Reportagens

Carvão: um beco sem saída?

O Eco visita mina de carvão mineral na Polônia para saber porque o combustível está no meio do impasse para novo acordo na Convenção de Mudanças Climáticas

Redação ((o))eco ·
8 de dezembro de 2008 · 13 anos atrás

O cientista americano James Hansen, conhecido como um dos pioneiros na pesquisa do aquecimento global tem repetido constantemente em seus artigos que o verdadeiro nó górdio para o meio ambiente não é interromper o uso do petróleo como tantas vezes se ouve por aí. Quando se fala em reduzir o consumo de combustíveis, frisou Hansen em uma carta pública enviada ao primeiro ministro da Inglaterra, o problema verdadeiro se chama carvão mineral. Toneladas do carburante que moveu a revolução industrial ainda são queimadas todos os dias gerando 41% das emissões globais de carbono – 11 bilhões T/CO2 por ano.

Nesta semana em que as negociações da Convenção da ONU entram em momento decisivo aqui em Poznan, na Polônia, as atenções estarão voltadas para União Européia. O bloco nos próximos dias vai debater o chamado Pacote de Energia e Mudanças Climáticas, que compreende uma série de medidas concretas em setores como transporte, habitação e indústria para que seja possível cumprir a meta de reduzir 20% das emissões de carbono em 2020.

O que acontecer em Bruxelas, sede da Comissão Européia, vai influenciar em grande parte o que ocorrerá em Poznan. A Europa lidera entre os países ricos as iniciativas de redução de emissões. É ela quem tem as metas mais ambiciosas e também quem mais defende cortes drásticos até 2050. Se Europa não fizer o seu dever de casa, será difícil que os Estados Unidos o façam, afirmam os especialistas.

Entretanto, a própria anfitriã da Conferência da ONU, a Polônia, é um dos países mais relutantes em aceitar medidas concretas. A dependência da energia gerada pelo carvão mineral está por trás de sua resistência; 93% do suprimento do país provém do combustível. “A Polônia é a China da Europa”, define uma ativista do Greenpeace ao lembrar das poluentes termoelétricas do país asiático.

No interior da Polônia

O Eco visitou no último dia 03 de dezembro, na cidade de Konin (140 quilômetros de Poznan), a área onde são extraídos há 60 anos 11 milhões de toneladas/ano de carvão para abastecer termoelétricas que fornecem pelo menos 5% da energia do país. Ali o Greenpeace montou acampamento de sua campanha mundial ‘Carvão Não!’.

 

Foto: Rod Harbinson
Foto: Rod Harbinson

Gustavo Faleiros está em Poznan a convite do Climate Change Media Partnership.

Leia também

Notícias
19 de janeiro de 2022

Com pedido de Wassef, Justiça libera madeira apreendida em operação histórica

O advogado da família Bolsonaro conseguiu a liberação de madeira e bens da empresa MDP Transportes, uma das afetadas pela operação da PF que resultou na maior apreensão de madeira já feita

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

Em evento, Bolsonaro comemora redução de 80% das multas do Ibama

“Nós reduzimos em mais de 80% as multagens no campo”, disse o presidente, que creditou ao ex-ministro Salles e à ministra da Agricultura, Teresa Cristina, as boas medidas para o campo

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

MPF se pronuncia contra decreto que permite destruição de qualquer caverna

Câmara de Meio Ambiente do Ministério Público Federal (4CCR) diz que norma desrespeita princípios constitucionais. Governo publicou decreto na semana passada

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta