Notícias

Queimadas no Pantanal passam dos 1.600 focos em julho e já são as maiores desde 1998

Clima seco e nível mais baixo do rio Paraguai em décadas contribuem para que fogo se alastre pelo bioma. Somente em julho já foram 1.601 focos, 224% mais que em 2019

Duda Menegassi ·
30 de julho de 2020 · 1 anos atrás
Queimadas em julho já são a maior da série histórica desde 1998. Foto: Chico Ribeiro/Governo Mato Grosso do Sul.

A dois dias do fim do mês de julho, o número de focos de queimadas no Pantanal já é mais que o triplo do que o mês inteiro em 2019. Foram 1.601 focos de calor registrados até o dia 29 de julho contra 494 no ano passado. Um aumento de cerca de 224%. As informações são do Programa de Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). É o maior número de focos de incêndio no mês de julho no Pantanal desde 1998, quando começou o monitoramento do INPE.

Antes mesmo do final do mês, os focos já representam um aumento de 27,2% com relação ao ano de 2005, que detinha o recorde para o período, com 1.259 focos. No somatório do ano, 2020 já contabiliza 4.135 focos de queimadas antes mesmo dos meses de agosto e setembro, que costumam registrar os maiores índices de fogo, o que tem ligado o alerta de especialistas de que este ano pode superar os 10.025 focos do ano passado.

Um dos principais fatores para o aumento das queimadas no bioma está no fato de que o rio Paraguai, que cruza a região pantaneira, não encheu esse ano. Com isso, boa parte das planícies alagáveis do Pantanal não alagaram e ficaram secas, em condições propícias ao alastramento do fogo. Esse é o nível mais baixo de água registrado nas últimas décadas no rio Paraguai.

A Nasa, agência espacial americana, divulgou uma imagem de satélite onde é possível comparar como o rio Paraguai fica durante um ano normal de cheia e como ele está esse ano. A diferença é gritante.

Tradução: Um período prolongado de clima incomumente quente e seco no sul do Brasil, no Paraguai e norte da Argentina reduziu o rio Paraná para os níveis de água mais baixos em décadas.

Mato Grosso do Sul em estado de emergência

O governo do Mato Grosso do Sul, onde estão concentrados os maiores focos de fogo, decretou estado de emergência ambiental na última sexta-feira (24) e pediu reforços para combater os incêndios. O decreto é válido por 180 dias. O estado registrou 3.971 focos no ano até esta quarta-feira (29), de acordo com o monitoramento do INPE, um aumento de 86% com relação ao mesmo período em 2019. Apenas em julho já foram 1.244 focos. O estado é dividido entre os biomas Pantanal e Cerrado, e uma pequena área de Mata Atlântica.

Leia também

Queimadas no Pantanal aumentam 189% em relação a 2019 e batem recorde

Bolsonaro critica em live decreto que proíbe uso de fogo – assinado por ele mesmo

Incêndio no Pantanal atinge 61% do Refúgio Ecológico Caiman, santuário das araras azuis

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
13 de setembro de 2019

Incêndio no Pantanal atinge 61% do Refúgio Ecológico Caiman, santuário das araras azuis

Fazenda desenvolve trabalhos na preservação de onças e araras e é um importante ponto do turístico ecológico no Pantanal. Desde segunda, 35 mil hectares foram queimados

Salada Verde
16 de julho de 2020

Bolsonaro critica em live decreto que proíbe uso de fogo – assinado por ele mesmo

Governo suspende permissão para uso do fogo por 4 meses. Em live, Bolsonaro criticou a medida e afirmou que não há problema em desmatar a Amazônia, porque ela se regenera

Notícias
22 de julho de 2020

Queimadas no Pantanal aumentam 189% em relação a 2019 e batem recorde

Este ano já foram registrados 3.415 focos de queimada, o maior número já registrado desde 1998, quando começou o monitoramento do INPE no bioma

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Paulo diz:

    Precisamos de planejamento urgente de combate ao fogo nos nossos Biomas.
    Temos grandes rios de largura e profundidade, compatíveis ao pouso de aviões grandes para grandes cargas de água.
    Falta vontade dos políticos.