Reportagens

49 dias – Um encontro que pode mudar o rumo de Copenhague

Começou neste domingo, dia 18, em Londres, o encontro de ministros das maiores economias do mundo. A iniciativa reúne os países desenvolvidos membros do G8 e mais 10 economias emergentes, entra elas Brasil, Índia e China. Por consequência, ali também estão os maiores emissores de gases estufa do planeta . Juntos , emitem 80% do total de gás carbônico (CO2). Nicholas Stern, o economista que escreveu o relatório sobre os impactos econômicos das mudanças climáticas, publicou um artigo no jornal The Guardian no qual afirma que este encontro pode decidir os rumos das metas de Copenhague. O problema que persiste para que um novo acordo climático seja fechado é a divisão entre países desenvolvidos e nações em desenvolvimento. Embora, China, México e o Brasil estejam acenando com metas voluntárias, como é caso de nossa meta de redução para o desmatamento (70% até 2017), os Estados Unidos gostaria de ver estas metas firmadas em um documento, como afirmou o negociador americano Todd Stern. Mas isso só ocorrerá se o próprio governo de Obama oferecer uma meta ambiciosa. Mas se isso irá ocorrer, ainda é uma grande incógnita. Leia aqui o artigo de Nicholas Stern Saiba mais Uma sobra paira sobre Copenhague

Gustavo Faleiros ·
19 de outubro de 2009 · 12 anos atrás
  • Gustavo Faleiros

    Editor da Rainforest Investigations Network (RIN). Co-fundador do InfoAmazonia e entusiasta do geojornalismo. Baterista dos Eventos Extremos

Leia também

Notícias
20 de janeiro de 2022

Espécie de jararaca descoberta na Caatinga revela história evolutiva até então desconhecida

A descoberta da espécie B. jabrensis trouxe também uma revelação surpreendente: uma nova linhagem evolutiva, até então desconhecida pela ciência, dentro do gênero jararacas

Notícias
20 de janeiro de 2022

“Essa tese de que vamos abrir a cerca para o gado passar não será predominante no meu governo”, diz Lula

Em entrevista coletiva, pré-candidato do PT à presidência falou em meio ambiente urbano, pesticidas e defendeu o legado de construção de grandes hidrelétricas na Amazônia

Análises
20 de janeiro de 2022

Além do plantio: incluindo pessoas na restauração florestal

Mais importante do que “apenas” plantar árvores, é necessário conciliar a conservação ambiental com produção sustentável através da integração de paisagens e pessoas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Flávia diz:

    Excelente artigo.. bem mais aprofundado do que tenho visto em outros canais que tocam no assunto de restauração. Obrigada, Veronica.