Reportagens

Última rodada antes de Copenhague

Delegações de 192 países encontram-se na cidade espanhola de Barcelona para tentar destravar as negociações. Já no primeiro dia, cresce pressão sobre Brasil.

Gustavo Faleiros ·
2 de novembro de 2009 · 14 anos atrás

Acompanhe todos os dias a cobertura de O Eco diretamente de Barcelona.

Ativistas do Greenpeace subiram na famosa igreja de
Barcelona para pregar um banner pedindo “Salvação ao clima”

Começou nesta segunda-feira, 02, em Barcelona, a última rodada de negociações do novo acordo climático, cuja a aprovação é esperada para ocorrer em dezembro, durante a reunião das Nações Unidas em Copenhague.

O encontro abriga grandes expectativas pois daqui podem sair as diretrizes para o estabelecimento de metas ambiciosas para a redução de gases de efeito estufa. Ao mesmo tempo, há tensões no ar, uma vez que se as conversas não terminarem bem até sexta-feira diminuem muito as chance de que Copenhague seja um sucesso.

“As conversas em Barcelona precisam progredir e colocar fundações sólidas para o sucesso em Copenhague. Nós temos apenas cinco dias para conseguir isso, cinco dias para detalhar as propostas e finalizar os textos. Mas estou convencido que isso pode ser feito”, afirmou o secretário da Convenção da ONU sobre Mudanças Climáticas, Yvo de Boer, na primeira coletiva de imprensa do encontro.

As opções que estão na mesa são metas que variam entre 25% e 40% de reduções de gases de efeito estufa até 2020 sobre os níveis de 1990 . A União Européia, que já assumiu por conta própria um compromisso de 20%, se compromete a elevar sua proposta para 30%, se outros países desenvolvidos embarcarem. O Japão já dá sinais que pode fazê-lo, mas a grande dúvida continua sendo os Estados Unidos. A gestão Obama espera ainda uma decisão do Senado americano sobre a lei do clima para apresentar propostas formais nas negociações da ONU. Até o momento, o presidente dos EUA apenas fala em metas ambiciosas para 2050, muito além do que parece razoável a estudiosos do aquecimento global.

Brasil na berlinda

O outro nó que deve exigir esforço dos negociadores em Barcelona é o tamanho (além da natureza) do compromisso que economias emergentes, como Brasil e China, terão no novo acordo climático. O governo brasileiro tem sido visto com um facilitador importante nas discussões. Os sinais dados por Lula de que o país aceitará uma meta de redução de gases de efeito estufa foram bem recebidos por delegações dos EUA e UE.

No entanto, em coletiva convocada nesta segunda, diversas ONGs brasileiras, apontaram contradições no comportamento da gestão Lula. A palavra usada por alguns ativistas é de que há “esquizofrenia” no comportamento brasileiro, pois de um lado fala-se em reduzir o desmatamento na Amazônia em 80% até 2020, mas por outro há apoio a projetos de lei no Congresso Nacional que podem simplesmente picotar o Código Florestal. “Lula tem que evitar um desastre interno“, pontuou Paulo Adário, do Greenpeace.

Nesta terça-feira, o presidente se reunirá com seus ministros de Meio Ambiente e Ciência e Tecnologia para definir a meta brasileira em Copenhague. De acordo com informações obtidas pelo jornal Folha de São Paulo, o governo deve aprovar uma redução de 26% sobre as emissões de 2005 ao invés dos 40% originalmente propostos pelo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc. “Dependendo de sua decisão, Lula tem a chance de se tornar um herói ou um vilão em Copenhague”, disse Gaines Campbell, da não governamental Vitae Civillis.

  • Gustavo Faleiros

    Editor da Rainforest Investigations Network (RIN). Co-fundador do InfoAmazonia e entusiasta do geojornalismo. Baterista dos Eventos Extremos

Leia também

Notícias
12 de abril de 2024

ICMBio abre consulta pública para criação de novo parque marinho no Rio Grande do Sul

Criação do Parna de Albardão foi proposta há mais de 15 anos. Unidade protegerá 1,6 milhão de hectares, em região com alta pressão da pesca industrial

Notícias
12 de abril de 2024

Pesquisadores alertam para impactos de turbinas eólicas sobre morcegos

Artigo assinado por 12 pesquisadores de 9 países e territórios aborda efeitos das turbinas sobre morcegos ao redor do mundo, lista medidas de prevenção e pede maiores regulações

Salada Verde
12 de abril de 2024

Os 35 anos do Parna Grande Sertão Veredas

Uma das principais unidades de conservação do Cerrado abriga inigualáveis cenários que inspiraram a obra de Guimarães Rosa

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.