Reportagens

Emissões proporcionais ao consumo

Responsabilidade dos países ricos nas emissões mundiais devido às importações para manutenção de seus padrões de consumo muda geografia dos gases estufa, diz estudo.

Redação ((o))eco ·
9 de março de 2010 · 14 anos atrás

O cálculo sobre as emissões de gases de efeito estufa de um país depende de fatores que podem tornar o resultado mais ou menos conveniente. Se for contabilizada a responsabilidade dos países importadores de produtos que, para serem feitos, demandaram altas emissões de CO2, a geografia do aquecimento global sofre algumas alterações. Atualmente, os inventários informados à Organização das Nações Unidas consideram apenas as emissões produzidas em cada país.

Sendo tudo uma questão relativa de interpretação, o Instituto Carnegie de Ciencias, nos Estados Unidos, divulgou um relatório mostrando que 23% das emissões globais de gás carbônico (6.2 gigatoneladas, em 2004), foram resultado da fabricação de produtos comercializados internacionalmente. A maior parte proveniente da China e de países emergentes para alimentar os mercados ricos. Os europeus, por exemplo, importam quase duas vezes mais carbono per capta do que os americanos. De acordo com o estudo, o europeu é responsável em média por acrescentar mais de 4 toneladas de CO2 na atmosfera no processo de manufatura de bens importados de outros países.

Segundo um dos autores, o pesquisador Ken Caldeira, se a intenção é entender a ‘pegada’ das emissões, é preciso levar em conta que outros estão emitindo por causa do consumo dos países ricos, em bens e serviços, subsidiando seu estilo de vida.

O estudo leva em consideração emissões até 2004. Mas está prevista a divulgação de uma nova pesquisa, desta vez desenvolvida pelo Centro Internacional de Clima e Pesquisa Ambiental de Oslo, na Noruega, que analisa as emissões de consumo até 2008, mostrando ainda como a geografia das emissões mundiais tem mudado desde 1990. Um dos resultados dessa análise mais recente aponta que os americanos voltam a liderar as emissões globais porque embora a China tenha superado os Estados Unidos na liberação de gases dentro de seu território, em 2006, considerando as importações americanas e os padrões de consumo, eles continuam poluindo muito mais. Levando em conta as importações e as exportações americanas de dois anos atrás, as emissões do país aumentaram cerca de 10% comparadas às suas emissões territoriais. Enquanto isso, as emissões chinesas diminuiram cerca de 20% no mesmo período, conforme a pesquisa. A notícia foi publicada na New Scientist.

No mês passado, esta mesma publicação científica já havia noticiado que o governo britânico estava relutente em reconhecer um estudo que mostrava que suas emissões haviam aumentado 13,5% entre 1992 e 2004 (por causa das importações de bens de consumo), quando os dados oficiais diziam que no período tinha acontecido uma redução de gases de 4.6%.

Leia também

Salada Verde
12 de junho de 2024

Em evento de transição ecológica, Lula defende exploração de petróleo na margem equatorial

Nova presidente da Petrobras diz que “país perdeu 10 anos” ao atrasar exploração e que a estatal prepara ação para convencer área ambiental do governo

Salada Verde
12 de junho de 2024

Em entrevista, Marina Silva fala sobre recuperar legislação ambiental

No mesmo dia em que Lula defendeu exploração de petróleo na Margem Equatorial, ministra diz que Brasil pode ajudar países a trilharem caminhos mais responsáveis

Salada Verde
12 de junho de 2024

ICMBio lança ferramenta com mapa interativo de UCs do país

“Navegue pelo mapa” permite aos usuários acessar informações de todas as unidades de conservação federais terrestres e marinhas do Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.