Reportagens

Entrevista Robert Costanza

O pesquisador Robert Constanza sugere que o sucesso das economias não deve ser medido pelo valor do PIB dos países, mas por uma outra referência chamada de Indicador Genuíno de Progresso

Andreia Fanzeres ·
21 de setembro de 2009 · 13 anos atrás
Foto: Pixabay.

Robert Constanza, pesquisador em economia ecológica da Universidade de Vermont (EUA) sugere que o sucesso das economias não deve ser medido pelo valor do PIB dos países, mas por uma outra referência chamada de GPI – Genuine Progress Indicator (Indicador Genuíno de Progresso, na sigla em inglês). Trata-se de critérios que avaliam basicamente a qualidade de vida da população. Para Constanza, os países escandinavos e a Costa Rica são bons exemplos de nações que caminham com PIB e GPI em harmonia. O Brasil ainda está longe disso. Nesta curta entrevista, o pesquisador comenta também sobre a escolha brasileira de investir na exploração de petróleo do pré-sal, insistindo, assim, no modelo econômico ultrapassado dos combustíveis fósseis. Em vez disso, ele recomenda que o Brasil mire na experiência equatoriana e negocie a não utilização das reservas de petróleo em troca de outras compensações, na mesma linha em que se avançam as discussões sobre florestas e Redd. (Ouça a entrevista, em inglês).

Robert Constanza – Entrevista 

 

 

  • Andreia Fanzeres

    Jornalista de ((o))eco de 2005 a 2011. Coordena o Programa de Direitos Indígenas, Política Indigenista e Informação à Sociedade da OPAN.

Leia também

Salada Verde
25 de maio de 2022

CPI/PUC lança plataforma sobre os 10 anos do Código Florestal

Ferramenta concentra análises, pesquisas e dados sobre a implementação da Lei 12.651/2012 em todos os estados brasileiros

Notícias
25 de maio de 2022

Desmatamento na Mata Atlântica cresce 66% e chega a 21,6 mil hectares em 2021

Estados que estavam perto de atingir o desmatamento zero, como São Paulo e Sergipe, voltam a apresentar alta na destruição do bioma, revela Atlas

Notícias
25 de maio de 2022

Onças encontradas mortas no Pantanal foram envenenadas por agrotóxico, conclui PF

O inseticida Carbofurano, agrotóxico cuja venda é proibida no país, foi usado para envenenar as onças-pintadas. Carcaças foram encontradas em junho de 2021, já em estado de decomposição

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta