasil finalizou a primeira parte das investigações sem identificar ou apontar culpados. Também não foram revelados a origem exata do vazamento que atingiu o litoral de nove estados do Nordeste e dois do Sudeste. 

Em 2019, o Brasil foi vítima de um criminoso derramamento de óleo venezuelano, vendido sem controle, acarretando severos danos ao meio ambiente e sérios  prejuízos nas atividades de pesca e turismo. O Brasil considera importante respeitar a liberdade de navegação, estabelecida na convenção das Nações Unidas sobre direito do mar.  Entretanto, regras e proteção ambiental devem ser respeitadas e os crimes devem ser apurados com agilidade, para que agressões como a ocorrida contra o Brasil não venham atingir outros países“, afirmou

 

*André Phelipe, da Agência Regra dos Terços, especial para o ((o))eco.

 

Leia Também 

Ao negar pauta ambiental como prioritária, Brasil se isola do mundo, aponta Marina

Servidores denunciam em dossiê desmonte da política ambiental no Governo Bolsonaro

O naufrágio da área ambiental brasileira

 

Leia também

Colunas
31 de agosto de 2020

O naufrágio da área ambiental brasileira

A insensibilidade do governo Bolsonaro com o meio ambiente é reconhecida internacionalmente e parece não ter limites 

Notícias
10 de setembro de 2020

Servidores denunciam em dossiê desmonte da política ambiental no Governo Bolsonaro

O documento de 34 páginas foi entregue ao Papa Francisco e será enviado a entidades como a ONU, Human Rights Watch e Anistia Internacional

Notícias
14 de setembro de 2020

Ao negar pauta ambiental como prioritária, Brasil se isola do mundo, aponta Marina

Ex ministra do Meio Ambiente foi uma das participantes do 1º dia do Seminário Jornalistas em Diálogo, que teve papo sobre política ambiental e a cobertura jornalística na Amazônia – confira o que rolou

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Marcos diz:

    Eu vi na íntegra e ele disse do petróleo Venezuelano que foi provado, mas não disse que a Venezuela derramou o petróleo , que particularmente eu não duvido nada do Maduro , pública certinho , senão perde a credibilidade


    1. Bostaurus diz:

      Vá mentir assim na PQP! Bolsominion é um troço triste!


  2. Paulo diz:

    Infelizmente, além de analfabeto ambiental, também aloprou e mentiu.

    Estamos lascados.