Reportagens

REDD em turbulência

Considerado até então o tema que mais havia avançado na Convenção do Clima, a redução de emissões por desmatamento ficou enfraquecida com indecisão de negociadores. 

Andreia Fanzeres · Gustavo Faleiros ·
15 de dezembro de 2009 · 15 anos atrás
Príncipe Charles no telão da Sala de imprensa: Discurso em defesa das florestas (foto: Andreia Fanzeres)
Príncipe Charles no telão da Sala de imprensa: Discurso em defesa das florestas (foto: Andreia Fanzeres)

A falta de financiamento e uma linguagem dúbia com relação à proteção das florestas abalaram o ânimo de muitos ambientalistas na negociação para redução de emissões por desmatamento e degradação (REDD) nesta terça-feira. Logo pela manhã mais um rascunho passou a circular e, embora outros ajustes sejam possíveis, a decisão está mesmo na mão dos ministros e chefes de governo que começam a chegar a Copenhague.  

O novo texto está mais encorpado, mas quem acompanha as negociações afirma que isso não significa necessariamente  progresso em relação à semana passada. “A gente não sabe o que sai e o que fica, várias opções estão lá, os ministros é que vão acabar decidindo”, diz Carlos Rittl, da WWF. Colocar duas ou mais opções e remetê-las aos ministros é um reconhecimento de que há um impasse. “A mudança no texto REDD foi uma tragédia, voltou para o ponto de quinta passada”, comentou Tasso Azevedo, consultor do Ministério do Meio Ambiente.

Uma das principais dúvidas é se o REDD deve ser adotado como estratégia nacional ou regional. “O mecanismo só funciona como estratégia nacional. O Brasil está perto de conseguir isso. Se não for assim, você corre o risco de concentrar recursos numa região que pode não ser representativa para reduzir o desmatamento num computo geral”, explica Rittl.

De acordo com Azevedo, na discussão entre projetos nacionais e subnacionais reflete o desejo dos Estados Unidos de privilegiar os pequenos projetos. O apoio a projetos regionais nas florestas tropicais já foi aprovado no Congresso americano e isso facilitaria incluir o REDD com um mecanismo de mercado, que permitiria compensar emissões. 

 TWITTER

Outra indecisão diz respeito à possibilidade aberta no novo texto de que a conversão de florestas nativas seja considerada uma prática de REDD. Há, no entanto, entre as salvaguardas, a opção de restringir a conversão de florestas nativas para plantação de florestas exóticas, para atender aos objetivos de conservação da biodiversidade com benefícios sociais. Isso já seria um avanço, mas não há consenso. A segunda alternativa a este trecho é mais flexível e apenas não incentiva o desmatamento de áreas naturais.

Outros pontos cruciais ainda não foram colocados com clareza, como o valor do recurso de longo prazo a que os países em desenvolvimento terão acesso para implementar ações de REDD. Alguns países ricos já acenaram com financiamentos rápidos, mas isso não é suficiente para garantir o sucesso das ações de REDD. A possibilidade de criação de um órgão independente para avaliar e aprovar as referências nacionais de níveis de emissões entre os países é positiva, na opinião do representante da WWF, se fizer parte da coordenação da Convenção do Clima. Só assim será democrático e representativo.

O que está fora dos colchetes

Neste momento, linhas de base do acordo aparecem como praticamente definidas, ressaltando que as ações devem ser implementadas segundo particularidades de cada país, respeito à soberania, além de ser coerente com necessidades e objetivos ligados à adaptação e ao desenvolvimento sustentável, que deve ser apoiado para reduzir a pobreza e responder às mudanças climáticas.

Também já está fora de discussão a necessidade de adotar garantias para realização das ações de redução de emissões por desmatamento, mas a maioria dessas condicionantes ainda não passou pelo aval de todas as delegações. Já é consenso, no entanto, que é preciso haver estruturas para governança florestal de acordo com as legislações nacionais. O Brasil dará um passo atrás se basear suas ações de REDD em leis enfraquecidas caso a intenção de flexibilizar o Código Florestal se concretize. O respeito ao conhecimento e aos direitos dos indígenas e comunidades locais deverá ser levado em consideração. O texto fala que esses atores em particular devem ter participação efetiva nas ações para combater o desmatamento.

O alerta do príncipe

Nesta terça, a proteção das florestas tropicais também ganhou um apoio significativo. Durante a abertura do segmento de alto nível, o príncipe Charles, herdeiro do Reino Unido, defendeu a idéia de que “sem as florestas, não é possível combater a mudança climática. ” Ele mencionou a importância de se financiar ações de conservação como forma também de beneficiar populações com suprimento de água e sequestro de carbono. Charles não citou a sigla REDD, contudo.

De toda forma, há no texto do acordo de REDD uma opção baseada no Grupo de Trabalho da Fundação do Príncipe para as Florestas Tropicais. O grupo, do qual o Brasil fez parte, lançou há um mês uma proposta intermediária de financiamento do REDD. A conclusão indica que com um investimento de 15 bilhões a 25 bilhões de euros nos próximos anos seria possível reduzir o desmatamento em 25% até 2030.

A cifra é citada como Opção 3 no primeiro parágrafo do acordo, que versa sobre possíveis metas globais para a redução do desmatamento. Entre as opções consta a idéia original da União Européia de cortar pela metade a taxa de derrubadas globais em 2020 e zerá-la já em 2030. Os países em desenvolvimento, como Brasil, China, Costa Rica entre outros, não aceitam a meta.

Multimídia – Trecho do esboço do acordo de REDD interpretado

  • Andreia Fanzeres

    Jornalista de ((o))eco de 2005 a 2011. Coordena o Programa de Direitos Indígenas, Política Indigenista e Informação à Sociedade da OPAN.

  • Gustavo Faleiros

    Editor da Rainforest Investigations Network (RIN). Co-fundador do InfoAmazonia e entusiasta do geojornalismo. Baterista dos Eventos Extremos

Leia também

Análises
24 de junho de 2024

É preciso estar atento aos rumos do plástico

Defendemos metas globais de redução da produção de plástico para proteger a saúde humana e ambiental. É urgente considerarmos os riscos que esse material apresenta às populações atuais e do futuro, respeitando os limites dos diferentes ambientes e do planeta

Salada Verde
21 de junho de 2024

Postura de Mauro Mendes faz ICV finalizar parceira em projeto ambiental em MT

Organização cita falta de comprometimento do governador com pautas ambientais no estado. Projeto era voltado ao enfrentamento da crise climática

Notícias
21 de junho de 2024

Queimadas explodem em cinco dos seis biomas brasileiros

Número de focos registrados em grande parte do Brasil nos primeiros meses de 2024 está acima da média para o período. Pantanal segue em situação emergencial

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.