Reportagens

Ilhas protegidas

A Câmara dos Deputados aprovou a criação de uma Unidade de Conservação para proteger o arquipélago das Cagarras, as ilhas cariocas. Só falta o Senado.

Carolina Elia ·
11 de março de 2005 · 19 anos atrás

Os cariocas perderam o costume de receber boas notícias, mas aqui tem uma. O plenário da Câmara dos Deputados aprovou a criação do Monumento Natural do Arquipélago das Cagarras. O Projeto de Lei ainda tem que passar pela tribuna do Senado, mas aumentam as chances de a cidade voltada para o mar ter sua primeira unidade de conservação marinha.

O Projeto de Lei 1683/03 foi proposto pelo deputado Fernando Gabeira e visa proteger o arquipélago, composto por cinco ilhas e duas ilhotas, da depredação humana. Com exceção de uma ilha ocupada pela Marinha, as demais são inabitadas. Mas elas ficam a apenas 5 quilômetros da praia de Ipanema e têm como vizinho o emissário submarino de esgoto do bairro. Nos fins de semana, é endereço de campistas e ponto de mergulho e pesca. Nenhum órgão fiscaliza essas atividades, que poderiam ser inofensivas ao meio ambiente desde que fossem normatizadas

Em monumentos naturais é permitida a visitação pública, mas com restrições. No caso das Cagarras, o Projeto de Lei proíbe “qualquer atividade que possa pôr em risco a integridade dos ecossistemas e a harmonia da paisagem”. Acampamentos e competições esportivas estão vetados, bem como qualquer outra interferência humana que possa perturbar a fauna aquática e as aves marinhas do arquipélago.

Apesar de não terem praias e serem relativamente pequenas, as ilhas das Cagarras são ricas em biodiversidade. Um dos motivos é a sua localização latitudinal, no limite entre a zona tropical e subtropical temperada. Seus costões abrigam diferentes espécies de peixes, moluscos, crustáceos e esponjas. Os polvos e lulas os elegeram como local de reprodução e golfinhos e baleias Franca e Jubarte passam por ali ocasionalmente. Recentemente, tartarugas começaram a se tornar freqüentes, mas as lagostas sumiram, alerta o deputado Fernando Gabeira. Em terra, as aves tomaram conta da Mata Atlântica remanescente. Há ninhos de tesourão, gaivotas e atobás, mas a presença humana quando não quebra os ovos espanta os pássaros.

Quando criado, o Monumento Natural das Cagarras terá um órgão gestor responsável e um Conselho Consultivo, que incluirá representantes da sociedade civil. Mas o mais importante é que terá um plano de manejo para definir o que se pode fazer nestas ilhas de picos redondos e formas suaves que emprestam mais uma bela paisagem natural à cidade do Rio de Janeiro.

Leia também

Colunas
17 de abril de 2024

Declaração de Barcelona define novos rumos para a Década do Oceano

O encerramento do evento oficializou a primeira conferência da Década do Oceano de Cidades Costeiras que ocorrerá em 2025 na cidade de Qingdao, na China.

Salada Verde
17 de abril de 2024

Marina Silva é uma das 100 pessoas mais influentes de 2024, segundo a Time

Selecionada na categoria “líderes”, perfil de Marina destaca a missão da ministra em prol do combate ao desmatamento ilegal na Amazônia. Ela é a única brasileira citada na lista de 2024

Reportagens
17 de abril de 2024

Em audiência pública na ALMG, representantes da UFMG alertam para impactos da Stock Car

Reunião contou com reitora e diretores da universidade, mas prefeitura e organizadores da corrida faltaram; deputada promete enviar informações a patrocinadores da Stock Car

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.