Notícias

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Bruna Martins ·
18 de outubro de 2021

As histórias de cinco pessoas, que possuem uma relação muito próxima e única com a natureza da cidade maravilhosa, são compartilhadas por Rafael Duarte, documentarista e fotógrafo carioca. Em cinco episódios, é possível assistir aos diferentes pontos de vista na websérie “Rio de Diferentes Olhares”, pela produtora Bambalaio.

A websérie é um desdobramento do projeto fotográfico “RIO”, publicado em forma de livro em 2019, no qual o documentarista passou 10 anos buscando ângulos inusitados para apresentar o Rio de Janeiro de uma maneira ainda não vista. Há dois anos, quando começou a praticar esportes, ele conta que passou também a levar sua câmera para as trilhas ou para pedalar e, dessa forma, redescobriu a cidade. “Praticar esportes e estar em contato com a natureza me fez reconectar e redescobrir a cidade, e aí eu comecei a fotografar e não só explorar os parques como comecei também a subir em cima dos prédios, subir em cima dos monumentos da cidade. E essa obsessão ‘do bem’ de procurar ângulos diferentes que revelassem essa integração da cidade com a natureza me fez conhecer pessoas incríveis”, conta Rafael. 

Com o livro, ele conseguiu compartilhar fotografias novas sobre essas experiências, mas ainda era o seu próprio olhar. Sua motivação se tornou, então, mostrar a cidade maravilhosa a partir do ponto de vista de outras pessoas, essas que, como ele observou, viviam de forma integrada à natureza, neste grande “parque de diversões do esporte”. Com esses depoimentos, ele busca apresentar como o contato diário com a vista natural da cidade age por cima de cada ser humano. E assim, nasceu o Rio de Diferentes Olhares.

O ser humano, a natureza e o esporte

Além do desejo de documentar e compartilhar esses diferentes pontos de vista, a websérie também tem uma função de despertar o desejo naqueles que a assistem, de conhecer esse lado natural da cidade e, assim, protegê-la. Duarte, nascido no Rio e apaixonado pela capital, explica que o carioca médio tem o hábito de ir para a praia no final de semana, mas não de ir à floresta. Ele acredita que se isso mudar com o tempo, e as pessoas sentirem interesse em estar e criar vínculos com esse espaço, existe a chance de preservar os ambientes, pois para conservar, é necessário conhecer. “Ninguém cuida daquilo que não conhece, então o filme busca despertar essa sensação de pertencimento e essa vontade de estar com as pessoas, estar com a família (…) esse contato com a natureza não só traz bem estar e qualidade de vida, mas também traz consciência ambiental e sensação de pertencimento, sabe? As pessoas desenvolvem vínculos afetivos com os espaços que elas frequentam”.

Um ponto importante que a websérie aborda é a relação que o esporte tem com o tema. Ele acredita que o exercício físico é o elo que pode juntar as pessoas à natureza. Pode-se observar isso pelos próprios personagens.

Chico é ultramaratonista e estrela do primeiro episódio. Natural do Ceará, ele chegou no Rio ainda na adolescência em busca de construir uma carreira profissional e descobriu na corrida pelas florestas da cidade uma vocação e se tornou um expoente do esporte.

O segundo episódio traz Erika Sedlacek de Almeida, uma atleta de highline (fita de longo comprimento instalada sobre cânions) que sonhava em fugir com o circo, mas se encontrou no esporte que a permitiu fazer manobras corporais nas alturas.

Montanhista e engenheiro, Giuseppe Pellegrini, o Pellé, é o funcionário mais antigo do Bondinho Pão de Açúcar e sua história é foco no terceiro episódio. Ele entrou para a companhia que abriga o teleférico mais famoso do mundo por conta da prática da escalada, onde trabalhou por quase seis décadas e já escalou o morro mais de 3.500 vezes. 

Larissa Cunha possui toda a atenção no episódio 4. Ela é bióloga ornitóloga que pesquisa os ninhais de atobás e fragatas do Monumento Natural das Ilhas Cagarras. Para chegar aos ninhais, é necessário fazer uma pequena natação no mar do barco até as ilhas e escalá-las. 

E um piloto e recordista de voos livres duplos, Ruy Marra, pesquisador em neurociência, que inventou a Yoga no céu, prática com base científica em neurociência que visa evitar o medo das pessoas através de estímulos emocionais a 500m de altitude.

Rafael Duarte, que para contar essas histórias, mergulhou de cabeça no cotidiano dessas pessoas, conta que a experiência mudou um pouco sua relação com a cidade: “Eu pude sair do meu ponto de vista e mergulhar de forma muito intensa na rotina de outras pessoas, e quando se faz isso, você exercita muito a empatia, a saída da zona de conforto, até porque uma produção dessas propõe muitos desafios… Eu com certeza fortaleci meu vínculo com a cidade e desenvolvi minha empatia com esses personagens que estão lá trabalhando e se relacionando de uma forma muito única e especial”, conta.

Todos os episódios da websérie estão disponíveis aqui.

  • Bruna Martins

    Jornalista em formação pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Leia também

Reportagens
4 de outubro de 2021

O retorno das onças-pardas ao município do Rio de Janeiro

Com seis registros confirmados nos últimos 15 anos, a onça-parda, que já foi considerada extinta no município carioca, está de volta nos dois maiores maciços florestais da cidade

Salada Verde
8 de julho de 2020

Projeto inicia novas pesquisas de fauna no arquipélago das Ilhas Cagarras

Nova fase do projeto Ilhas do Rio irá incluir pesquisas sobre tartarugas e sobre os mamíferos terrestres que habitam o arquipélago do Monumento Natural das Ilhas Cagarras

Notícias
25 de abril de 2021

Ilhas Cagarras, no Rio, são novo ponto de esperança para oceanos no mundo

O arquipélago carioca, protegido por unidade de conservação desde 2010, foi reconhecido internacionalmente como um Hope Spot pela Mission Blue, iniciativa liderada por Sylvia Earle

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Rosana diz:

    Muito bom! Estava agora com uma bela cigarra em minhas mãos ( briguei com o gato para salva lá kkkk) e suas informações foram bem úteis. 😁